Guia da Semana

Para refletir e se divertir

Com forte drama psicológico, peça retrata desespero de quatro estudantes

Por Douglas Brito



Estudantes tentam forçar professora a entregar chave do cofre


Confira a entrevista com a atriz Eliana Guttman

Logo ao ler a sinopse da peça Querida Helena, pode-se perceber que o tema é polêmico: até onde quatro jovens podem chegar para atingir o seu objetivo? É essa pergunta que o público se faz ao decorrer do espetáculo, que varia da alegria e da amizade ao terror e tristeza.

O péssimo desempenho na prova de matemática do exame final pode complicar o ingresso de três alunos na faculdade, um deles está ali mesmo só pelo prazer e desafio de conseguir a chave do cofre do colégio - onde estão as provas - que está com a professora Helena Sergueivna. Um tema típico de filme de terror é transmitido aos espectadores, mas não na forma de suspense e medo, mas sim com um apelo psicológico, que mexe conosco e nos faz pensar sobre certas atitudes.

Passado no ano de 1981, em São Petesburgo, na Rússia, a história traz muito do que acontecia na época do fim da Guerra Fria, um sentimento de imenso vazio pelos jovens comunistas. A professora, uma senhora com um caráter e honestidade inegáveis, não se deixa abater pelo discurso empreendedor e revolucionários de seus alunos e, ao mesmo tempo, algozes. Eles se queixam da morosidade e do estilo comunista de ser: viver com o que é necessário, sem nada complementar. Enquanto os três rapazes e a garota sonham com carros de luxo, grandes casas e muito poder.

É esse embate de opiniões soviéticas da década de 80, que encaixa-se perfeitamente nos dia de hoje do cenário brasileiro: o jeitinho nosso de arranjar tudo, a corrupção e o suborno. Será que para conseguir o sucesso é necessário ser desonesto? Tanta desigualdade e miséria só pode ser evitada com roubo? E o que mais se assemelha com o nosso país é a questão do perdão, seja pela inocência do povo ou o sentimento de culpa da professora, que mesmo sendo ameaçada, insultada e encurralada ainda acredita e perdoa os garotos, como se fossem inocentes e precisassem de ajuda, pobre Helena. Assim como no Brasil, que permite que um presidente que sofreu impeachment volte a se eleger, que um político influente no Regime Militar tenha mais de 50% dos votos para governador e prefeito.

Para entender um pouco mais sobre o nosso dia-a-dia, para refletir sobre a política e a sociedade, para ver como se comporta o ser humano e principalmente, para descontrair e curtir um bom espetáculo e um ótimo programa. Vale a pena conferir!

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças