Guia da Semana

Produção independente

A banda Mombojó lança terceiro disco da carreira, de forma independente, e conta como foi a produção deste trabalho, comparado aos dois discos anteriores

1º de abril de 2001. Integrantes de bandas distintas resolvem se unir e fazer mais música, em Recife, Pernambuco. Aos poucos, foram ganhando espaço nos principais festivais da região. A partir disso, começaram a fazer shows em outros estados, conquistando seu espaço. Assim a banda Mombojó chega ao terceiro disco, Amigo do Tempo, lançado no fim de agosto, em São Paulo, depois de um hiato de quatro anos, desde o trabalho Homem Espuma.

Foto: Cia da Foto


A primeira formação do Mombojó contou com Felipe, Chiquinho, Samuel, Rafael, Marcelo e Lobão. Tempos depois, Lobão, que era o baterista, deixou o grupo, dando espaço para a entrada de Vicente, irmão de Marcelo. "Todos nós nos conhecemos desde 1998 e Vicente já conhecia o trabalho, tanto que foi ele quem deu a sugestão do nome da banda ser Mombojó. Na verdade era Mombojó Rajajá, que não possui significado nenhum, é somente um nome diferente", brinca o guitarrista da banda, Marcelo Machado.

Histórias

Em 2004, o Mombojó lançou o primeiro disco, NadadeNovo, que contou com 15 canções, que exploram arranjos dos instrumentos padrões de muitas bandas, como baixo, bateria, guitarra e teclado, e que conquistou o público, que gosta de dançar e também os que simplesmente desejam apenas escutar suas melodias. Três anos mais tarde, Homem Espuma veio e lotou a agenda dos integrantes, com shows por todo o Brasil, consolidando o estilo do Mombojó. "Foram muitos shows, algo que não esperávamos, pois estávamos somente iniciando nossa carreira no cenário", comenta Marcelo.

Porém, no meio de 2007, quando a banda estava chegando ao auge, Rafael, um dos integrantes faleceu por problemas de saúde. "Foi um banho de água fria na gente, porque estávamos começando os planos para um novo projeto. Foi o primeiro amigo que perdemos e ficamos muito abalados com isso. Paramos com os shows e só voltamos com as apresentações no fim de 2007, início de 2008. Em 2008, Marcelo Campelo saiu do grupo por questões pessoais e, desde então, estamos com a formação fechada em cinco músicos", conta o guitarrista.

Foto: Cia da Foto


Projeto independente

E foi a partir do momento em que o Mombojó fechou a formação com cinco integrantes, que eles começaram a pensar em um novo projeto. "Muitas pessoas achavam que tínhamos acabado, por causa de todos estes acontecimentos. Apenas demos um tempo e praticamente foi um recomeço e o Amigo do Tempo foi o resultado deste esforço", completa Marcelo.

Na metade de 2008, o grupo começou a compor e, no ano seguinte, começaram com as produção. O guitarrista conta que o disco é totalmente independente. Todo o processo de produção e gravação no estúdio, o Mombojó fez sem patrocínio ou apoio. O trabalho conta também com a participação de integrantes da Orquestra Sinfônica de Recife e da Oequestra Jovem do Conservatório Pernambucano de Música. "Nesse processo, fizemos muitas amizades, que colaboraram com nosso trabalho. Um deles foi o baterista da Nação Zumbi, Pupillo que trouxe dois músicos de sopros da Orquestra Jovem para uma das canções gravadas. Em junho de 2010, o disco estava pronto e quase finalizado", diz.

Foto: Cia da Foto


Para compor, o grupo costuma ir para uma cidade chama Aldeia, próxima a Recife, onde levam os equipamentos necessários e pensam em suas letras. "Este trabalho mesmo, Amigo do Tempo, começamos a gravar os primeiros acordes lá. Nossa inspiração é estar junto da natureza e tocando meio que sem compromisso, pois assim aparecem as melhores canções".

Discos diferentes

Um grupo novo, que está conquistando seu espaço no cenário musical e atraindo fãs para seus shows. O Mombojó busca sempre inovar com seus trabalhos, mas não perdendo suas raízes. "Nossa marca é exatamente essa de desenvolver sempre. O primeiro disco é bem diferente do segundo e o terceiro é mais ainda dos outros. Sempre queremos renovar, sempre dentro das nossas composições, dar novas roupagens".

Marcelo confessa que, antes de fazer o disco, os integrantes não chegam a planejar será o resultado. "Simplesmente fazemos. As opiniões divergem muito, mas o resultado é sempre gratificante", destaca e ainda completa "Estamos sentindo que, mesmo com poucos shows desde o lançamento do último disco, que as pessoas já conhecem nossas músicas, cantam juntas em coro e isso é muito legal". Todos os discos do Mombojó estão disponíveis para download no site oficial da banda.

Abaixo o clipe de Papapa, que contou com a direção de Fernando Sanchez.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças