Guia da Semana

Rise Against no Brasil

Os caras da Rise Against foram tão esperados que os ingressos para o show já estavam esgotados havia mais de um mês

Foto: Thiago de Oliveira


Pela primeira vez no Brasil, a banda americana Rise Against fez apresentações bem quentes por aqui. Para quem não conhece, o Rise é uma banda de punk rock com hardcore contemporâneo de grandes nomes do gênero, como Bad Religion, Pennywise, NoFx e muitos outros.

Com certeza, essa era uma das bandas mais aguardadas entre os jovens - e também por uma boa parte da galera mais velha e fiel ao bom e velho estilo "hardecoreano" de ser. O Rise Against estourou de vez para o mundo quando, em 2004, lançaram o terceiro álbum Siren Song of the Counter Culture, pela gigante gravadora Geffen Records.

Em São Paulo, o evento contou com a abertura da banda paulistana Old School Straight Edge, da Good Intentions e a banda basca Berri Txarrak. Os horários cumpridos à regra fizeram boa parte do público apenas ver a Berri Txarrak na abertura do show. Mostrando um som com alguma caída para o estilo do Hot Water Music, eles conseguiram arrancar aplausos e a atenção do público. Quando o vocalista do Rise, Tim McIlrath, fez a participação na última música do set list dos caras, a galera foi à loucura.

No último intervalo antes de iniciar a apresentação dos americanos do Rise, as últimas pessoas que ainda estavam do lado de fora na fila entraram e completaram a lotação da casa (inclusive nos mezaninos), o que já era o indício de que, durante o show, seria ainda mais quente. Aliás, mais de um mês antes da apresentação, os ingressos já estavam esgotados.

Eis que sobe o telão... e a galera urra quando, um a um, os Rises entram no palco. O vocalista Tim é bem carismático: assim que entrou, foi direto para as grades de separação da galera, inflamando a gritar em uníssono "RISE, RISE, RISE".

O show começou com Chamber the Cartridge, State of Union, The Good Left Undone e Heaven Knows, cantados por todas as mais de duas mil pessoas presentes. No decorrer da apresentação, a música mais pedida pela galera foi Paper Wings - a cada intervalo entre os sons, a galera puxava o coro. Para a decepção da rapeize, não tocaram. Os caras mandaram uma música nova, Architects que estará no novo disco, Wings.

A banda se retira do palco para uma breve pausa. No retorno, um rápido set acústico. O vocalista Tim volta sozinho e toca a musica Swing Life Away e Hero, quando a banda inteira retornou. Esse foi aquele momento de acender os isqueiros, sabe?

A banda encerrou o show com as músicas Alive and Well, do primeiro álbum The Unraveling. Seguida de Give it All cantada por todos. Aliás, este é um dos maiores hits da banda e Ready to Fall. Foi um show curto para uma banda que nunca tinha vindo ao Brasil - durou apenas uma hora e dez minutos -, poderiam ter caprichado e estendido um pouco mais o set list. Mas é uma boa banda, com uma boa postura. Para quem é fã ou gosta do som deles, deve ter sido um prato cheio e uma consolidação do Rise Against com um dos maiores nomes do punk rock e hardcore mundial!

Leia as colunas anteriores de Thiago de Oliveira:

Dead Fish 20 anos - e beneficente

Ozzy Osbourne de volta ao Brasil

Sublime de volta ao Brasil

Quem é o colunista: Thiago de Oliveira, Thiagones.

O que faz: Tecnólogo em informática/desenvolvimento de sistemas, e músico quando me é permitido.

Pecado Gastronômico: Massa, molho e queijo!


Melhor lugar do mundo: O Meu Quarto.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Matisyahu Novo (disco Light), Snowing, Farside, I Shot Cyrus e algumas barulheiras.

Fale com ele: thiagoneshc@hotmail.com



 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças