Guia da Semana

Vigilante do Peso

Terminado o período das festas de fim de ano, a gente espera agora o fim do carnaval para poder começar 2009 efetivamente

Foto: Getty Images

Inevitável fugir da famosa análise de fim de ano que sempre fazemos. Quem passou ou entrou em nossas vidas, o que eu consegui, o que eu conquistei, o que eu fiquei devendo para os outros e, principalmente, pra mim mesmo.

Ano passado - e quando falo isso parece algo tão longe, sendo que só passou um mês do novo ano - mencionei que iria, nas próximas colunas, associar um pecado capital por vez. Claro que da lista quando penso em festas de fim de ano o que se encaixa mais é a gula. Principalmente quando lembro que passei ao lado da minha mãe, afinal todos devem concordar que comida de mãe saliva qualquer boca só de lembrar.

O fato é que não vou pelo óbvio, discorrer sobre quitutes e comidas típicas dessa época. Quero falar de uma outra gula.

Na última coluna quando a preguiça era a bola da vez mencionei a minha preguiça de gente. Aquelas pessoas que facilmente te cansam. E quando pensei em falar de gula, pensei em discutir a gula por conhecimento. Essa não engorda, não aumenta o colesterol e nem te força a fechar a boca. Muito pelo contrário.

Começo de ano sempre traz aquela sensação de recomeço, de vida nova. Ainda que seja só a passagem de mais um dia no calendário, a simbologia de um ano que se inicia para muitos é uma forma de mudar hábitos antigos e colocar como meta uma nova forma de encarar a vida. Drummond já eternizou muito bem isso.

Na televisão sempre nessa época surgem campanhas publicitárias emotivas, com muitas famílias felizes, pessoas de todas as raças de mãos dadas, o mundo parece perfeito. E uma delas, de um banco, colocou como tema: "2000 INOVE". Isso ficou na minha cabeça.

Cansado de tanta futilidade - e nem sei se isso tem a ver com a chegada de mais um aniversário e com a rabugice que inevitavelmente a idade me traz - tirando a presunção em me achar uma pessoa super-interessante, cansa tanta bobagem que somos obrigados a engolir e pessoas rasas ao nosso redor.

Certamente vou usar a frase do banco nos próximos brindes com os amigos. Quero, ainda que modestamente, incitar o espírito de inovação. Vamos nos alimentar de coisas boas. Encarar um livro que há anos a gente ensaia ler, ir mais ao teatro, ao cinema, conhecer museus. O papinho de que a cultura é elitista não cabe para quem mora numa cidade como São Paulo. Chega até a ser ridículo pensar nisso.

Outro dia li num blog a frase: "A gula é uma fuga emotiva, um sinal de que alguma coisa nos está a devorar".

Vamos assumir a gula da mudança. Tornarmos pessoas mais interessantes. Naquela listinha típica de promessas feitas quando pulamos as ondinhas pode incluir ao lado do regime, a engorda do conhecimento. Não espere acabar o carnaval, abra o jornal, os guias culturais já estão cheios de opções, escolha a sua, saia da mesmice, leia novas colunas (risos). Em suma, INOVE em DOIS-MIL-E-NOVE.

Leia colunas anteriores de Guilherme Gonzalez:

? "O preguiçoso é um relógio sem corda"


? "Eu me esforço para ser invejado, não para invejar"


? Todos querem ser a Amy


Quem é o colunista: Guilherme Gonzalez.

O que faz: ator e produtor, um dos fundadores da Cia Teatro de Janela.

Pecado gastronômico: Comida da mãe.

Melhor lugar do Brasil: Ilha do Marajó.

O está ouvindo: Marina de la Riva

Fale com ele: gonzalezguilherme@hotmail.com


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças