Guia da Semana

O som da chuva em nossos silêncios

Colunista escreve sobre o novo texto de Mário Bortolotto

Foto: André Stefano

A partir de um certo instante, sobrevoa uma fina nuvem, formada pelos cigarros fumados pelos atores e que, dado o desenho da sala do Satyros 1, lentamente avança em direção ao público. E o atinge, quase ao fim do espetáculo, incluindo-o na atmosfera da narrativa, enquanto um silencioso e longo abraço é construído ao fundo da cena. Dos copos de conhaque e latas de cerveja, surgidos sobre a mesa de madeira gasta, restam a ausência do hálito, da fala explícita ao sussurrar desculpas, ao aceitar a vida, após tantas falas cruzadas de destruição do outro e buscas de compreensão de si mesmo.

Em Uma Pilha de Pratos na Cozinha, Mário Bortolotto finaliza a trajetória de toda uma geração em encontrar um destino. Ou um sentido... Os jovens de ontem caminharam sem perspectivas, expostos a história de uma geração anterior, que se autodenominava atitude. E na ausência de qualquer ideal, na solidão do pertencer ao meio do caminho, sem horizontes ou curvas possíveis, o dramaturgo traduz a incapacidade em personagens à espera da morte.

Entretanto, não estão nos diálogos os gritos mais preciosos, mas naquilo que não é dito e que não poderá mais ser revelado. Assim é feito o pedido de socorro, o acolher do inevitável, em belíssima interpretação de Paula Cohen.

Perdemos o futuro, restando-nos apenas o passado. O que, no caso dos personagens de Uma Pilha de Pratos..., serve apenas para recordar-lhes suas incapacidades. Assim, a peça metaforiza sobre o próprio sentido do existir, expondo o tempo como inimigo inatingível.

E vai além, ao revelar não ser o tempo em si nosso adversário maior, e sim nós mesmos. Ao perdermos o contato com o próprio presente, sobra o passado insolúvel e imutável, como inevitável companheiro. Recordações, memórias e sonhos se distanciam enquanto, paradoxalmente, colam-se em nossa existência, tornando-nos uma opaca imagem do que fomos, misturada ao que não seremos, obrigando-nos a construir outro passado. O futuro, então, torna-se passado na forma de desejo. Desejo de dar ao todo, um dia, outro sentido, outro argumento à existência, outra interpretação que justifique o antes, levando-o a nos explicar diferentemente melhor.

Portanto, não é o tempo o mais cruel antagonista, e sim, nossa própria falência em sermos.

É pela boca de Paula Cohen que entendemos que passamos a vida sem notá-la e que a morte deve ser assistida lúcida, em plenitude, pois só se morre uma vez. Sem bebedeiras e quaisquer entorpecimentos, seremos obrigados a conviver com o inevitável e assim dar-lhe sentido, para nele, buscarmos o nosso próprio. Olhar a morte nos olhos. Ou a vida. O amanhã. Ou o agora. Bortolotto ajusta um texto à beira de janela, tanto quanto seu personagem, que enfrenta o parapeito do apartamento, criando uma trama onde a culpa se confronta com a piedade e o cinismo é instrumento de distanciamento e cegueira.

A pilha de pratos na pia cresce à medida que desistimos de dar sentido ao nosso próprio existir. Os cinzeiros se multiplicam quantificando em restos o tempo de nossas ausências. A poltrona rasgada ao uso, a porta sem tranca, o tapete envelhecido e gasto. O espetáculo silencia a vontade de fala, exige-nos o reencontro, o abraço mudo. E não é à toa que a chuva surge no meio do espetáculo. Como para nos avisar de que, para ouvir os trovões, é preciso estar vivo...

Mas somos apenas espectadores de um circo exibicionista de personagens fictícios. Então saímos do teatro abandonando poltronas e artistas feitos uma inócua neblina cinza a vagar sem sentido e valor, até, simplesmente, sumir misturada ao vento, enquanto esquecemos de que nuvens não podem ser abraçadas.

Leia colunas anteriores de Ruy Filho:

? Um espetáculo não se resume ao palco


? Criamos Nossas Próprias Tempestades


? Zé Celso:


Quem é o colunista: Ruy Filho.

O que faz: diretor e dramaturgo.

Pecado gastronômico: carpaccio de pato do Piselli.


Melhor lugar do Brasil: Salvador fora de temporada.


Fale com ele: ruyfilhosp@yahoo.com.br ou acesse o blog do autor

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças