Guia da Semana

Os passos de um tênis vermelho

Maíra Viana lança um trabalho que pode ser visto na íntegra na internet

IIustração: Ariel Fajtlowicz

Domingo passado, fui ao chá de bebê da minha prima. A família estava toda reunida. Reencontrei parentes que não via desde o casamento desta prima, que agora vai ser mãe. Tristemente, reparei que velório, casamento e nascimento são os eventos que reúnem a família. Enfim, ao menos era por um bom motivo que estávamos lá.

No meio de fraldas, mamadeira e lenços umedecidos, vi que todo mundo mudou. E reparei no quanto cresci desde que eu era apenas uma menina serelepe, com um rabo de cavalo na cabeça e um tênis vermelho no pé.

Agora, já sou mulher feita. E, em uma gota de angústia, me veio a dúvida: será que eu estou no caminho certo? Sou tudo aquilo que a menina de tênis vermelho queria ser quando crescesse?   Não sei. Não achei resposta. Nem sei se há alguma.  Mas vi que os "sims" e "nãos" que ofereci e recebi foram os responsáveis pelo que sou. Percebi que, apesar da vida ser construída em instantes decisivos, ela é vivida em momentos simples. Mas será que esses momentos banais não são, justamente, o que nos leva a ter esses instantes decisivos?

"Quando a vida nos presenteia com o imprevisível, muitas coisas passam pela nossa cabeça: ... Será que tudo o que eu escolho me torna quem sou e define o que vai acontecer comigo?"

Esta frase, que resume o que quero dizer, é um trecho do livro digital A Menina do Sapato Caramelo, novo trabalho de Maíra Viana, que pode ser lido na íntegra no portal Bookess. Na obra, Maíra brinca com a história de uma menina de sapato caramelo que aprende com os próprios passos a traçar seu caminho "contando com um pouco de sorte, um tanto de coragem, uns óculos cor de abóbora e um par de sapatos caramelo".

Conheci a Maíra Viana por meio das letras compostas em parceria com Fernando Anitelli, da trupe O Teatro Mágico.  Desde então, encantei-me com seu jeito delicado de me fazer pensar na vida. Inventando histórias, ela consegue traduzir o que todo mundo sente, no fundo do peito, mas que faz questão de esconder em sorrisos rasos.

Ela conta a história de uma menina e seu sapato cor de doce. Eu tenho minhas lembranças de uma garota com tênis vermelhos. E todo mundo anda com seus pares apressados em busca de "ser alguém na vida", não é? Uns até correm, passam por cima dos outros e chutam umas peças caídas no meio do caminho. Mas o que a gente não percebe é que a vida não espera para acontecer somente quando a gente chegar lá. A vida é justamente os altos e baixos que ocorrem no meio do caminho. É aí que mora toda a diversão.  E você, de que cor eram seus pares de sapatos? Azuis? Verdes? Amarelos? 

Clique aqui e confira o livro na íntegra.


Leia a colunas anterior de Nathalya Buracoff:

Sinos de Alegria

Quem é a colunista: curiosa e bem-humorada. Adora conhecer gente e é apaixonada por cultura, principalmente cinema, teatro, música e quadrinhos.

O que faz: é jornalista.

Pecado gastronômico: chocolate e bacon. Em refeições separadas, obviamente.

Melhor lugar do mundo: aquele que reúne boa música, meus amores e meus amigos.

Fale com ela: nathalya @comtatos.net, no blog ou acesse seu twitter

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA