Guia da Semana

O regresso do Príncipe das Trevas

Ozzy Osbourne volta ao país para mostra que o metal sempre tem vez



Ozzy Osbourne é uma figura singular no mundo do rock. Envolto em uma mística quase sobrenatural, o auto-intitulado Príncipe das Trevas passou pelos altos e baixos do heavy metal mantendo a soberania que conquistou no início da década de 70, quando estave à frente do Black Sabath. De volta aos palcos brasileiros após 13 anos, o inglês deve levar uma multidão ao Palestra Itália, em São Paulo, e ao HSBC Brasil, no Rio de Janeiro.

Ao lado do Black Sabbath, Ozzy ajudou a consolidar o metal como uma das ramificações mais populares do rock, desenraizando-o do hard rock e do rock and roll sessentista. Contando com o virtuosismo de Tony Iommi, nome obrigatório em qualquer lista dos melhores guitarristas da história, o quarteto congregou riffs ásperos, doses cavalares de distorção, bateria ligeira e vocal no talo, parindo o lendário Black Sabbath (1970), álbum de estréia do grupo e marco fundamental do heavy metal.

Afundado nas drogas, Ozzy foi convidado a deixar o grupo em 1979, partindo, então, para trabalhos paralelos acompanhado por outros músicos em novas formações. Com o amigo e guitarrista Randy Rhoads - falecido em um trágico acidente de avião anos mais tarde -, empreendeu diversos projetos até firmar sua carreira solo.

Influências e influenciados

Fonte de inspiração para artistas que transitam entre o metal e as demais vertentes do rock, a trajetória de Ozzy e do Black Sabbath legou alguns dos maiores clássicos do gênero, hinos reinventados por nomes tão diversos quanto Cannibal Corpse ( Zero The Hero), Megadeath ( Paranoid) e System Of A Down ( Snow Blind), além do hilariante encontro entre Flaming Lips e Cat Power ( War Pigs).

Mas se não são poucos aqueles que pagam tributos ao Príncipe das Trevas, ele próprio revelou suas referências ao lançar um álbum repleto de versões, o controverso Under Cover, de 2005. O disco revela a influência que lendas do quilate de Beatles, Rolling Stones e Joe Walsh tiveram na formação de Ozzy. Sua voz inconfundível se faz ouvir no clássico Sympathy For The Devil, dos Stones, na belíssima For What It´s Worth, do Bufallo Sprigfield, e na pérola Sunshine Of Your Love, do Cream. Mas é em Working Class Hero e Woman, de John Lennon, e In My Life, dos Beatles, que a ascendência dos garotos de Liverpool se faz presente.

As Crias de Ozzy

Há mais de uma década, Ozzy batiza um dos festivais de metal mais importantes do planeta, o Ozzfest. Dividido ao longo dos anos entre a Europa e os Estados Unidos, o concerto organizado por sua esposa, Sharon, e por seu filho, Jack, reúne um leque variado de bandas e estilos, tornando-se responsável pela afirmação de nomes como Limp Bizkit, Slipknot, System Of A Down e Black Label Society. Pelos seus palcos, passaram ainda pesos pesados como Sepultura, Foo Fighters, Marilyn Manson, Slayer e Pantera, além, é claro, do próprio Ozzy Osbourne e do Black Sabbath.

O Big Brother dos Osbournes

Após abocanhar dezenas de prêmios, milhões de dólares, um morcego, uma cabeça de pomba, ter um festival com seu próprio nome e ditar tendências no universo do metal, Ozzy demonstrava não ter mais nenhuma carta na manga. Isso até o lançamento de The Osbournes, reality show exibido na MTV e que acompanhou o dia-dia do clã Osbourne em seu momentos mais informais. Epidemia instantânea, a série conquistou fãs nos quatro cantos do planeta e mais uma vez projetou os holofotes sobre o cantor.

Ao expor a comicidade da família Osbourne em suas tarefas mais corriqueiras, a emissora não apenas colheu a maior audiência de sua história, como ajudou a renovar o público de Ozzy. Dono de um humor inato, o Príncipe das Trevas foi flagrado em situações surreais, ora impondo suas vontades, ora submetendo-se aos caprichos da matriarca Sharon e dos herdeiros Kelly e Jack, duas autênticas malas sem alça, espertas o suficiente para usarem o programa como trampulim para suas respectivas carreiras.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças