Guia da Semana

Sete mulheres grafiteiras que você precisa conhecer

Essas mulheres romperam as barreiras do gênero e conquistaram os muros

Banksy, OsGêmeos, Nunca, Smug...muitos são os grafiteiros que se destacam pelo mundo. Mas também existem muitas mulheres grafiteiras que rompem a barreira do gênero e desafiam os estigmas conquistando seu lugar nas ruas para colorir os muros. 

Magrela

Ilustradora e grafiteira, Magrela começou com o grafite aos 23 anos e a influência artística veio de sua família. Antes de entrar nesse meio, tentou se encaixar em outras profissões, mas não se encontrava em nenhuma... Até conhecer a arte de rua.

Tentando fugir do estereótipo de ser menina, vai contra os desenhos super femininos e traz em sua arte mulheres tristes e de formas retorcidas, que, muitas vezes, são reflexos de seus próprios sentimentos.

 

 

Tikka

Tikka começou a pintar em 2002, com 15 anos de idade, época em que fazia apenas letras. Com o tempo, passou a grafitar personagens e, então, nasceram suas bonecas, famosas pela feminilidade e delicadeza, além, é claro, da tristeza dos olhos – sempre muito expressivos. 

 

Nina

Delicadeza e suavidade são adjetivos que, com certeza, definem bem a arte de Nina. Do universo lúdico, bonecas lindas, super delicadas, com olhos grandes e expressivos dão vida a sua arte. 

 

Minhau

Com certeza você já viu em algum muro da capital paulista os famosos gatinhos super coloridos da grafiteira Minhau, como é conhecida Camila Pavaneli. O começo de seu trabalho foi fazendo lambes, mas alguns anos depois trocou a técnica pelo grafite. Seu primeiro muro foi com o grafiteiro Chivitz, seu marido.  

 

Sinhá

Sempre com personagens femininos e um grande apelo em relação aos cabelos, Sinhá inspira-se não apenas na rua e em acontecimentos cotidianos, como também em poemas. 

 

Anarkia Boladona

Panmela Castro começou a grafitar no subúrbio do Rio de Janeiro com imagens que questionam a sexualidade, igualdade e a violência doméstica. Seu trabalho foi descoberto por uma organização americana e a grafiteira passou a pintar em diversos países.

 

 

Ananda Nahu

Ananda nasceu na Bahia e estudou artes plásticas ao mesmo tempo que passou a interessar-se por gravuras e estudar fotografia, litogravuras, serigrafias e gravura em metal.

Faz releituras contemporâneas dos estilos musicais e artísticos dos anos 60 e 70 e tem como maior influência cartazes urbanos.  

Atualizado em 8 Mar 2016.

Por Nathália Tourais
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças