Guia da Semana

Universo Conturbado

Espetáculo que está em cartaz no espaço dos Parlapatões revela a vida de um dos artistas irlandeses mais conhecidos da modernidade



DesFigura, espetáculo em cartaz no espaço dos Parlapatões, propõe trazer o universo conturbado de Francis Bacon, um dos pintores mais interessantes e inquietantes da modernidade aos dias atuais. Em cena, Edi Botelho elabora, diametralmente, contraposições entre corpo e fala, narrando pensamentos e sensações, valorizando as minúcias e particularidades que fizeram do artista irlandês personagem único de seu tempo (1902-1992).

Dois são os princípios explorados: a construção de uma atmosfera que represente o interior do personagem e o discurso de uma fala que vai além da retórica para se aproximar da persona do artista. E se dois são os valores constituintes da cena, elege-se, simultaneamente, duas outras inquietações: como dar conta de representar a pintada desfiguração do corpo humano e o universo sensorial de Bacon?

Tarefa difícil, o trabalho esbarra na condição da limitação dos corpos em ir além de suas capacidades físicas. Não é possível desfigurar um rosto além da realização simplista de uma careta, ou torcer um tronco além do curvar e expandir tais como conhecemos. Bacon problematizara a identidade do homem moderno por meio da deformação dos rostos, membros, posturas, em violenta ação pictórica, na qual as cores servem aos berros e desejos de destruição.

Em DesFigura, não poderia ser outro o caminho que não a aproximação entre a dança e o corpo mídia. Contudo, insisto, limitado em suas possibilidades reais, torna-se ingênuo, quando comparado aos trabalhos de Bacon, violentamente mais poéticos e cheios de caminhos subjetivos. Frustra-nos à sensação de déjà vu dos movimentos, das palavras corporificadas, das repetições gestuais, dos códigos já tão banalizados por tantos usos. Frustra-nos a percepção de não poder ser outra coisa, a incapacidade em atingir a cópia plena. E terminamos por assumir o assistido como resultado possível meramente.

Na maneira como as partituras de DesFigura surgem, limitamo-nos a assistir a deformidade do corpo e não do humano em si. Entender o humano é ir além da matéria, é desfacelar a casca para chafurdar ao íntimo daquilo que nos torna comuns em nossas diferenças. A obviedade da dança calculada, da coreografia duplicada, seguida da imprecisão do preciso, faz com que a narrativa corporal, a transformação baconiana limite-se ao desenho da forma, da superfície. E estar na superfície é, via de regra, determinar-se superficial.

A segunda questão, o universo de Bacon, envolve outras tantas particularidades técnicas. Em DesFigura, assim como boa parte dos espetáculos em cartaz que se utilizam de tal premissa, não se vai além do próprio mostrar ou apresentar o homem-artista-personalidade. Junta-se uma pitada de sua estética (ineficiente e reducionista), a pensamentos soltos, coleções de frases e leves intromissões da biografia íntima.

Tudo certo, não fosse uma abordagem simplista da personagem. Não se encontra Bacon no contar a vida dele. Apresentá-lo seria torná-lo signo sensível, no sentido mais íntimo e pessoal do público. Fazer-nos sentir as emoções, sensações e inquietações do artista sem, necessariamente, figurar o próprio ou seus quadros para manipular nossa compreensão.

Do jeito que DesFigura, e tantos outros propõem, sobra ao espectador ouvir uma história e assistir a um personagem sem qualquer possibilidade concreta de vivenciar aquilo tudo apresentado. É literatura dramática, dramaturgia pura. O teatro, no entanto, pode e deve ir muito além disso... O espetáculo pertence, enfim, à gama das produções que se apropriam de complexas estruturas de pensamento, estética e comportamento, para recriá-las em personagens dramáticos, construídos numa ingênua tentativa de dar conta de todas as camadas que envolvem tais personalidades.

Edi Botelho vai bem nesse encalço. Mas não chega a assustar. Assistimo-no sem deslumbramento ou fascinação, sem susto ou entorpecimento. Nada que nos leve a uma transformação incômoda, a uma desconfiguração de nossas certezas, à destruição de nossos íntimos, a trazer para nós um pouco do Bacon tão insistentemente personificado em cena. Em DesFigura, portanto, ficamos mais uma vez frente a frente a atores e seus esforços, mas muito longe de seremos invadidos por Bacon e seus berros definitivos.

Leia  as colunas anteriores de Ruy Filho:

Contar história para acordar

Quando o correto não é boa opção

Nem sempre rir...

Quem é o colunista: Ruy Filho.

O que faz: diretor e dramaturgo.

Pecado gastronômico: carpaccio de pato do Piselli.


Melhor lugar do Brasil: Salvador fora de temporada.


Fale com ele: ruyfilhosp@yahoo.com.br ou acesse o blog do autor

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças