Guia da Semana

The Misfits

Fique por dentro da história do grupo mais horror punk de todos os tempos



Uma das maiores referências no quesito trash metal ou horror punk, a banda norte-americana The Misfits deixou sua contribuição para a história do rock and roll, mesmo não sendo bons músicos. Originado na cidade de Lodi, em Nova Jérsei, em 1977, a proposta inicial do grupo era chocar as pessoas com letras violentas e, que ao mesmo tempo, tivessem um certo romantismo no ar. Com nome tirado do último filme da atriz Marilyn Monroe, The Misfits (Os Desajustados), a formação clássica era composta por Glenn Danzig (Glenn Allen Anzalone) nos vocais e teclados, Jerry Only (Gerald Caiafa) no baixo e Manny Martínez na bateria, entrando mais tarde Doyle na guitarra, o irmão caçula de Jerry Only.

 

A trajetória do grupo se iniciou quando Glenn e Jerry se conheceram na escola e, por gostarem de rock, resolveram montar a própria banda. Os dois gravaram um compacto com as faixas Cough Cool e She, no qual Danzig cantava e tocava um piano elétrico e Jerry, o baixo. A química entre eles deu certo ao ponto de recrutarem mais dois colegas da vizinhança: Franché Coma e Mr. Jim para gravar o disco Static Age, em meados de 1978 - esse disco só seria lançado de fato 20 anos depois. Um dos problemas foi que o LP não conseguiu transmitir toda a raiva e rebeldia que os conjuntos punks da época demonstravam. Para chamar atenção da mídia, o Misfits se apresentavam maquiados, pois, como Gleen era mto fã de Elvis Presley, segundo pesquisadores do grupo, eles criaram um estilo "Elvis zumbi", com topetes caídos, rostos brancos e corpos esqueléticos.

 

Em novembro de 1979, eles perderam a grande oportunidade de ganharem maior notoriedade, como banda de abertura da banda britânica The Clash. Nesse episódio da carreira, Glenn e Bobby Steele (guitarrista dessa época), foram assistir a um show da banda The Jam, de Peter Weller, em Londres, e na entrada arrumaram confusão com bando de skinheds, que terminou com a prisão dos dois membros do Misfits - e só foram soltos dois dias depois e, com isso, não puderam subir ao palco antes do The Clash.

 

Até 1981, o grupo só lançou EPs. O primeiro álbum, Walk Among Us, foi lançado em 1982. O trabalho trouxe os sucessos Vampira, Night of the Living Dead e I Turned Into a Martian - considerados clássicos da carreira do grupo de Nova Jérsei. No ano seguinte, chegou às lojas o último disco da banda, Earth A.D./Wolfs Blood, que trouxe os hits Mommy, Can I Go Out & Kill Tonight e Die, Die My Darling. A partir daí, passaram shows bizarros nas tradicionais comemorações de Halloween, que tornou-se marca registrada da banda, além de virar um dos grupos de rock mais cultuados pelos norte-americanos. Seus discos tinham sempre capas coloridas, além de serem impressos em 7 ou 12 polegadas. O auge do quarteto foi na primeira metade dos anos 80, sendo eram fiéis ao circuito underground de Nova Iorque.



primeiro vocalista - Glenn Danzig

Após o último álbum, a formação clássica se dissolveu, com a saída de Glenn Danzig, que deixou o grupo para seguir em carreira solo - não muito tempo depois, ele montou o projeto Samhain, que não deu certo e, em 1987, o vocalista formou o grupo Danzig (que já vendeu milhões de cópias no mundo inteiro e ainda continua na ativa). Jerry Only e seu irmão Doyle ficaram na obscuridade até a primeira metade dos anos 90.

Em 1993, o Guns N´ Roses regravou a música Attitude, com vocais de Duff McKagan, no CD The Spaghetti Incident? e, em 1998, o Metallica deu uma nova roupagem para o sucesso Die, Die My Darling, no disco Garage Inc. Com isso, o Misfits retornou ao show biz, aproveitando a carona das regravações de suas canções. Em 1994, um novo vocalista foi escolhido por Jerry Only, Michale Graves, por ser desconhecido da mídia, além de não saber sobre a carreira do grupo, Jerry achou perfeito e oportuno, com o intuito de criar um novo conceito para a banda. A primeira aparição com Graves aconteceu em outubro de 1995 e, em 1997 foi relançado todo material do conjunto, além de um box especial, contendo o álbum Static Age. De lá para cá, se apresentaram em diversos países.

 

Em 2001, eles comemoraram 25 anos de banda, com uma turnê que contou com a seguinte formação: Jerry Only (baixo e vocais), Dez Cadena (ex-Black Flag, guitarra) e Robo (bateria), também ex-Black Flag e ex-Misfits. O irmão de Only, Doyle, deixou o grupo por motivos pessoais e não retornou até os dias atuais. Ainda em 2001, Mark Ramone, ex-baterista dos Ramones assumiu as baquetas do Misfits, tornando a reunião dos 25 anos uma avalanche de clásscos do Ramones, durante as apresentações ao vivo. Marky abandonou os Misfits em 2005, mas tudo de forma amigável.

 

Em 2008, eles estiveram em terras brasileiras, como parte do line-up do Maquinaria Rock Fest, em São Paulo. O show foi curto, mas contou com um repertório de peso, que trouxe Die, Die My Darling, Halloween, American Psycho, Skulls e Astro Zombies, entre outras. Atualmente, o Misfits tornou-se um trio, com Jerry Only no vocal e baixo, Dez Cadena na guitarra e backing vocal e Roberto Valverde (Robo) na bateria. Em 2011, eles anunciaram mais uma excursão pelo Brasil, no mês de abril, nas cidades de Recife, São Paulo e Rio de Janeiro.

Foto de abertura: Divulgação / Shigeo Jones Kikuchi
Foto do meio: Divulgação / My Space Oficial Danzig
Site oficial Misfits: http://www.misfits.com/

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças