Guia da Semana

O mito do Sísifo e a sociedade atual

Colunista levanta aspectos sociais a partir do espetáculo Era...Uma Vez?

Cena de Era...Uma Vez?
Foto: Divulgação


Era... Uma Vez? O título sugestivo do espetáculo em cartaz, no Sesc Paulista, em São Paulo, aproxima o espectador de uma questão própria de nossa época: o transtorno obsessivo-compulsivo. Apropriando-se de O mito de Sísifo, de Albert Camus, o Companhia Terraço Teatro, dirigida por Alexandre Caetano, executa um elaborado discurso corporal onde repetições e contágios são os pontos narrativos.

Ainda que haja certa ingenuidade nos movimentos dos atores, estes muito próximos aos exercícios físicos das salas universitárias, o elenco, Daniel Dalberto, Karina Almeida, Marina Elias e Thaís Branderburgo, assumem a peça com vigor e profissionalismo dignos dos talentos quais demonstram.

Não é fácil a elaboração de uma linguagem híbrida permeadora do teatro, dança e música. E em poucos momentos fica claro a necessidade de se romper com o correto para adentrar ao risco da experimentação.

Contudo, as repetições constantes e o dinamismo da encenação acabam por transpor a falta de surpresas e inclui o espectador como cúmplice de cada mínimo movimento, cada passo, gesto, olhar.

E é aí que a peça vai bem, na consistência de um trabalho preciso, claramente em crescimento.

O mito de Sísifo trata de um homem condenado a empurrar uma rocha até o pico de uma montanha, que, despencando, exige o recomeço da ação até sua morte. O belíssimo texto de Camus introduz ao espetáculo certa poesia e bons momentos de interpretação.

Recomeçar, refazer, retocar, re-conferir, vão além das características patológicas próprias do TOC, e podem servir de metáfora do próprio processo criativo. E há algo mais em Sísifo. O mito nos fala sobre persistência e derrota, tal qual o fazer artístico, quando a finalização ou conclusão de uma obra exige do criador uma revisão de sua trajetória, terminando, quase sempre, na dicotomia entre a descrença do feito com a ilusão sincera do fazer.

A rocha, objeto térreo a nos lembrar as dificuldades concretas do criar, do fazer, do existir, infinita sua presença no peso das subidas e em cada uma incorpora e traduz a violência da exigência da rotina, a eliminação da percepção do próprio ato, seqüencialmente anulando-se, desistindo-se do querer entender.

Vivemos a execução das ações diárias patologicamente tanto quanto um paciente portador de transtornos compulsivos. Apegamo-nos às seguranças concretas como subterfúgios às derrotas, como se fosse possível não enfrentá-las, não as termos. E seguimos, fiéis às ilusões, de que em algum momento a rocha não mais descerá, e virá então o esperado descanso recompensador.

Nada fazemos a não ser continuar e sonhar. Nada criamos a não ser a esperança de que um dia tudo vai passar, acabar. Nossos transtornos obsessivos são explosões de conflitos morais frente nossa capacidade de ir além, de arremessar a pedra para o outro lado ou esquecê-la ao pé da montanha. Somos confrontados diariamente com nossos juízos e perdemos sempre no julgo de não poder haver outras saídas, apenas a continuação eterna até o inevitável morrer.

Era... uma vez? Escancara a importância de relermos os pequenos gestos, suas compulsões e os impulsos germinadores de cada pensamento. Um espetáculo que se ainda não maduro na forma, preciso na abordagem do dizer.

Leia as colunas anteriores de Ruy Filho:

? Como lidar com os códigos dramáticos frente as modificações feitas em montagens de clássicos?


? A contemporaneidade de uma tradição


? Closer


? Gob Squad


? O teatro de Henrique Diaz


? Mais Quero Asno... e os recursos do fomento


? El Chingo e os fantasmas de cada um


? Com prosecco e qualidade


? O teatro candango e a morte de todos os dias


? Entre o silêncio e a mudez


? A ciência como pretexto dramático


? A alma decepcionada frente à realidade


Quem é o colunista: Ruy Filho.

O que faz: diretor e dramaturgo.

Pecado gastronômico: carpaccio de pato do Piselli.


Melhor lugar do Brasil: Salvador fora de temporada.


Fale com ele: ruyfilhosp@yahoo.com.br ou acesse o blog do autor

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças