Guia da Semana

Precogs no comando

Colunista comenta sobre decisão de proibir games no país

Foto: Getty Image


Em Minority Report, filme de 2002 dirigido por Steven Spielberg, o espectador se depara com uma Washington que conseguiu acabar com os assassinatos. O meio encontrado para isso foi a criação da Divisão Pré-Crime, em que paranormais denominados Precogs visualizam o homicídio antes de ele acontecer, o que permite que os policiais prendam o acusado sem que o delito seja cometido.

Viver em uma sociedade como essa parece ser o sonho de consumo de muitos cidadãos em busca de uma realidade harmônica, haja vista a decisão do juiz Carlos Alberto Simões de Tomaz de proibir a comercialização dos jogos Counter Strike e EverQuest. O Precog mineiro, para impedir a venda dos games, afirmou que eles "trazem imanentes estímulos à subversão da ordem social, atentando contra o estado democrático e de direito e contra a segurança pública, impondo sua proibição e retirada do mercado".

A decisão mostra que a incompetência geral para coibir as distorções sociais está gerando uma sociedade que aceita a barbárie como norma, com fechamento de bares à 1h da manhã, proibição da publicidade de cigarros e em breve também de cervejas, apreensão de jogos eletrônicos. Isso para não falar dos Estados Unidos e alguns países da Europa, que vivem uma permanente situação de vigília e ausência de privacidade pós-11 de setembro.

Uma questão básica inerente ao assunto é que, se for considerar essa tal de subversão da ordem social, teríamos de fazer reflexões sobre a maioria da produção hollywoodiana, as novelas globais e os big brothers da vida. Também teríamos de pensar o que é veiculado pelos programas noticiosos, que chegam até mesmo a transmitir as guerras que interessam ao Ocidente em tempo real. Que tal cancelar o carnaval?

Mas o fato é que, em uma época na qual a igreja felizmente não dita mais a moralidade que deve ser seguida, o estado parece querer recuperar seu poder moralista e apontar os caminhos que podem "enobrecer" o ser humano.

A decisão mostra também o quão pré-histórica é nossa sociedade. Somos primatas que não conseguem comunicar idéias por meio da palavra e, vivendo em um mundo que não é nossa imagem e semelhança, acabamos impondo regras ao outro. Essa espécie de hierarquia não tem como base o mérito, e sim a própria posição em que se encontra o censor: o chefe da família impondo suas regras morais, o chefe do trabalho gerenciando seus desmandos, o pastor ditando a trilha para a salvação, a justiça aplicando seus valores retrógrados...

Sim, é disto realmente que se trata: do retorno à tão chamada censura. Decisão similar, se aplicada ao teatro ou aos veículos de comunicação, provocaria uma balbúrdia social e um temor de retorno à ditadura. Mas, como no Brasil aprende-se cedo que é preciso deixar de ser criança e adultos não brincam, a proibição dos jogos não gerou a repercussão devida. É bom ressaltar que os jogos citados são proibidos para menores de 18 anos - e se alguém levantar a voz para dizer que essa lei não é cumprida, não se trata de reformulá-la, mas de encontrar meios de cumpri-la. É bom igualmente ressaltar que o Japão, um país mundialmente bem-sucedido e considerado exemplo de uma sociedade séria, tem uma população que nasce e morre utilizando jogos eletrônicos, lendo mangás...

Contudo, o ponto-chave do assunto é que, independentemente de concordar ou não com a proibição, o fato de permitir a alguém dirigir os destinos individuais é um caminho sem volta e um risco absoluto, afinal a qual precog está destinado determinar os valores benéficos ou prejudiciais à "ordem social"? Ou, citando o blog Anderssauro, "Alguém por favor me ajuda a lembrar em qual jogo uma menina de 15 anos fica presa em uma cela com 20 homens?"

Leia as colunas anteriores de Cesar Ribeiro:
? Receita para preparar celebridade em três minutos

? A cartelização do conhecimento

? Rebanho cego de pastores mudos

? Sobre cotidiano, arte e sensibilidade

? Estamos todos felizes?

? Os progressistas não ouvem bossa nova

? Um axé bem cuidado ainda é um axé

? Alguém viu as orelhas de Van Gogh?

? Como vender um peixe amanhecido

? Uma fábrica de Alemães

Quem é o colunista: Cesar Ribeiro.

O que faz: diretor da Cia. de Orquestração Cênica.

Pecado gastronômico: comidas gordurosas & óleos adjacentes.

Melhor lugar do Brasil: metrópoles com multidão, sirenes & fumaças.

Fale com ele: acesse o blog do autor

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças