Guia da Semana

A Garota da Capa Vermelha

O vermelho da capa de Chapeuzinho contrasta com a brancura da neve da região onde ela mora. Mas as cenas com o lobo mau não impressionam

Foto: Divulgação


Transformar a fábula de Chapeuzinho Vermelho em uma história de terror e suspense, com atmosfera sombria e erotização dos personagens, não é uma novidade. O diretor Neil Jordan (de Entrevista com o Vampiro) já havia realizado um filme nesses moldes em 1984. Intitulado A Companhia dos Lobos, o filme de Jordan, apesar de ter ficado datado em seus efeitos e maquiagem, preserva ainda uma eficiente atmosfera sombria de pesadelo.


Com estreia nesta quinta-feira (21 de abril), A Garota da Capa Vermelha é a mais nova produção a tomar a mesma fábula como partida para uma aventura nada infantil. O filme surge como parte do que parece ser uma nova onda de adaptações "desinfantilizadas" e aventurescas de fábulas clássicas. Nesse sentido, ainda deve vir por aí João e o Pé de Feijão como uma aventura de combate a gigantes e João e Maria como uma história sombria de caçadores de bruxas.

A Garota da Capa Vermelha, desde seu material de divulgação (trailer, cartazes) indica a promessa de um visual interessante, capaz de seduzir as novas gerações, tão fascinadas pelos elementos da franquia Crepúsculo. A semelhança não é casual: a diretora, Catherine Hardwicke, é a mesma do primeiro filme da série sobre vampiros e lobisomens apaixonados, suspirosos e cheios de hormônios. Nesse contexto, o filme exercita a mesma estética e temática semelhante à da série de grande sucesso. Estão lá os personagens no vigor da juventude, cheios de ansiedades sexuais. Donos de uma vibrante beleza juvenil, confrontam-se com seus instintos, sonhos românticos e paixões desenfreadas.

Valerie (Amanda Seyfried) vive com seus pais em uma vila que há duas gerações é aterrorizada por um lobo. No entanto, um pacto entre os moradores e a fera faz com que os ataques a pessoas sejam interrompidos em troca de um animal como oferenda em noites de lua cheia. Quando o pacto é quebrado e uma garota da vila é morta, os moradores decidem caçar o lobo, o que desencadeia mais mortes e revelações que afetarão profundamente a vida dos moradores.

O filme pode agradar aos fãs do universo de Crepúsculo, dada as inevitáveis semelhanças. Mas A Garota da Capa Vermelha tem falhas primárias na construção de sua narrativa e no enlaçamento de seus personagens. Apoia-se em um roteiro simples que, embora crie uma certa tensão e expectativa, acaba por resolver os desenlaces apresentando motivações discutíveis.

Com os personagens, o que mais incomoda é a superficialidade com que são colocados dentro da trama. Além de pouco elaborados, sem qualquer profundidade dramática ou emocional, ainda reagem a grandes revelações com alguma inexpressividade, como se fosse comum e cotidiano descobrir segredos de família. A narrativa é atropelada, os acontecimentos se sucedem sem tempo para a absorção de suas consequências. Amanda Seyfried, um dos rostos mais bonitos da nova geração de Hollywood, não convence como uma assustada garota, vítima perseguida por uma fera sobrenatural.

O filme consegue algum sucesso na direção de arte, embora explore muito mal o potencial simbólico das cores e dos contrastes do cenário. Ambientado em uma floresta invernal, com neve por todos os lados, o contraste entre o vermelho vivo da capa de Valerie e a brancura da neve poderiam ser elementos sutis do conflito entre a pureza e a inocência - articulados com violência e mistério - contra o pecado e a perda dessa inocência.


Quanto aos efeitos especiais, a figura do lobo deixa a desejar. Em suas aparições, de onde se podia esperar uma ação visceral intimidante, o afastamento da câmera acaba por esvaziar esse efeito. Assim, a criatura que deveria ser assustadora pela construção mítica do medo (vide A Vila, de M. Night Shyamalan, como ótimo exemplo disso) se torna apenas uma fera violenta e descontrolada. Com isso, perde-se qualquer possibilidade de nuance, que tornaria a fera em um predador astuto, à espreita de sua presa, transformando expectativa em suspense e terror.

No geral, sobra apenas o mistério da última grande revelação, que explicará todos os acontecimentos inesperados que pontuam a narrativa. E, para quem gosta de torcer pela mocinha e pelo herói, tem também o romance, com seus percalços e dramas. Algo que pode servir como linha de interesse e empatia do público jovem.

Para uma história com potencial cênico, dramático e lúdico, A Menina da Capa Vermelha é uma decepção, pois deixa de lado grande parte desse potencial e realiza um filme de fracas emoções e nenhuma nuance.

 

Leia as colunas anteriores de Rogério de Moraes:

Nouvelle Vague

Batman e as HQs no cinema

Prazeres Inconfessáveis

Quem é o colunista: gordo, ranzinza e de óculos.

O que faz: blogueiro, escritor e metido a crítico de cinema.

Pecado gastronômico: massas.

Melhor lugar do Brasil: qualquer lugar onde estejam meus livros, meus filmes, minhas músicas, meus amigos e minha namorada.

Fale com ele: rogercodegm@gmail.com ou acesse seu blog



 

 


 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

J.K. Rowling desmente boato sobre filme de "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada"

"Não há verdade nos rumores sobre a trilogia", disse a escritora no Twitter

Após vídeo de supostos maus-tratos, pré-estreia de "Quatro Vidas de Um Cachorro" é cancelada

Universal Pictures divulgou comunicado oficial informando o cancelamento

Animação francesa “A Bailarina” é opção para as férias

Filme mostra uma menina que sonha em ser bailarina, mas, para isso, terá que aprender lições importantes de vida

Rede Cinesystem inaugura seu primeiro cinema em São Paulo

Com nove salas e projeção a laser, cinema promete ser o mais moderno da cidade

Rita Repulsa, Zordon e Alpha 5 estão no novo trailer dos "Power Rangers"; assista

Remake da série dos anos 90 estreia em março

“xXx: Reativado” – terceiro filme da franquia estrelada por Vin Diesel estreia nesta quinta

Longa traz Nina Dobrev no elenco e tem participação de Neymar Jr.