Guia da Semana

Radiohead

Fique por dentro do quinteto mais alternativo de Oxford


Por Gabriela Guimarães
 


Oxford, 1986. Cinco rapazes estudantes do ensino médio da escola pública só para rapazes de Abingdon, cidadezinha localizada no Condado de Oxfordshire, Inglaterra, se conhecem e descobrem algo em comum: a música. Thom Yorke (vocal e guitarra),  Phil Selway (bateria e percussão), Ed O´Brien (guitarra e sintetizador) e os irmãos Colin (baixo) e Jonny Greenwood (guitarra, teclado e sintetizador) decidem montar o grupo On a Friday ("numa sexta", em referência ao fato de os amigos só poderem ensaiar às sextas). Ainda no mesmo ano, eles realizaram o primeiro show, no Jericho Tavern, em Oxford.

 

Em 1991, todos, com exceção de Jonny, terminaram seus estudos universitários e começaram a trabalhar em algumas fitas-demo, como Manic Hedgehog, com apresentações pelos arredores de sua terra natal. Nessa época, gravadoras locais passaram a se interessar pelo grupo, como Chris Hufford, sócio da Oxford´s Courtyard Studios, que ficou impressionado com o modo de tocar do quinteto e resolveu produzir uma demo. No fim do mesmo ano, Colin se encontrou com um representante da EMI, Keith Wozencroft, e assinou um contrato de seis álbuns com a gravadora. Mas, a pedido do selo musical, o grupo mudou o nome para Radiohead (inspirado no título de uma canção dos Talking Heads, do álbum True Stories).

 

Em março de 1992, veio o EP Drill, produzido por Hufford - como não agradou, o Radiohead o dispensou e contratou os serviços de Paul Kolderie e Sean Slade para o primeiro álbum do grupo. Com o lançamento do single Creep, a banda teve um leve reconhecimento no Reino Unido, mas foi criticada pela imprensa britânica como sendo uma farsa comercial. Pablo Honey foi lançado no início de 1993 e, de cara, não entusiasmou a mídia, que chegou a considerá-los como mais uma banda de grunge. Thom Yorke e sua trupe gravaram o videoclipe de Creep, e o sucesso do vídeose voltou a favor deles, em consequência do sucesso do vídeo nas paradas da MTV americana (além da conquista segunda posição da Billboard Modern Rock Tracks) fez a imprensa repensar suas críticas. Na mesma época, a banda excursionou pelos Estados Unidos durante dois anos, para desespero de Yorke, que nãocurtia ficar tanto tempo fora de casa. O segundo disco, The Bends, foi lançado em 1995, deixando as baladas de lado para trazer canções de impacto, como High and Dry, Fake Plastic Tree, Just e Street Spirit (Fade Out). Ainda no mesmo ano, eles passaram a abrir shows do R.E.M., sendo bastante elogiados pelo vocalista Michael Stipe.

 

Em 1997, chegou às lojas o álbum que marcaria de vez a carreira dos britânicos, Ok Computer, produzido pelos próprios, com a ajuda do produtor Nigel Godrich. O trabalho trouxe os sucessos Paranoid Android, Karma Police, Climbing Up the Walls, Lucky e No Surprises e foi considerado como um dos melhores CDs de rock da década de 90. No ano seguinte, o Radiohead saiu em turnê com o show Against Demons, e o diretor do clipe No Surprises, Grant Gee, filmou durante a excursão o documentário Meeting People Is Easy, mostrando o cotidiano e curiosidades sobre o quinteto.


Com o término da turnê, Thom Yorke passou por um bloqueio criativo, que durou até 2000, quando o conjunto se reuniu com Godrich para o quarto álbum de estúdio, Kid A, lançado em outubro do mesmo ano. Esse trabalho trouxe de volta a força dos sintetizadores e batidas eletrônicas, como na canção Idioteque, além de guitarras minimalistas e elementos de jazz - outras faixas que se destacaram foram Optimistic, The National Anthem e How to Disappear Completely. O trabalho foi premiado com o Grammy de melhor disco alternativo. A grande sacada comercial desse CD, foi o vazamento do mesmo, meses antes no Napster - e por mais um ano consecutivo, o Radiohead conquistou o Grammy de melhor disco alternativo.

Em junho de 2001, chegou às lojas Amnesiac, com faixas adicionais de Kid A, além de mais canções de rock misturadas ao eletrônico, destacando-se as músicas Life In A Glass House, Like Spinning Plates, Knives Out, Piramid Song e I Might Be Wrong. Em 2003, eles lançaram o CD Hail to the Thief, que trouxe os hits There There e 2 + 2 = 5. Embora muitos pensaram se tratar de uma crítica ao governo norte-americano, o álbum não tem nada a ver com isso, e Thom Yorke chegou a afirmar que se orgulhava de Radiohead nunca ter composto canções de protesto.

 

A partir de 2005, a banda começou a trabalhar no álbum In Rainbows, lançado em junho de 2007. Esse trabalho causou um alvoroço entre os fãs e a imprensa pelo fato de o Radiohead ter disponibizado todas as faixas em seu site oficial, e cada usuário poderia pagar o quanto achasse justo pelo disco. O resultado foi um tremendo sucesso de vendas, com mais de 1,2 milhão de downloads, fora a comercialização de um discbox especial. Em março de 2009, o Radiohead aportou em terras brasileiras pela primeira vez, onde realizou um show hipnotizante na Chácara do Jockey, em São Paulo, além de se apresentarem no Rio de Janeiro, na Praça da Apoteose, com estrondoso sucesso.

Em fevereiro de 2011, o grupo lançou The King Of Limbs, mais um trabalho disponibilizado pela Internet, com a venda de todas as faixas. Quem preferir também pode adquirir o álbum no formato newspaper, que inclui um CD, dois vinis de 10 polegadas, o download no formato desejado e uma capa especial para armazenar o conteúdo. O clipe do single Lotus flower já virou febre entre os internauticos - em parte graças à dancinha descontrolada de Thom Yorke. Sem dúvida alguma, o Radiohead já deu sua contribuição para a história do rock and roll como uma das bandas mais inventivas dos últimos 15 anos.


Fotos: Divulgação / My Space Oficial
Site oficial: http://www.radiohead.com/

Atualizado em 14 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças