Guia da Semana

Ponto de encontro

O papel do personagem em uma peça não é só representar uma figura, mas também de fazer a relação entre ele e a história, os objetos e o cenário

Foto: Getty Images


No teatro, há o cenário, a indumentária, a iluminação, a sonoplastia, mas é no teatro também que o ator dá corpo às palavras, à criação do dramaturgo. 

A descrição dos ambientes nas peças pode ser muito rica, de uma potência imagética, e só adquire importância se o personagem atribuir algum traço de seu caráter na relação com os objetos. O personagem é o objeto que dá sentido àqueles desprovidos de subjetividade, seja por sua memória, sua obsessão, sua convicção.
 
O personagem se distingue nas relações que estabelece na trama, na história, pois é ele quem dá sentido a todos os componentes de uma peça de teatro.

O enredo desenvolvido pode ser novidade para alguns, mas o trabalho do dramaturgo é o de aproximar o espectador dele mesmo e os personagens entre si, em uma convenção comportamental, na medida que extrai a natureza humana do personagem.

A proximidade é trabalho do dramaturgo ao apresentar algo que o espectador reconheça, que estimule sua imaginação, que faça ver a grandiosidade de si como escritor, sua capacidade de observação, sua compaixão e humanidade que, através de sua obra, provoca a cooperação nas situações difíceis.

O esforço de um dramaturgo em esmiuçar o caráter humano é a busca encantada por uma quimera, por uma ilusão, e a motivação do espectador é encontrar-se com sua intimidade.

A verdade do ator depende do personagem, por isso o público tem que acreditar que o personagem é real, mas a linguagem é muito livre e, assim, a convenção comportamental pode ser destruída, e a comunicação entre audiência e escritor fica impedida por um obstáculo. Devemos procurar o ponto de encontro, e que seja encontrado facilmente quase por um instinto, às escuras, de olhos fechados. Também viver a própria vida, ter experiências estranhas e interessantes, ouvir conversas que encham de assombro, dormir à noite aturdido com seus sentimentos e tolerar o fragmentado. 

Leia as colunas anteriores de Renata Bar:

Comportamento desmedido

Realismo Mágico

Qual a verdade?

Quem é a colunista: Renata Bar Kusano.

O que faz: Publicidade e Propaganda (FAAP), uma aprendizagem em edição em vídeo e suas correlações.

Pecado Gastronômico: carré de vitela ao molho de hortelã e camarão à provençal! 

O melhor lugar do mundo: debaixo d´água.

Fale com ela: rebarkusano@gmail.com ou acesse seu blog


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças