Guia da Semana

Quanto você pagaria por uma obra de arte? Conheça os artistas mais caros do mundo

Colecionar pinturas de artistas famosos como Picasso e Renoir requer investimentos superiores a U$$ 100 milhões

Foto: Wikipedia
O Baile no Moulin de la Galette, 1876, de  Pierre-Auguste Renoir

A Bienal 2010 começou a ser polemizada antes mesmo de sua abertura. Isso porque uma série de Gil Vicente, intitulada "Inimigos", trazia o próprio artista matando personalidades como Fernando Henrique e Lula. Quanto você pagaria para ter essas peças na sua parede?

Da mesma forma, quanto vale ter um quadro do Van Gogh na sala? E que tal presentar alguém com uma obra de Pablo Picasso? Isso tudo é possível, se você tiver uma bela quantia em dinheiro guardada. Já parou para pensar quais são as obras mais caras do mundo?

O No. 5, 1948 (1948), do americano Jackson Pollock, por exemplo, foi vendido em 2006 pelo valor de US$ 140 milhões. O artista é conhecido por suas imagens expressionistas abstratas e seu quadro passou pelas mãos de Samuel Irving Newhouse, para depois ir parar no Museu de Arte Moderna, ser vendido a David Geffen e, finalmente, comprado pelo empresário mexicano David Martinez.

Já Mulher 3, de 1953, foi produzida pelo holandês Willem de Kooning e vendida por US$ 137,5 milhões ao americano Steven A. Cohen. Também vinda do expressionismo abstrato, a obra é uma da série de seis pinturas que ele fez entre os anos de 51 a 53, sempre tendo a mulher como tema principal. No fim dos anos 70, após a revolução, o quadro foi proibido pelo governo de ser exposto por causa de seus traços fortes que chocavam, mas a situação mudou em 1994.

Comprado por US$ 135 milhões por Ronald Lauder, da galeria nova iorquina Neue, o Retrato de Adele Bloch-Bauer (1907) foi produzido pelo austríaco Gustav Klimt. O artista demorou três anos para finalizar o trabalho e fazia parte do Vienna Secession, que incluía artistas buscando quebrar as tradicionais regras da arte.

Foto: Wikipedia
Retrato de Adele Bloch-Bauer, pintado pelo austríaco Gustav Klimt, foi adquirido por US$ 135 milhões
 
Pablo Picasso também está na lista dos mais caros do mundo, com a obra Nu, folhas verdes e busto, de 1932, que foi arrematada num leilão por US$ 106,5 milhões. A pintura retratava a amante do pintor, Marie-Thérèse Walter, e já foi parte da coleção de arte de Sidney F. Brody, de Los Angeles, de 1950 a 2010, quando finalmente foi leiloada. Mesmo assim, durante todo esse tempo, só foi exibida uma vez, no ano de 1961. Já o quadro Menino com Cachimbo, feito também por Picasso, em 1905, foi leiloado pela Sotheby's em 2004, pelo valor de US$104,2 milhões.

Enquanto isso, o artista pop Andy Warhol produziu Eight Elvises, em 1963, e o quadro foi vendido há dois anos, por US$ 100 milhões. A compra foi realizada pelo consultor de arte Philippe Ségalot, saindo assim das mãos do italiano Annibale Berlingieri.  Entrando mais uma vez para a lista, Picasso produziu Dora Maar com Gato em 1941, quadro que foi leiloado em 2006, com arremate de US$ 95,2 milhões. Já Retrato de Adele Bloch-Bauer II (1912) é o segundo quadro de Klimt a entrar para os mais caros do mundo, já que foi vendido por US$87,8 milhões num leilão da Christie's, em 2006. 

Vincent Van Gogh aparece em nono lugar, com Retrato de Dr. Gachet, produzido em 1890. O preço arrematado foi de US$ 82,5 milhões, também num leilão da Christie's, em 1990. A obra possui duas versões autênticas, diferenciadas principalmente pelas cores usadas e os traços.

Para finalizar as dez obras mais caras do mundo, O Baile no Moulin de la Galette, de 1876, foi leiloado nos anos 90 por US$78,1 milhões. Feito pelo francês, o quadro reflete o impressismo e foi transferido para o Musée d'Orsay em 1986, antes do leilão.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças