Guia da Semana

Quando a vida é ficção

O que te faz escrever? Sentimentos, desilusões e acontecimentos inusitados?

Foto: Getty Images


São quase duas da manhã e a tela do computador permanece limpa, a folha digital em branco, acusando a minha total falta de ideias para expressar qualquer opinião a respeito da arte. Comecei, apaguei, recomecei e... nada. Nem uma ideia que valha a pena ser discutida. Nestas horas, penso que ser escritor é mais que um dom: é uma necessidade de desapego de si mesmo. É preciso se expor em palavras para o leitor de uma forma atraente que o instigue a ir até o final do texto. Será que hoje vou conseguir que isto aconteça ou o leitor já clicou com o mouse e foi para outra página?

Tomo um relaxante muscular entre um gole e outro de café. Sei que café às duas da manhã não é muito adequado, mas me mantém acordado. Essa ausência de palavras para escrever me faz pensar em todos os textos teatrais que permanecem inacabados na minha gaveta, alguns por pura preguiça de continuar com o tema, outros por desinteresse e, enfim, aqueles que desisti de escrever na metade, por puro bom senso, poupando o escritor de um vexame público e os leitores de um suplício literário.

Nos últimos tempos tenho me dedicado à construção de um texto teatral, que me permita inovar em algum ponto, que mexa nas feridas do ser humano e que mexa, principalmente, com a minha visão de mundo. Não é preciso dizer que tenho fracassado linha após linha num tema que pouco conheço e que não experimentei.

Sempre fui dado a atitudes poéticas e imagens simbolistas e românticas. Creio que isso seja fruto da quantidade de clássicos que li durante a adolescência e dos autores malditos. Sempre falei de amor com muito desapego, numa fixação pelas frustrações do coração, numa obsessão letal pela busca de amores idealizados e platônicos, sem sequer me permitir falar de lembranças felizes e cotidianas.

Essa preferência pelo lado negro da força se deve a Poe, Cruz e Souza e Eugene O'neill. Com eles aprendi a gostar do canto dos desajustados, do sofrimento romântico e, principalmente, da dor da falta de amor. Está aí uma coisa da qual sei falar muito bem, com cores e tintas dos mais variados tons que existem entre o preto e o cinza. Boa parte desse dom provém da experimentação cotidiana e das frustrações a que me submeto.

Certa vez, uma ex-namorada me disse que eu adorava sofrer. Que o sofrimento era o combustível para justificar a minha total ausência de compromisso. Que eu jogava a carga da responsabilidade do término de um relacionamento no outro. Pensei comigo: "Fui descoberto!" Calma que eu explico!

Nós havíamos acabado de reatar após pouco mais de uma semana de separação. Logicamente, a semana foi terrível. Me senti mal, chorei minha dor nos meus poemas e crônicas, desejei que o mundo acabasse. Tudo isso em doses cavalares de sentimentos, revoltas, juras de amor eterno e muita mágoa. Boa parte deste dramalhão se deve ao fato de eu ser canceriano com ascendente em escorpião e lua em câncer. Já viu a aguaceira que é?...rs...

Confesso que ao receber o telefonema derradeiro que iria novamente nos unir, fiquei um tantinho decepcionado. Afinal, como continuaria chorando minhas mágoas. E na primeira oportunidade, ela disse: "Você adorou que eu terminei com você e ficou decepcionado quando eu te liguei pedindo para voltar, né?"

Nesta hora, me senti como a criança que é pega fazendo coisa errada. Não preciso dizer que terminamos a relação em definitivo uma semana depois.

Após esta relação, realmente, comecei analisar quais os mecanismos de sabotagem que eu criava e, me descobri, em um confesso fanático por rejeição. Existem todos os tipos de fanáticos. Os fanáticos por futebol, outros por esportes, fanáticos por vinhos, bundas, praias. Eu era fanático por rejeição.

Bastou dizer que não me queria para eu querer ainda mais. Bastou falar que não me ama, para eu criar juras de amor eterno em proporções cinematográficas. Sim, a esta altura o leitor deve estar às gargalhadas, pensando até onde vai a minha loucura.

Creio não haver explicação lógica para isso. As únicas vezes que me apaixonei, foram aquelas em que fui rejeitado. O resto passou muito rápido para eu poder formar uma opinião. Estas histórias me trouxeram toda a carga emocional para escrever sobre a perda, a falta de amor e muito sobre a tristeza. Minhas relações foram meu laboratório e eu o rato sobre constante pesquisa. Creio que minha vida se tornou literatura e eu um personagem de ficção.

E nesta hora, me pergunto quantas armadilhas criamos para fugir de um compromisso. Não seria muito mais simples apaixonar-se e ser feliz? Será que este fanatismo é uma forma de evitar a vida adulta e aceitar toda a responsabilidade que vem com ela?
Não acredito ter as respostas para isso. Mas assumo que adoro esse sofrimento todo. Toda a carga emocional que transborda quando sou rejeitado. Talvez, seja hora de direcionar todo este sentimento para o amor e para aquilo que de bom ele tem.

À esta altura, já passam das cinco da manhã e, ao invés de arte e teatro, acabo falando de mim mesmo. A única conclusão possível a esta altura é perceber que a profusão de textos engavetados reflete minha atitude perante as relações tão inacabadas, quanto os textos de que falo delas.

Leia as colunas anteriores de Alexandre Pontara:

Vida de Ator

Os Doze Trabalhos de Hércules

Textos Raros

Quem é o colunista: Alexandre Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Alexandre Pontara é uma mistura de ator, dramaturgo e produtor cultural.

Pecado gastronômico: Bolo Negro e Tiramissú de Chaika.

Melhor lugar do Brasil: Paraty.

Fale com ele: capontara @uol.com.br ou acesse seu site

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças