Guia da Semana

A diva dos anos dourados

Em março, um dos principais ícones femininos do cinema norte-americano deu adeus ao mundo. Confira seus principais filmes e os fatos que marcaram a carreira de Elizabeth Taylor


Ela foi pioneira em Hollywood ao ter a vida pessoal exposta publicamente na mesma proporção que a sua carreira artística - e tirar proveito disso. Seus olhos violetas encantaram o mundo a ponto de serem considerados, por si só, pornográficos. Com oito casamentos, conturbadas polêmicas e a alcunha de destruidora de lar, a atriz nunca perdeu o brilho e ficou eternizada como a primeira diva norte-americana. Aos 79 anos, Elizabeth Taylor encerra definitivamente sua estadia intensa nesse mundo e duradoura e já deixa saudade.

Filha de um casal norte-americano, Taylor nasceu no subúrbio londrino, em 27 de fevereiro de 1932. Com a chegada da Segunda Guerra Mundial, a família resolveu instalar-se em Los Angeles, no país que receberia a estrela de braços abertos.

Talentosa desde a infância, iniciou no cinema com apenas nove anos, no filme There's One Born Every Minute. Aos 12, já tinha se tornado a principal estrela infantil de Hollywood. Ao longo da vida, participou em mais de 50 filmes, incluindo papéis marcantes, como em Gata em Teto de Zinco Quente (1958), ao lado de Paul Newman, e em Assim Caminha a Humanidade (1956), derradeiro trabalho do ator James Dean, que morreu duas semanas após o fim das filmagens.

A notoriedade veio com o convite para protagonizar o arrasa-quarteirão Cleópatra (1963). Por ele, recebeu o cachê de US$ 1 milhão, o maior pago a uma atriz até então. Foi também durante as gravações do longa que Elizabeth se envolveu com o Richard Burton, um dos grandes amores da sua vida e com quem se casou por duas vezes.

 Veja algumas das polêmicas frases de Elizabeth Taylor
 "Sou uma mulher muito comprometida. Comprometida em casar tantas vezes"

"O problema de pessoas que não têm vícios é que normalmente elas têm virtudes bem irritantes"

"Acho que quando atingem uma certa idade, os homens têm medo de crescer ainda mais. Parece que quanto mais velhos ficam, mais novas são suas mulheres"

"Se alguém é burro o suficiente de me oferecer 1 milhão de dólares para me contratar para um filme, eu certamente não sou burra o suficiente de recusar"

"Não sei se o presidente Bush tem feito algo em relação à Aids. Para falar a verdade, não sei nem se ele sabe soletrar Aids" (Julho de 1991, durante a Oitava Conferência Internacional sobre Aids)



Mas que fique claro que, ainda que se definisse uma "atriz intuitiva", por não ter nenhum tipo de treinamento formal, a dama tinha talentos que iam além dos atributos físicos. Tanto que sua atuação na sétima arte rendeu cinco indicações para o Oscar e duas estatuetas de Melhor Atriz, em Quem tem medo de Virgina Woolf (1966) e Disque butterfield 8 (1960). Engajada, entrou na luta contra a Aids após ver o ator e amigo Rock Hudson morrer com a doença, em 1985. Ajudou a criar a American Foundation for AIDS Research e sua própria fundação de pesquisa contra a doença. Em 1993, levou o Oscar Humanitário Jean Hersholt.

O último filme em que trabalhou foi These Old Broads, de 2001, uma produção para a TV dirigida por Matthew Diamond. Os fracassos amorosos, o alcoolismo e o abuso de drogas minaram sua saúde - ela que passou por vinte cirurgias ao longo da vida. O símbolo do glamour dos anos dourados do cinema norte-americano faleceu na manhã de 23 de março de 2011. Como homenagem, o Guia da Semana relembra seus papéis mais marcantes.

A Mocidade é Assim Mesmo (1944)

Velvet Brown (Elizabeth Taylor) ganha um cavalo em uma rifa e decide treiná-lo para a principal corrida de obstáculos do país. Para isso, pede ajuda ao órfão Mi Taylor (Mickey Rooney), que se faz passar por jóquei para tentar conquistar de maneira ilegal o prova. Baseado no romance de Enid Bagnold, o filme transformou Liz Taylor na principal estrela infantil de Hollywood.

Considerado por muitos cinéfilos como um dos melhores filmes sobre esporte, para o papel, a atriz, na época com apenas 12 anos, teve aulas de equitação e passou a comer mais, numa tentativa de fazer com que seus seios crescessem. Após as filmagens, ela ainda ficou com o cavalo.



Ficha Técnica
A Mocidade é Assim Mesmo
Título original: National Velvet
Direção: Clarence Brown
Elenco: Mickey Rooney, Donald Crisp, Elizabeth Taylor, Anne Revere
Tempo de duração: 125 minutos
Ano de lançamento: 1944


Assim Caminha a Humanidade (1956)


Em 1923, o rancheiro texano Bick Benedict (Rock Hudson) vai a Maryland para comprar um cavalo premiado e se apaixona por Leslie (Elizabeth Taylor), a filha do proprietário da fazenda. Eles se casam e Leslie vai morar no seu rancho, onde fica chocada com a pobreza das famílias mexicanas que labutam para o marido. Contra a família de Bick, ela decide melhorar as condições de vida dos trabalhadores.

O épico conta a vida de três gerações de famílias texanas e seus conflitos amorosos, disputas econômicas, preconceitos raciais, tudo em nome da corrida pelo ouro negro. O filme foi indicado para o Oscar em nove categorias, vencendo o de Melhor Diretor. Ele também foi o último trabalho do ator James Dean, que se envolveu em um acidente automobilístico fatal antes mesmo do lançamento da obra.



Ficha Técnica
Assim Caminha a Humanidade 
Título original: Giant
Direção: George Stevens
Elenco: Elizabeth Taylor, Rock Hudson, James Dean, Carroll Baker
Tempo de duração: 201 minutos
Ano de lançamento: 1956


Disque Butterfield 8 (1960)


Elizabeth Taylor interpreta Gloria Wandrous, uma garota de programa vítima de uma experiência traumática no início da adolescência que vive atormentada por contraditórios impulsos de consciência e desejo. A história toma um rumo inesperado quando ela apaixona-se por Weston Liggett (Laurence Harvey), um homem casado e problemático.

O longa foi um sucesso de bilheteria e rendeu a atriz seu primeiro Oscar. Conhecida por seus relacionamentos que transpassavam a vida pessoal, na época das filmagens Taylor estava casada com o cantor e ator Eddie Fisher, que também atuou no filme.



Ficha Técnica
Disque Butterfield 8
Título original: Butterfield 8
Direção: Daniel Mann
Elenco: Elizabeth Taylor, Laurence Harvey, Eddie Fisher, Dina Merrill
Tempo de duração: 109 minutos
Ano de lançamento: 1960


Cleópatra (1963)


A película tem Elizabeth Taylor interpretando a ascensão e declínio da legendária Rainha do Nilo, a sua luta para defender o império contra Roma e seu relacionamento com Júlio César (Rex Harrison) e Marco Antônio (Richard Burton). O retrato da beleza que seduziu os dois dos maiores soldados romanos ganhou o Oscar de Fotografia, Direção de Arte, Figurinos, Cenários e Efeitos Especiais.

O filme de relativo fracasso comercial foi considerado o mais caro de todos os tempos, custando US$ 44 milhões na época (cerca de US$ 290 milhões nos valores atuais). Durante as filmagens, Liz Taylor trocou de figurino 65 vezes, um recorde batido somente em 1996, com Madonna em Evita (85 trocas). Nas gravações, Elizabeth Taylor e Richard Burton se apaixonaram  - os dois acabaram casando-se (por duas vezes) e foram parceiros em outros longas-metragens.



Ficha Técnica
Cleópatra 
Título original: Cleopatra
Direção: Joseph L. Mankiewicz  
Elenco: Elizabeth Taylor, Richard Burton, Rex Harrison, Roddy McDowall
Tempo de duração: 192 minutos
Ano de lançamento: 1963


Quem tem medo de Virgina Woolf (1966)


Um casal de meia-idade recebe a visita de um professor universitário (Richard Burton) e sua esposa (Elizabeth Taylor). O encontro vai se transformando em uma sessão de agressões e inusitadas revelações. Baseado na peça de Edward Albee, o longa foi indicado para 13 Oscars e recebeu cinco: melhor atriz (Liz Taylor), atriz coadjuvante, fotografia, direção de arte e figurinos.

O trabalho, em uma fase mais madura de Liz Taylor, surpreendeu o público ao apresentar a atriz que sempre andava glamorosa e bela em uma representação gorda e envelhecida para viver o escandaloso papel de megera em fúria. Rumores afirmam que o casal Elizabeth Taylor e Richard Burton tiraram a inspiração das suas brigas na vida real para interpretar os protagonistas.



Ficha Técnica
Quem tem medo de Virgina Woolf
Título original: Who's Afraid of Virginia Woolf?
Direção: Mike Nichols  
Elenco: Elizabeth Taylor, Richard Burton, George Segal, Sandy Dennis
Tempo de duração: 129 minutos
Ano de lançamento: 1966



*Fotos: Divulgação

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017

Cahiers du Cinéma elege os melhores filmes de 2016

O brasileiro "Aquarius" aparece em quarto lugar na lista