Guia da Semana

Que crise?

A indústria fonográfica vai tão bem...

Foto: Getty Images


Todo mundo sabe que as bolsas de valores ao redor do mundo enlouqueceram. Falar em crise é chover no molhado. Vamos falar de um setor no qual (essa) crise não existe. Desde que foi inventada, a indústria fonográfica jamais experimentou mudanças como as da última década. Tudo começou a partir do Napster e culminou na Web 2.0, essa (maldita) novidade de internet participativa, na qual qualquer um que dedilha meia dúzia de acordes e balbucia interjeições desconexas vai parar na MTV, a indústria entrou em queda livre. Isso deixando de lado a questão da pirataria, o "comércio informal" que existe em cada esquina.

Confesso. Sou admirador de CDs. Ainda os compro, aos montes. Chamo-os de disco. O prazer de chegar em casa, percorrer a estante com meus 400 títulos e selecionar um deles, é arrebatadoramente mais animador do que as pastas amarelas que o Windows gentilmente nos cria para os MP3.

Para colocar mais lenha nessa minha paixão, dirigi-me a uma grande loja de varejo nessa semana. Não procurava nada específico, tinha apenas alguns nomes de artistas de meu gosto pessoal em mente. Encontrei algo. O mais novo disco de George Strait, Troubadour. Strait é um grande ícone do country music norte-americano. Passei o código de barras no feixe vermelho. O display decretou: "GEORGE STRAIT - TROUBADOUR - R$ 98".

Chocado, resolvi apenas baixar o disco. Sim. Recuso-me a pagar 25% do salário mínimo vigente em um CD. Já que estava na loja, aproveitei o ensejo e busquei outro título: Bruce Dickinson. Bem mais famoso que George Strait, certamente mais barato. O (maldito) display das barrinhas vermelhas decretou que não (aliás, eles deviam vir com um som de fundo, algo do tipo "na-na-ni-na-não"). R$ 107. Desisti de aumentar minha coleção e voltei ao trabalho.

É curioso e revoltante saber que a terceira maior indústria do mundo (só perde para a de itens bélicos e alimentos) continua faturando altíssimo em cima de terceiros. Remunera mal e escraviza os artistas. Cobra muito e maltrata os consumidores.

Arcaicos, os executivos da música não mudam. Nem o formato de distribuição, nem a quantidade de faixas, nem o acabamento final, nem o pós-venda (talvez oferecendo vantagens para o comprador do título). Nada. Compre, escute. Se não gostou... Problema seu! O dinheiro já é meu! Os preços altos (sob justificativa de assegurar lucro) geram a pirataria. E o ciclo vicioso se inicia. Aumenta-se mais, pirateia-se mais, vende-se menos. Vendendo-se menos, as perdas são repassadas para o consumidor final. E começa tudo de novo. O faturamento caiu? Claro. Mas até que ponto a real culpada por isso tudo não é a própria indústria?

Ps.: Aos que eventualmente gostem de country, recomendo (e muito) o álbum Troubadour, de George Strait. Ótimo trabalho do cantor, que chegou a ser comparado ao vinho pela rádio BX93.com: he just gets better with time (apenas fica melhor com o tempo). Country melódico e interpretativo, sem as irritantes steel guitars e agudos anasalados do gênero. Comprem (ou baixem). Mas lembrem-se: pirataria (obter lucro com o trabalho alheio) é crime!

Quem é o colunista: Countryboy louco por Michael Jackson. Um roqueiro apaixonado por Big Bands. Um bluesman que ouve Haydn e Strauss para dormir.

O que faz: Jornalista do Guia da Semana, compositor, violonista e cantor.

Pecado gastronômico: Chocolates, churrasco (feito por mim) e molho de alho caseiro da vó!

Melhor lugar do Brasil: Qualquer um que comporte a equação praia + violão + amigos.

O que ele ouve no carro, em casa e no IPod: Darius Hucker, Fito y Fitipaldis, Django Reinhardt.

Fale com ele: rafagt@hotmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças