Guia da Semana

Pelados em cena

Tirar a roupa em cena é mais que um gesto físico

Fotos: cenas da peça Os 120 Dias de Sodoma


O fim de semana chega e você decide fazer um programa, e o teatro é uma das opções. Você escolhe uma peça, compra o ingresso, se acomoda na sala e aguarda o início do espetáculo. Poucos minutos após o início, alguns atores ficam nus na sua frente. Na platéia, as reações e expressões são as mais diversas possíveis. Uma pessoa olha constrangida, a outra um pouco indignada, há até quem se espante. E aquelas cenas te levam a pensar sobre a necessidade ou não da falta das roupas.

O nu no teatro foi ousado pela primeira vez no Brasil em 1970, pelo ator Raul Cortez, na montagem de O Balcão e até hoje é considerado uma forma de expressão estética e social, e pode ser um elemento interessante para servir de ponte de comunicação entre os personagens e o público. Sua finalidade é, portanto, transmitir a mensagem ao espectador da forma mais eficaz possível, já que para algumas pessoas o nu é visto como uma forma agressiva de exposição.

Por isso, os diretores têm o cuidado de estudar e debater o texto com o seu grupo para definir a real necessidade de seu uso e finalidade. Porém, alguns estudiosos e profissionais deste meio acreditam que atualmente, muitos espetáculos se utilizam do nu de forma gratuita apenas com a intenção de vender mais ingressos e aumentar o marketing em torno dele.

Em entrevista ao Guia da Semana, o professor de interpretação e improvisação da Unicamp (Universidade de Campinas), Mateo Bonfitto, acredita que o uso do nu é relativo a cada trabalho. "Alguns espetáculos usam o nu com um propósito maior, mas em alguns outros utilizam como elemento de atração de público e ferramenta comercial".

Segundo ele, isso tem se disseminado, cada vez mais, nos palcos dos teatros como uma herança da lógica de mercado da própria televisão que explora a nudez e a sensualidade para ganhar mais ibope e vender comerciais.

Bonfitto, ator há mais de 20 anos, disse que, apesar da lógica de televisão ser aplicada também nas peças, a reação do público ao ver cenas de nudez no teatro é diferente do que se fossem vistas pela televisão. "A sensação que temos quando vemos o nu pela tela é uma espécie de proteção. Já que não há nenhum contato próximo com o corpo do outro. No teatro, a impressão é de que estamos compartilhando todas as ações dos personagens já que estamos próximos fisicamente", explica.

Uma questão social
Algumas peças utilizam o nu como instrumento poético, como nas montagens de Nelson Rodrigues. Outras para contestar e fazer uma reflexão social, política e até econômica como em 120 Dias de Sodoma, do Satyros.

Escrito por Marquês de Sade, em 1785, o livro foi adaptado ao teatro e, assim como na literatura, seus personagens aparecem em constantes cenas de nudez. A decisão de utilizar o nu também no espetáculo veio do estudo da obra feita pelo diretor Rodolfo García Vazquez que percebeu que a nudez atuaria como um fator para dar mais impacto aos sofrimentos das vítimas que eram humilhadas por seus libertinos.

O diretor da peça, diz que a "a grande questão não é nudez pela nudez, e sim o discurso oculto destas vítimas". A peça, que faz críticas a política brasileira, tem a intenção de mostrar também a falta de ação do povo diante de alguns fatos. "O que faz uma vítima se permitir a esta condição de humilhação que os libertinos a colocaram? Isto também ocorre com a nação brasileira", afirma o diretor.

Segundo Heitor Saraiva, 52, ator que interpreta um dos libertinos na peça, a preparação para encenar sem roupa é mais no campo do conteúdo. "Não tive problemas nenhum em tirar a roupa, porque você estuda e entende o porquê está fazendo aquilo, nada é gratuito", afirma.

Algo curioso é que durante os ensaios da peça os atores não tiram suas roupas. Mas, durante a entrevista, Heitor conta que em um destes ensaios dois atores em uma ocasião tiraram suas roupas. "O nu é muito natural quando você estuda e entra na vida do seu personagem", relembra sorrindo.

Uma outra atriz da peça, Hevelin Gonçalves, 27, disse que para ela e para alguns outros atores a dificuldade de ficar nu tem a ver mais com a estética. "Eu já fiz peças que estar com corpo sarado era pré-requisito para tirar a roupa, mas em 120 Dias de Sodoma isto não é necessário. Para Sade, um corpo descoberto é só mais um dentre muitos.", afirma a atriz.

"O nu não pode ser gratuito, até porque o público percebe isso. Ator com consciência não aceita fazer o nu por acaso, pois para quem interpreta é preciso ter conteúdo para desempenhar bem a proposta", finaliza a atriz.

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças