Guia da Semana

Os Reis do Improviso

Musical Os Cafajestes imprime estilo do stand-up comedy em nova montagem de Fernando Guerreiro



As relações de poder existentes entre homens e mulheres e a competição gerada por elas sempre renderam boas piadas no universo masculino. Quando um grupo de homens se junta, muitas vezes, o assunto se resume a futebol e mulher. E já que o assunto a ser discutido não é o Kaká ou a escalação da seleção pelo técnico Dunga, vamos falar então... de mulher.

Para todo bom primata criado nos preceitos mais ortodoxos da escola machista, mulher é sinônimo de boa dona-de-casa, de mãe zelosa na educação dos filhos, que sabe fazer bons quitutes e que não tenha muita opinião sobre política, religião ou qualquer tema que seja assunto de homem. Para um bom machista que segue a cartilha da AMC - Associação dos Machistas Convictos - mulher não deveria votar ou, melhor, se é para votar, que vote no candidato escolhido por ele. Mulher não deveria dirigir, afinal, as ruas já estão perigosas demais com tanta violência e, principalmente, respeitar as duas horas dedicadas ao time do coração durante cada partida do campeonato brasileiro, do campeonato carioca, da Taça Libertadores, do campeonato espanhol, do inglês, do italiano, afinal, o futebol não é uma paixão e, sim, uma filosofia de vida. O fato é que todo macho de respeito no fundo tem um cafajeste dentro de si. Afinal, já faz parte do pacote e vem escrito no DNA de cada um de nós.

E, como todo bom cafajeste, devemos tomar o cuidado de expressar nosso poder e preconceito do universo feminino na forma de piada, onde nenhuma mulher escapa, principalmente... as loiras. Este é o tema preferido de quatro homens na comédia musical Os Cafajestes, em cartaz no Rio de Janeiro e São Paulo simultaneamente.

A comédia é uma divertida caricatura do universo masculino, recheado de piadas sobre mulheres. O texto escrito por Aninha Franco, ganhador do Prêmio Sharp de Melhor Musical Brasileiro de 1995, traz novamente a assinatura do diretor Fernando Guerreiro de Camila Baker e A Bofetada.

O espetáculo é um deboche ao preconceito masculino, composto por canções machistas de diversas épocas e estilos.

Juan Alba vive Alencar, um romântico à moda antiga apaixonado pela esposa Adelaide. Osvaldo Mil é Alfredinho, um playboy de 35 anos que se considera garanhão. Fabio Lago é Estevão, um verdadeiro troglodita que garante que sua atual esposa o chama de senhor, tira seus sapatos e beija seus pés. Leo Jaime interpreta Onório, vítima freqüente de piadas, representa aquilo que o homem mais teme: tornar-se um corno manso.

O espetáculo é garantia de riso certo. No melhor estilo stand-up comedy, os quatro atores improvisam e interagem com a platéia. Osvaldo Mil e Fábio Lago roubam a cena. Ambos possuem tempo certo de comédia, rapidez no improviso e abusam da caricatura corporal. Léo Jaime está ótimo em cena como Onório, mostrando que além de músico tem dom para a comédia.

O grande sucesso desta montagem está na interação direta com o público e no improviso rápido. E, nestes momentos, Osvaldo Mil e Fábio Lago dão um show, mostrando que além de bons atores são grandes comediantes.

O cenário é bem econômico, com poucos elementos cênicos e a luz de Berilo Nosella bem trabalhada, de forma a garantir que o foco seja o ator.

Um espetáculo para ser visto por machões, Amélias, Catarinas, feministas e o público em geral.

Quem é o colunista: Celso Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Celso Pontara é uma mistura de ator, dramaturgo e produtor cultural.

Pecado gastronômico: Coxinha de camarão do Bar Rebouças no Rio.

Melhor lugar do Brasil: Paraty.

Fale com ele: capontara@uol.com.br ou Clique aqui

Atualizado em 1 Dez 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças