Guia da Semana

O Relógio do Paulo Autran

Reflexões sobre o teatro nacional em 2008

Foto: Sxc.Hu

Desde a estréia da minha coluna no Guia da Semana, tenho me concentrado em fazer boas críticas dos espetáculos que assisti e que, de alguma forma, contribuíram para a formação do pensamento ou despertaram algum tipo de verdade interna. Sobre as peças ruins ou as que não despertaram nenhuma paixão, preferi me abster, ou como diz um grande amigo: "Não posso falar o que eu penso, eu faço cabala!"

Confesso que 2008 foi um ano limitado em propostas inovadoras no teatro carioca. Pouco se fez pelo enobrecimento da arte de atuar. Boa parte dos espetáculos que estiveram em cartaz na cidade primou pela falta de estilo, conceito e muita mesmice. Em alguns espetáculos o constrangimento era perceptível por meio dos aplausos tímidos da platéia. Nessas horas, percebemos que até os grandes diretores com histórico de sucesso e boas montagens, podem errar a mão de vez em quando e produzir verdadeiros equívocos no palco.

Mas nem tudo foi perdido no ano. Tivemos bons espetáculos em cartaz como Traição, A Forma das Coisas, Gota D´água, Mamãe Não Pode Saber e o insuperável Ensina-me a Viver. Peças de qualidade, com boa dramaturgia, cenário, conceito e, principalmente, direção. Montagens que deveriam servir de referência para quem pretende produzir em 2009.

A essa altura, o leitor deve estar se perguntando o que o título desta coluna tem a ver com esta análise. Bom, preciso contar uma historinha. Um grande amigo arrematou num leilão em São Paulo, um carrilhão pertencente ao espólio de Paulo Autran. Uma bela peça com as máscaras do teatro. Como todo bom ator (e canceriano), tenho um certo apego a histórias e me apego a objetos que tenham algum significado. Ao me deparar com aquele objeto, fiquei estarrecido e comovido. Afinal, era uma parte importante da vida de um dos maiores atores brasileiros, que contribuiu muito para a arte e inspirou gerações de atores. Fiquei imaginando o que aquele pedaço de madeira poderia ter significado, quais as experiências que trazia consigo, que imagens e pessoas teria visto ou quais leituras de texto e estudos do ator ele teria presenciado.

No meu devaneio, podia visualizar o ator estudando seu texto, lendo seus livros numa bela cadeira de balanço, fumando um cigarro enquanto o relógio o embalava com seu tic-tac numa cantiga ininterrupta. O relógio me remetia ao tempo em que o teatro tinha uma representatividade grande na vida do artista, um tempo em que o palco era um espaço quase sacerdotal, sagrado e profano. Um tempo em que o público sentia prazer em ir ao teatro, ver grandes espetáculos, o tempo em que a dramaturgia tinha consistência e podíamos dizer que aquele espetáculo era teatro de verdade.

Com a partida de Paulo Autran, aquele relógio perdera seu espaço, seu lugar, fora demovido de seu templo e sabe-se lá qual será seu destino. Provavelmente, acabará em algum antiquário, ou na sala de algum colecionador. O relógio já não verá mais as leituras de texto, não sentirá o cheiro do cigarro, nem acompanhará mais as conversas do ator com outros artistas. O relógio marcará o início de um novo tempo para si.

Por fim, aqueles minutos que passei admirando a peça, fizeram com que eu refletisse sobre o próprio teatro e os caminhos e oportunidades que tenho buscado como ator. Repensei atitudes e conceitos e o verdadeiro motivo de ser artista. O relógio de Paulo Autran me serviu como um alerta para o que temos feito de bom e ruim para as artes. Me veio a sensação de que uma era de grandes atores e diretores está chegando ao fim, e que não há o preparo de uma nova geração para ocupar este espaço. A sociedade está tão voltada para outras formas de comunicação e mídia, que o teatro parece ter sido renegado ao segundo plano. Será o destino do teatro o mesmo do relógio?

Sinceramente, espero que não... Que 2009 seja um ano de renascimento, de inovação, com boas propostas teatrais, com espetáculos bem construídos e novos nomes em cena, que nos tragam a esperança de que a arte está se revitalizando e se preparando para um novo tempo. Que novos Autrans, Brittos, Montenegros, Chagas, Ferreiras, Menezes e Beckers venham com ele.

Leia colunas anteriores de Celso Pontara:

? A Vida é Quase Sonho


? O Novo Teatro Carioca


? Os Reis do Improviso


Quem é o colunista: Celso Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Celso Pontara é uma mistura de ator, dramaturgo e produtor cultural.

Pecado gastronômico: Coxinha de camarão do Bar Rebouças no Rio.

Melhor lugar do Brasil: Paraty.

Fale com ele: capontara@uol.com.br ou Clique aqui

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças