Guia da Semana

Saiba o que esperar da 32ª Bienal de São Paulo

Jochen Volz apresentou os primeiros conceitos e sua equipe curatorial

Nesta quarta-feira, 4 de fevereiro, Jochen Volz, curador da 32ª Bienal de São Paulo, agendada para setembro de 2016,  apresentou os primeiros conceitos de seu trabalho na concepção da mostra, além da equipe internacional escalada para atuar ao seu lado.

Junto às questões que norteia a produção artística atual, com visitas a ateliês de artistas, exposições e galerias, o curador falou sobre o conceito de “medidas da incerteza”, capaz de unir diferentes tópicos e preocupações da atualidade.

De acordo com Volz, a arte, diferentemente de outras disciplinas, aponta para a desordem no sistema, levando em conta a ambiguidade e a contradição. Trata-se, nesse caso, de contar o incontável ou mensurar o imensurável. Justamente por ser uma disciplina especulativa, a arte pode fornecer estratégias para a vida em uma era de incerteza.

A partir dessa primeira premissa, temas como Subjetividade, Fantasmas, Inteligência Coletiva, Sinergia, Ecologia e Medo estruturarão o desenvolvimento da proposta curatorial, procurando estabelecer um dialogo com grandes questões da atualidade: mudança climática, perda da diversidade, a extinção, igualdade social, diferenças culturais, exaustão do capitalismo e da governança tradicional de cima para baixo, e também os mitos, tradições, linguagem e modelos alternativos de educação.

Para assessorá-lo no processo de criação da mostra, Volz estruturou uma equipe de cocuradores de diferentes partes do mundo e com diferentes especialidades de pesquisa: Gabi Ngcobo (África do Sul), Júlia Rebouças (Brasil) e Lars Bang Larsen (Dinamarca).

WORKSHOPS

Residências e Bolsas de Pesquisa no Brasil e no exterior possibilitarão que artistas convidados desenvolvam projetos específicos em contato estreito com correspondentes e especialistas associados de muitos campos. Uma série de programas e seminários públicos serão organizaos ao longo do ano de 2016 para apresentar e discutir tematicamente os aspectos chaves do projeto global, entre várias disciplinas e formas de arte. Parte dos trabalhos serão obras digitais, projetos que poderão ser vivenciados online por qualquer pessoa. A proximidade dos processos de produção resultará em uma exposição que permanecerá mais próxima dos sítios de criação e educação (o ateliê, a oficina).

Seguindo a iniciativa da última Bienal, a edição de 2016 também contará com um Workshop Curatorial, aberto a artistas, curadores, críticos e outros profissionais. A equipe da 32ª edição, em conjunto com especialistas nacionais e internacionais, desenvolverá o programa de estudos e realizará os encontros.

Atualizado em 6 Fev 2015.

Por Nathália Tourais
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças