Guia da Semana

Pop-rock nacional na UTI

Gênero agoniza com letras sofríveis e temas batidos

Lápis nos olhos, franja bem cuidada e choradeira fizeram a fama do NX Zero


Quando a MTV reuniu no último VMB a cantora Pitty, o guitarrista do Hateen, Fabrizio, o ex-baixista do Charlie Brown Jr., Champignon, e o baterista do CPM 22, Japinha, eu temi pelo pior. A caixa de Pandora do rock nacional havia sido aberta.

Logo a chamada Banda dos Sonhos tentava inutilmente entrar nos eixos em uma versão duvidosa de Ainda É Cedo, do falecido e mal enterrado Legião Urbana. No palco, os quatro integrantes simbolizavam não apenas a escolha da audiência, mas o caminho aparentemente sem volta que o rock brasileiro havia tomado. Uma breve espiada na programação das rádios ou no repertório de novos grupos enterra qualquer dúvida sobre o estado convalescente do gênero.

A praga emocore pegou geral

A choradeira é geral e inundou os quatro cantos do país. Aquela imagem do sujeito que passou sabão de coco na franja e lápis no olho surgiu como um pesadelo breve, uma aberração que de tempos em tempos toma corpo e se consolida como tendência. Mas que triste surpresa: lá se vão anos e a rapaziada continua entoando a mesma ladainha melosa.

Assim, o rock nacional não perdeu apenas o que restava de sério, mas também o deboche caprichado que cimentou o caminho de muita gente competente. Restam versos de uma pobreza lamentável, de um lirismo piegas, digno de vergonha alheia. Fica a impressão de que cada canção deve carregar uma mensagem de otimismo, como se o fã precisasse a todo o momento de um tapinha nas costas, de um incentivo que não engana mais ninguém.

Experimente escolher aleatoriamente canções de grupos como NX Zero e Hateen e outras tantas de pagode, mas daquele pagode bem chinfrim. Embaralhe-as e as leia calmamente, logo perceberá que não é mais possível distinguir um gênero de outro, pois ambos se equivalem em rimas, versos e temas. Basta um pouco de esforço para o pessoal do hardcore melódico trocar a guitarra pelo cavaquinho, o lápis de olho pelos óculos escuros.

Cascata sem fim

Teoria darwinista e empulhação
Admirável Chip Novo é o nome do primeiro álbum da cantora Pitty. O título é um trocadilho tão medíocre quanto pretensioso com uma das obras mais conhecidas do escritor Aldous Huxley, Admirável Mundo Novo. Desde o principio de sua carreira, a baiana, que hoje só não faz chover no pátio da indústria fonográfica, primou por uma combinação de falsa erudição, auto-ajuda de segunda e romantismo bocó. Quando ouço "Ah! Malditos cromossomos / Teoria darwinista / O fruto, o meio e a iniciativa / Livre-arbítrio ou prisão / Genealogia da exclusão" meus piores instintos vêm à tona.

Menos culto, mas dono de um sucesso tão retumbante quanto o da compositora baiana, o Charlie Brown Jr. fez escola propagando o manual do malandro redimido, bom de bico e com paz no coração - quando não está quebrando o nariz de terceiros. A malandragem, aliás, une os santistas aos cariocas do Rappa. Até hoje não sei se não compreendi a letra de Reza Vela por não ter atingido a iluminação necessária para tanto ou por simplesmente não compreender o idioma próprio do grupo de Falcão.

Cansei de Ser Bobo

Até a cena independente, que vira e mexe revela safras de talentos refinados, insiste em regredir quando trata como gênios inovadores a patota da new rave, ou seja Cansei de Ser Sexy e Bonde do Rolê. Alías, a banda curitibana passa por maus momentos com a saída da vocalista Marina Vello. A deserção veio acompanhada de algumas declarações interessantes. Em entrevista recente, Marina admitiu ser "uma menina retardada que grita no palco" e que o trio era uma "piada" que havia perdido a graça.

Marina Vello e os rapazes do Bonde do Rolê: piada new rave nunca teve graça


Eu tenho uma modesta sugestão para o futuro do Bonde do Rolê: um troca-troca, no bom sentido, claro, com o Babado Novo, que também acabou de perder a vocalista. Imaginem que bacana Cláudia Leitte assumindo o microfone do Bonde do Rolê enquanto Marina Vello anima uma micareta em Salvador! Uma solução esperta, já que ambos os grupos precisam de alguém que grite no palco.

Enfim, o rock não demanda um sujeito com banquinho e violão, versando metafisicamente sobre os dramas do homem moderno, não carece daquele ar pseudo-intelectual metido a besta que costuma corroer o filão alternativo de pé quebrado, muito menos aquele engajamento tolo que pretende inverter a lógica secular e trazer a periferia para o centro ou coisa parecida. Mas que um pouco de honestidade e irreverência - aí vale uma menção ao clássico Inútil, do Ultraje A Rigor - não cairia mal ao rock tupiniquim, ninguém pode negar.


Quem é o colunista: Bruno Lofreta
O que faz: jornalista
Pecado gastronômico: comida mexicana e cerveja irlandesa
Melhor lugar do Brasil: Aeroporto Internacional de Guarulhos (Cumbica)
Fale com ele: sr.lofreta@hotmail.com



Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças