Guia da Semana

Verdades da mente

Peça Mente Mentira desembarca em São Paulo após temporada no sul do Brasil e marca a estreia de Malvino Salvador na produção

Foto: Divulgação


A arte imita a vida ou a vida imita a arte? Esse é o dilema que chega aos palcos junto da peça Mente Mentira a partir de domingo, dia 15, no Teatro Raul Cortez, em São Paulo. Considerada a obra-prima do premiado autor norte-americano Sam Shepard - ganhador em Cannes com Paris, Texas -, a montagem mescla humor, drama, suspense e aborda assuntos polêmicos como a violência doméstica e valores das relações familiares.

Dirigida por Paulo de Moraes, ganhador do prêmio Shell de melhor direção por Toda Nudez Será Castigada, a reprodução fiel do texto original Lie of the Mind marca a primeira produção teatral do ator Malvino Salvador, que também atua como o protagonista ao lado de Fernanda Machado.

Enredo consciente

Duas famílias com dilemas variados são o centro da narrativa; elas são afetadas pelo fim do casamento de seus filhos Jake e Beth, vividos por Malvino e Fernanda. Na trama, a protagonista é uma atriz iniciante na profissão e desperta a desconfiança no marido, que revela sua insegurança ao irmão. Incentivado, Jake coloca seu ciúme doentio para fora e bate na esposa, deixando-a hospitalizada. Aparentemente conturbada e afetada psicologicamente devido às agressões, Beth passa a confundir o cunhado com o marido. A partir desse momento, o ritmo se intensifica e o suspense se instala em cena.

 Entrelaçado por momentos de tensão, romance e questionamentos acerca da vida, o espetáculo tem a intenção de levar o espectador a, em alguns casos, se identificar com situações vividas pelos personagens. Segundo Malvino Salvador, o enredo estimula a percepção do público perante assuntos importantes. "Estava à procura de um texto instigante, que me provocasse reflexão, questionamentos e, ao mesmo tempo, fizesse com que me divertisse com ele. Encontrei todos estes componentes em Mente Mentira. Quis compartilhá-lo com o público".

Estreante

Foto: Divulgação


Tendo a oportunidade de produzir pela primeira vez um espetáculo teatral, Malvino tomou a decisão de levar o texto aos palcos brasileiros em 2007. Impulsionado a empreender, o ator se diz totalmente dedicado às funções operacionais da peça e também não se desprende do lado cênico, afinal, é um dos protagonistas. "Amo atuar e encontrei uma maneira de unir o útil ao agradável. Tenho de me dedicar para que a engrenagem da produção esteja funcionando corretamente. Dá trabalho, mas é gratificante ver tudo dando certo", afirma.

Sobre o fato de ser um galã global, Malvino não entende a visibilidade de seus papeis na TV enquanto reflexo na sua atuação no tablado. "Essa ideia nunca passa pela minha cabeça na hora de compor a personagem. Tento entender quais são as inquietações e motivações de cada personalidade, para que possa expressar as emoções mais verdadeiras e realizar uma composição coerente", ressalta.

Na pele de Jake, o ator alterna em cena momentos de emoção, fragilidade e violência. Para isso, a preparação foi intensa. "Se estivéssemos fazendo uma comédia com o objetivo de provocar gargalhadas, seria mais fácil atrair o público. Procuro embasamento com o máximo de informação que puder extrair através das pesquisas para a construção da personagem. A partir desse estudo, construo um gráfico emocional que dá base para estar em cena".

Violência à tona

Foto: Divulgação


A protagonista na peça mostra a complexidade do ser humano sobre o que pode ser fantasia ou realidade, quando disfarçamos secretos desejos. Fernanda Machado conheceu o texto quando estudava teatro e, ao receber o convite de Malvino, não pensou duas vezes antes de aceitar. "Ele me apresentou a ideia em 2007. Achei muito corajoso da parte dele, uma produção grande. Lidar com um texto tão bom e atores ótimos no elenco é difícil. Sou fã e admiradora dessa atitude dele", afirma.

Quanto à construção de sua personagem, Fernanda confessa ser esse o grande desafio de sua carreira até o momento. "É a personagem mais difícil de toda a minha trajetória. Me exigiu muito. Ela ocupa a função de um anjo na peça, uma mulher no auge da juventude e da beleza que sofre uma agressão do próprio marido. De repente, vê todos os sonhos dela destruídos, o amor perdido, a vaidade acabada. Ela precisa reaprender a viver".

Foto: Divulgação


Diante de um dos temas abordados no espetáculo, a violência doméstica, Fernanda ressalta que a discussão e o assunto não poderiam vir em melhor hora. "É um drama muito concreto, palpável. A pessoa que ela mais amava quase a matou, isso é um tema muito propício. Quantas mulheres sofrem agressão do marido? A partir disso, ela passa por uma reconstrução e volta para a família. Reaprende tudo e junta os cacos que sobraram, mas ela se sente amarrada e não consegue sair disso", salienta.

Famosa por papeis em novelas da TV Globo e longas como Tropa de Elite, a atriz credita tudo o que conquistou até hoje aos palcos. "Tudo que sou hoje e fiz, devo ao teatro. Ele sempre me abriu portas. No palco não atingimos o público que a TV consegue, porém, o tablado é o maior teste do ator. No palco não tem essa de truque, montagem, ouvir o diretor dando toques. É a arte do ator. São duas horas mostrando a sua arte", orgulha-se. 

Serviço:
Local: Teatro Raul Cortez (antigo Teatro Fecomércio)
Preço: R$ 60,00 (sexta e domingo) e R$ 70,00 (sábado).
Data: 15 de agosto a 12 de dezembro de 2010.
Horário: Sexta e sábado, 21h30; domingo, 19h.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças