Guia da Semana

Pássaros também desejam

O pensamento da personagem nos faz refletir sobre a diferença entre querer algo e a satisfação em consegui-lo

Foto: Getty Images


Há muito o que se discutir sobre algo que parece ser a mesma coisa para muitas pessoas, mas desejo e prazer não são necessariamente iguais. É evidente que o prazer pressupõe a existência do desejo, do desejar e de ter a vontade realizada em suas características. Contudo, nem todo desejo pressupõe o prazer como conseqüência, não quando entendemos por prazeroso tudo aquilo traduzido ao corpo, limitado sobretudo ao sentido sexual. Cabe ao desejo mais do que o gozo voluptuoso das fantasias ou o reconhecimento físico de sensações.

 

Desejar situa o ser humano entre diferenciais próprios da espécie, atribuindo-lhe a capacidade em subverter estados através da imaginação de seus ideais. Desejar, ainda, conduz o humano ao patamar de criador, e nesse parâmetro nada é mais incontrolável do que o próprio desejo, quase sempre oriundo de artifícios inconscientes de substituição ou preenchimento de ausências. Deseja-se aquilo que não se tem e que se quer ter. Deseja-se um outro. E há ainda o desejo pelo próprio desejar, fruto de uma absoluta solidão capaz de anular o reconhecimento de si mesmo como existente e real.

 

Nas sociedades modernas e suas supostas modernizações das relações humanas, desejo e prazer fundiram-se em sinônimos factuais funcionais, ao redesenhar de uma ordem política-social. Fora preciso admitir a pessoalidade do prazer para que as mulheres conquistassem o direito de senti-lo. E, consequentemente, desejar passou a ser mais do que querer, mas o de reconhecer a capacidade de se ter desejos.

 

Por outro lado, nunca o prazer, banalizado de maneiras subversivas à ordem e, posteriormente, ao mercado das sensações, revelara-se tão masculino. O homem, confrontando a veracidade do desejo feminino, tornou seu o mais estereotipado sentido de prazer, aquele limitado ao imediatismo da satisfação sexual. Entre o prazer do macho e o desejo feminino definiu-se nas entrelinhas um novo preconceito, o de que cabe a mulher desejar e ser desejada, enquanto ao homem cabe oferecer prazer e ser o realizador desse desejo.

 

As gerações atuais crescem sem qualquer parâmetro da subjetividade pertencente ao desejo, enquanto funda uma nova sociedade discursada sobre ingênuos valores. Confunde desejar com a busca pelo prazer, da mesma maneira que tentam afirmar que masculinidade e feminilidade são iguais quando ignoradas as óbvias diferenças.

 

Em "Lá fora, algum pássaro dá bom dia", de Priscila Nicolielo, a personagem narra sua trajetória que perpassa pela ingenuidade do desejo idealizado, o prazer como fundamento do desejo reconhecido e o temor da perda do desejo despertado. Mas de qual desejo Priscila trata? Não mais do que o do mais profundo e ordinário de todos nós, o de ser reconhecido, aquele que, ao se fazer real, nos proporciona igualmente realidade e existência. A solidão pertinente ao monólogo impõe ao ótimo trabalho de Gabriela Rosas a capacidade de transitar dentre as camadas desses desejos, enquanto a narrativa traduz as transições em tom ora poético, ora cômico, ora dramático e melancólico.

 

Mas enquanto a tônica feminina é trazida aos palcos pela dramaturga e atriz, a direção de Marcelo Rubens Paiva caracteriza a cena pelo olhar do macho que assiste a fêmea e se confunde entre as escolhas do homem que dirige e do homem que enxerga apenas no desejo o prazer imaginado, perdendo a potencialidade do que poderia vir a ser uma direção mais servil à poesia do texto.

 

"Lá fora, algum pássaro dá bom dia", é sem dúvida, o texto mais interessante de Priscila apresentado até agora. É torcer para que a dramaturga se permita ainda mais desejar, tal sua personagem, sem que caia nas armadilhas do prazer oferecido por tantos e tantos outros por aí. Curta, a peça com cerca de trinta minutos exibe o essencial necessário para que a fala se torne incômoda e o silêncio busque cumplicidade. E o que mais pode desejar um espectador que não ser atingido por seu próprio silêncio?

 

Leias as colunas anteriores de Ruy Filho:

Desabafo Eleitoral

Isolado de si mesmo

A favor, seja como for
 

Quem é o colunista: Ruy Filho.

O que faz: Diretor e dramaturgo.

Pecado gastronômico: Carpaccio de pato do Piselli.

Melhor lugar do Brasil: Salvador fora de temporada.

Fale com ele: ruyfilhosp@yahoo.com.br ou acesse o blog do autor


 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças