Guia da Semana

Trilogia em nove partes

Satyros lançam projeto teatral composto por sete novas montagens que envolvem mais de 50 artistas

Sexta-Feira: A Noite do Aquário, uma das montagens do projeto
Foto: Lenise Pinheiro

Fechando a trilogia sobre a Praça Roosevelt iniciada com Transex e seguida de A Vida na Praça Roosevelt, Os Satyros apresentam E Se Fez a Praça Roosevelt em Sete Dias. O grande diferencial do projeto é que, no lugar de uma única montagem, o grupo convidou sete autores para que cada um escrevesse uma história ambientada na praça. "É a única trilogia em nove partes", conta divertido o ator e dramaturgo Alberto Guzik.

O resultado da empreitada são sete espetáculos - cada um encenado em um dia da semana - que mesclam autores, diretores e atores vindos de grupos e carreiras totalmente diversos - bem ao gosto do caráter irreverante e agregador do grupo.

O dramaturgo Mário Bortolotto, por exemplo, do grupo Cemitério dos Automóveis, é o autor da montagem Domingo: Uma Pilha de Pratos na Cozinha, seguido de Mário Viana (segunda), Alberto Guzik (terça), Marici Salomão (quarta), João Silvério Trevisan (quinta), Sérgio Roveri (sexta) e Jarbas Capusso Filho (sábado).

As origens
A relação dos Satyros com a Praça Roosevelt é antiga. Em 2000, o grupo teatral fundado por Ivam Cabral e Rodolfo Garcia Vasquez instalou-se no local, que estava completamente degradado. A área era considerada um dos locais mais violentos da cidade, ponto de encontro de travestis, prostitutas e traficantes.

A chegada dos Satyros revitalizou a região, que hoje conta com espaços de outros grupos teatrais, como Os Parlapatões, e tornou-se ponto de encontro de artistas, jornalistas e boêmios, que convivem com os antigos ocupantes da região.

Além das duas primeiras montagens da trilogia sobre a Praça Roosevelt, o grupo é conhecido por movimentar a cena teatral paulistana com montagens como a polêmica Filosofia na Alcova e Inocência, que levou o prêmio da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) de 2006 de melhor espetáculo.



O caldeirão de autores, diretores, experiências e propostas cênicas criado pelos Satyros acabou criando um retrato dos personagens que circulam pelo local: estão lá os michês, os garotos de programa, os desesperançados, os excluídos. "É uma característica da praça receber pessoas com opções sexuais, artísticas e etílicas diferentes, e isso acabou se refletindo nas montagens, ainda que os autores não tenham lidos os textos um dos outros", conta Fernanda D´Umbra, diretora de Quarta-Feira: Impostura.

Gustavo Haddad
Foto: Divulgação
As histórias misturam ficção e realidade para compor um painel diversificado da praça, trazendo à tona acontecimentos muitas vezes desconhecidos do grande público. Roveri, por exemplo, autor de Sexta-Feira: A Noite do Aquário, usa como gancho a primeira apresentação de Elis Regina em São Paulo - que aconteceu na Boate Djalma, na Praça Roosevelt - para contar o drama de uma mulher que vem para São Paulo procurar o marido, que trabalhava na construção do Edifício Copan.

Já Alberto Guzik inspirou-se livremente no estilista argentino Patrício Bisso ao criar Terça-Feira: Na Noite da Praça. Por meio de quatro monólogos, a montagem conta diferentes versões sobre a história de um estilista que se vê envolvido em um escândalo ao ser pego na praça com um garoto de programa. "A história é ancorada em um fato real, mas é fictícia, já que não fiz qualquer pesquisa sobre o episódio quando escrevi", conta Guzik.

Outro destaque é o monólogo Quinta-Feira: Hoje É Dia do Amor. No papel de um michê de luxo, o ator Gustavo Haddad, que viveu o personagem Agnaldo, na novela Cidadão Brasileiro, representa o tempo todo completamente nu e amarrado a uma cruz, enquanto evoca trechos bíblicos e tenta desconstruir o sentido da dor.

Bortolotto, D´Umbra e Leonardelli, em Quarta-Feira: Impostura
Foto: André Stéfano

Os elencos reúnem atores do Satyros, com Ângela Barros, e de outros grupos que agitam a cena teatral paulista, como o Tapa, Cemitério de Automóveis e Os Fofos Encenam.

"É interessante juntar esta gama de profissionais em torno de um tema profundamente ligado a um símbolo de resistência da cidade. Foi justamente a força do teatro que reverteu o processo de degradação em que a praça se encontrava", finaliza Mário Viana, autor de Segunda-Feira: O Amor do Sim. Os espetáculos acontecem sempre às 19h e ficam em cartaz até 30 de junho.


Confira os detalhes de cada uma das montagens:

Domingo: Uma Pilha de Pratos na Cozinha

Segunda-Feira: O Amor do Sim

Terça-Feira: Na Noite da Praça

Quarta-Feira: Impostura

Quinta-Feira: Hoje É Dia do Amor

Sexta-Feira: A Noite do Aquário

Sábado: Assassinos, Suínos & Outras Histórias na Praça Roosevelt

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças