Guia da Semana

Um café, dois estrangeiros e um autor

"O Estrangeiro" de Camus, monólogo sobre a indiferença perante a existência, com Guilherme Leme e direção de Vera Holtz, estréia em 6 de fevereiro no SESC Copacabana

Foto: Divulgação

Meu primeiro contato com a obra de Camus aconteceu um pouco tarde. Tinha meus vinte e cinco anos e estava vivendo um período de reconhecimento e de questionamentos a respeito dos caminhos que trilhava. Havia uma sede de arte dentro de mim brigando com o exterior de uma vida de terno e gravata.

Sempre tive um gosto apurado e requintado para leitura e apesar de achar que escolhia bons livros, creio que tenha sido escolhido por eles. Acredito que alguns livros tenham o poder e o desejo de escolher seus próprios leitores. E foi assim que descobri Camus e sua obra O Estrangeiro. Confesso que, a princípio, a obra me causou certo desconforto e estranhamento. Aquela indiferença de Meursault perante a existência me causava repúdio por fazer tanto sentido e ao mesmo tempo ser incompreensível no meu cotidiano.

Meu segundo encontro com Camus aconteceu dois anos depois, numa leitura do texto Calígula, uma peça primorosa e a partir da qual tive a oportunidade de dar vida ao poeta Scipião. A partir daí, Camus me conquistou definitivamente. Talvez pelo fato de considerar aquela solidão e indiferença tão real, tão palpável, tão presente dentro de mim. Começava a descobrir o porquê de ter sido escolhido pelo livro e pelo autor.

Mas, como em todo processo de aprendizado e conhecimento, creio que tenha criado algumas opiniões equivocadas a respeito do autor e da obra. Eu o considerava existencialista, ou seja, compactuava com o conceito de que a existência precede a essência.

Minhas opiniões sobre Camus e o que acreditava como sendo verdade absoluta, foram postas em xeque no meu terceiro encontro com o autor acontecido num café em Copacabana, num final de tarde quente de uma terça-feira.

Camus veio me reencontrar através do ator e diretor Guilherme Leme que, no momento, está ensaiando o espetáculo "O Estrangeiro", com direção de Vera Holtz e estréia prevista para 6 de fevereiro. Após muito papo regado a café, acompanhei o ator ao ensaio. É fato que Guilherme Leme é o tipo de artista que nos impressiona desde o primeiro momento em que adentra o recinto. Chique, elegante, articulado, inteligente; conhecedor da condição humana e, principalmente, um dos grandes artistas de sua geração. Guilherme é o tipo de artista que trilha um caminho muito singular, pessoal, na construção de sua carreira. Transita pelo desconhecido e se permite experimentar a arte nas mais diversas formas, seja como ator, diretor ou artista plástico.

A presença de Guilherme, ao mesmo tempo que nos deixa à vontade num bate-papo informal, nos intimida pela força e pelo conhecimento que tem daquilo que faz. Confesso que me senti um garoto perante o mestre. Não estava ali para medir forças, nem mostrar o que sabia sobre a obra. O objetivo era ouvir e absorver o máximo que eu pudesse do seu conhecimento. Afinal, o ator se propunha a falar sobre o processo do espetáculo.

O despojamento e a informalidade da situação permitiram que o papo fluísse facilmente.

Não demorou até que Camus adentrasse nossa conversa. Para Guilherme Leme, o espetáculo e o texto o encontraram de uma forma curiosa. Há cerca de dois anos, Guilherme fizera uma viagem com Vera Holtz para a casa do amigo Morten, na Dinamarca, onde passaram as festas de fim de ano. Na sala, havia um quadro que chamou sua atenção. Tratava-se do cartaz do espetáculo-monólogo "O Estrangeiro", adaptado e dirigido pelo dinamarquês. Conversaram muito a respeito e o amigo sugeriu que Guilherme levasse a adaptação para o Brasil. Com o texto do amigo em mãos, Guilherme se entregou ao processo de aprendizado e imersão na obra de Camus. Durante dois anos se dedicou ao estudo e ao planejamento do monólogo. No ano passado, Guilherme resolveu dar vida ao projeto. Chamou Vera para dirigir e apresentou o projeto para o SESC Copacabana que, de imediato, comprou a idéia.

A partir daí, os ensaios começaram e o ator se prepara para dar vida a Mersault, personagem da obra. Guilherme possui uma opinião muito singular sobre a obra. Fala sobre Camus com conhecimento de causa. Também não o vê como existencialista, considera-o um niilista. A obra que discute o conceito do homem absurdo, aquele que não crê no sentido profundo das coisas, aquele que, sem o negar, nada faz pelo eterno, toma forma na aridez da interpretação imposta pelo ator. Assistir ao processo de criação do ator é muito mais consistente e interessante do que o resultado em si. É possível ver a forma e os caminhos que ele vai tateando em meio à escuridão, a experimentação do gesto, o eterno exercício de se permitir e, principalmente, o momento em que o criador se torna criatura.

O processo de "O Estrangeiro" é seco, árido e nos vai causando desconforto à medida que Guilherme evolui na sua apatia frente à crença do absurdo da personagem. Não é raro o espectador sentir a mesma apatia e a sensação de que nada precisa ser feito, que o tempo caminha conosco. Trata-se de um monólogo em construção, onde o que foi visto naquele momento possa ser apenas um grão de areia em meio à tempestade do deserto, mas nem por isso menos importante. Por mais que a tempestade da construção mude as areias de lugar, a aridez da proposta está presente no gesto e na fala.

O terceiro encontro com Camus, pelo olhar do ator e de sua proposta, me fez entender um pouco mais sobre o universo do autor. Aprendi mais com o processo de Guilherme do que com o que havia vivenciado com Calígula, talvez, porque enxerguei com os olhos do outro ou por estar mais amadurecido. Esta relação de troca estabelecida, naquele momento, me fez, ao mesmo tempo, me sentir mais próximo de uma arte superior, e infinitamente pequeno. A interpretação de Guilherme impressiona pela qualidade, pelo gesto e pelo olhar firme que parece nos desnudar. E mais uma vez percebo que o texto é que escolhe o ator certo para ele. A arte é feita desta poesia das escolhas. Não sabemos quando um texto irá nos encontrar, mas cedo ou tarde ele virá. Para Guilherme e para mim vieram em momentos distintos. Camus me encontra numa nova etapa e, mesmo assim, ainda me causa a sensação de que sou um estrangeiro perante a vida. Meu telefone toca e saio correndo do ensaio em direção ao próximo compromisso. A sensação de desconforto ainda me acompanha. Mas a arte é feita de poesia, de questionamentos. Se não o fosse, que graça teria, não é?

Leia colunas anteriores de Celso Pontara:

? O Relógio do Paulo Autran


? A Vida é Quase Sonho


? O Novo Teatro Carioca


Quem é o colunista: Celso Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Celso Pontara é uma mistura de ator, dramaturgo e produtor cultural.

Pecado gastronômico: Coxinha de camarão do Bar Rebouças no Rio.

Melhor lugar do Brasil: Paraty.

Fale com ele: capontara@uol.com.br ou Clique aqui


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças