Guia da Semana

Uma década de Calypso

Com sucesso consolidado em todo país, a banda paraense completa 10 anos de sucesso e mostra que seu suingue inovador veio para ficar

Foto: Divulgação


No final dos anos 90, era difícil imaginar que um grupo musical totalmente independente do Belém do Pará pudesse atingir recordes de vendas e conquistar o Brasil com seu som. Hoje, depois de 10 anos de estrada, a Banda Calypso mostra que superou todos os preconceitos e, além de se consolidar como sucesso absoluto em todo país, começa a firmar carreira no exterior. Formada pela cantora Joelma Mendes e pelo guitarrista Cledivan Farias, mais conhecido como Chimbinha, a banda tornou-se líder absoluta na vendagem de discos nos anos 2000, contabilizando mais de dez milhões de CDs e dois milhões de DVDs.

Em 2007, Calypso teve no mesmo mês dois discos entre os 10 mais vendidos do país, sem ter assinado contrato com uma gravadora. Além disso, é a única banda na história da música brasileira que recebeu o prêmio de DVD de Diamante Quíntuplo. "Nós não imaginávamos que faríamos tanto sucesso. Às vezes assusta o carinho que recebemos nos quatro cantos desse país. A quantidade de fãs clubes espalhados (são mais de 250), todos muito criativos, é de muita responsabilidade, pois sem eles nada seríamos", diz a idolatrada Joelma.

Para atingir esse patamar, os dois ralaram muito e passaram por vários percalços. Joelma conheceu Chimbinha quando estava de saída do grupo Fazendo Arte rumo à carreira solo. Em pouco tempo, estavam namorando. Para ficarem mais tempo juntos, decidiram formar uma banda. Em 1999, o casal transformou o disco solo de Joelma no álbum Banda Calypso - Volume 1. "Nós fomos forçados a trabalhar de forma independente, pois no início ninguém queria investir na gente. Então tivemos que nos virar pra poder divulgar nosso trabalho", conta.

E não precisa nem falar que todo o esforço de Joelma e Chimbinha valeu a pena. A banda conseguiu vender mais de 500 mil cópias do seu primeiro disco. Depois de atingir o Norte e o Nordeste, o ritmo contagiante conquistou todos os estados brasileiros. O estouro veio em 2005, após shows e apresentações em programas televisivos de alcance nacional. No mesmo ano, fizeram a primeira turnê internacional, passando por países como EUA, Itália, Portugal e Suécia. Hoje, eles contabilizam dez discos de diamante, 13 de platina, treze de platina duplo e 13 de ouro, além de duas indicações ao Grammy Latino.

Para comemorar os 10 anos, a banda acaba de lançar um DVD (Banda Calypso 10 Anos em Recife) e dois CDs (Banda Calypso 10 Anos e Banda Calypso Vem Balançar), e chegou a gravar a música Xonou xonou em espanhol. "Recentemente fizemos show na Bolívia e lá cantei uma música no idioma. Estamos preparando outras visando o mercado da América Latina, mas sem esquecer nosso povo.

Estilo único

Foto: Divulgação


Além da musicalidade e dos números contagiantes de dança, a banda chamou atenção por causa do figurino extravagante e festivo, criado pela própria Joelma. "Tenho sempre o cuidado de que as roupas sejam confortáveis para facilitar os movimentos, mas sempre comportadas, pois temos muitas crianças no público, e não é preciso apelar", diz. Em 2008, Joelma criou a grife Calypso Vest, toda inspirada na Amazônia. Com modelos parecidos com os que a cantora usa nas apresentações, as coleções contam com o trabalho do estilista Marcos Brandão e fazem sucesso entre os fãs.

Experiências inesquecíveis

Foto: Divulgação


Para Joelma, entre os grandes momentos da banda nesses 10 anos estão os shows no exterior, além das grandes comemorações na capital paulista. "Reveillon , 1º de maio na Paulista e Brazilian Day em Nova Iorque foram passagens marcantes. Mas as cidades pequenas, que nem lembro o nome - O Chimbinha lembra de quase todas (risos) - têm a mesma importância, pois pra nós o que importa é saber que tem alguém na platéia quer ouvir a nossa música".

Como não poderia ser diferente, depois de tantas experiências, o Calypso passou por transformações musicais. "Dá pra acreditar que houve sim, num contexto geral, um amadurecimento musical em relação à qualidade de equipamentos e de estúdios usados para as gravações. Além de músicos e de uma equipe técnica com muito profissionalismo", afirma a cantora.

Rotina agitada

Com tantos shows e compromissos, Joelma diz que hoje sente falta de tempo para seus três filhos. "Fomos adaptando a rotina. Há horas para o trabalho e horas para cuidar da casa e dos filhos, e um pouco de lazer, mas sempre juntos. O que mais sentimos falta são os filhos, o que não poderia ser diferente. Eles vão crescendo, cobram nossa presença, é difícil", revela.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças