Guia da Semana

Quando será o próximo?

Em apresentação, que encerra a turnê, os escoceses agitaram os fãs brasileiros

Foto: Divulgação

Ir ao quarto show que Franz Ferdinand realiza no Brasil era uma questão de honra para mim, que já tinha perdido os três anteriores. Vou ser sincera: as expectativas, que estavam lá no alto, não foram superadas, mas foram muito bem atendidas.

O show começou com Bite Hard, do último álbum da banda, Tonight, e emendou com The Dark of the Matinee. A galera, que já estava animada antes mesmo do início da apresentação, pegou fogo. Hits como No you girls, Can't Stop Feeling, This Fire, Ulysses e o responsável por apresentar a banda escocesa ao mundo, Take me out, completaram a festa dos cerca de 5.800 fãs que lotaram o Via Funchal, em São Paulo.

Ainda antes do bis, os integrantes do Franz deixaram seus instrumentos de lado e arrebentaram com um solo de bateria. Cada batida parecia reverberar pelo corpo todo. Ainda rolou um cover do LCD Soundsystem e sucessos como Darts of Pleasure e Lucid Dreams no encore.

Carismático como sempre, o vocalista, Alex Kapranos, parecia se sentir em casa. Após a apresentação, o cantor revelou em seu Twitter que estava com as amigdalas infeccionadas, mas que o show o fez sentir vivo novamente. E, com certeza, os fãs que tanto dançaram e cantaram ao som de Franz Ferdinand naquela noite sentiram o mesmo.

Confesso que, após Ulysses, o show, que marca o fim da turnê mundial da banda, perdeu um pouco do ritmo. O calor que fazia no Via Funchal não era brincadeira e também foi um dos responsáveis pelo meu desânimo no fim da apresentação. Mas Alex Kapranos é um frontman e tanto e, ao lado de seus companheiros de Franz Ferdinand, tenho certeza de que não deixou nada a desejar. Estou pronta para o quinto show dos escoceses no Brasil!

Leias a coluna anterior de Nadia Tamanaha:

Demais ou de menos Quem é a colunista: Nádia Tamanaha, jornalista apaixonada por música, cinema, Corinthians e gatos.

O que faz: jornalista com diploma.

Pecado Gastronômico: batata frita.

Melhor lugar do mundo: um lugar onde estejam as pessoas que valem a pena.

Fale com ela: namanita @gmail.com  

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças