Guia da Semana

A sedução do veneno

Deborah Secco abusa da sensualidade e ousadia na pele de Raquel Pacheco, a ex-garota de programa mais conhecida no Brasil. Saiba mais sobre o controverso longa que promete levar muita gente ao cinema



Logo no início, quem vê a menina de 17 anos com camisetão e franja, dançando de forma desengonçada na webcam, se lembra da tímida Carol, da na série Confissões de Adolescente, ícone jovem dos anos 90. Aos poucos, a narrativa despe, literalmente, a atriz camaleoa, que deixa o personagem inseguro de lado para dar lugar à sexy e determinada garota de programa que ganhou fama na Internet. Com estreia nacional em 25 de fevereiro, o filme Bruna Surfistinha marca o encontro entre Raquel Pacheco e Deborah Secco, em cenas recheadas de drogas, polêmica e sexo. 

O filme

Produzida pela Tv Zero, a película é o primeiro trabalho do diretor publicitário Marcus Baldini à frente de longas-metragens. Inspirado no livro autobiográfico O Doce Veneno do Escorpião - que vendeu mais de 300 mil exemplares e está em sua 15ª edição - o filme tem projeção de lançamento de 350 cópias.

A trilha sonora inclui a erótica Time of the Season, do The Zombies, a balada Fake plastic trees, do Radiohead - que pediu para assistir ao filme antes de liberar a música -, além da banda The Flaming Stars. No elenco ainda conta com Drica Moraes, Cássio Gabus Mendes, Fabíula Nascimento, Cristina Lago e Guta Ruiz, formando a produção mais esperada do ano e que pretende quebrar preconceitos e arrastar o público para as salas. 

O enredo

Em uma história que se assemelha a um conto de fadas às avessas moderno, o filme narra a vida da ex-garota de programa e escritora Raquel Pacheco, adotada por uma família de classe média paulistana, que sofria hostilidade no colégio e indiferença dos pais. Revoltada e com síndrome de 'patinho feio', a adolescente descobre os prazeres do sexo e resolve sair de casa para ganhar a vida como garota programa.

"Desde a leitura do roteiro eu já tinha a visão muito clara de que existiam algumas Brunas na história e não somente uma personagem. A Raquel com a família e hostilizada no colégio; a Raquel descobrindo que os homens poderiam pagar para ter uma noite com ela; a Raquel virando Bruna Surfistinha; e ela entrando nas drogas e virando uma garota de sucesso", aponta a protagonista Deborah Secco.

Na marginal profissão, a personagem faz uma trajetória que vai da moradia precária em um bordel da periferia até o requinte ao atender os clientes em sua própria cobertura, no bairro nobre de Moema. Com o pseudônimo de Bruna Surfistinha, cria um blog relatando sua vida na Internet, entra de cabeça no mundo das drogas e vira celebridade nacional.

Preparação


Para a construção do personagem, Deborah Secco frequentou clubes masculinos e casas de suíngue

"Com a Raquel/Bruna eu tinha certeza que ela era uma personagem com o qual eu poderia mostrar um lado da Deborah que poucas pessoas conheciam", assume a atriz. Apesar de não ser a primeira opção do diretor, Deborah teve que lutar para ganhar a confiança de Baldini, que não queria uma celebridade para contar uma história por si só já polêmica. "Conversei com ela e acabamos falando a mesma língua e tendo a mesma opinião sobre alguns pontos do roteiro", ele conta. A partir daí, Baldini já não poderia tirá-la do papel principal.

Com 31 anos, 23 anos de carreira e 15 novelas no currículo, a atriz considera ser esse o papel da sua vida e pouco se lembrava da garota de programa que ganhou as páginas de jornal e TV, em 2005. Sem ler o livro, nem ao menos visitar o blog, buscou na solidão algumas respostas para a personagem. Afastou-se da família e frequentou clubes masculinos e casas de suingue. "Eu, em especial, fui conhecer garotas de programas de diversos níveis, desde a menina que atende na sua própria casa até aquelas que fazem ponto na rua".

Segundo a atriz, isso foi muito vantajoso na construção do personagem "O roteiro era a minha vida, era a minha história, era a minha verdade. Talvez se eu tivesse lido o livro, entendesse a história de uma forma diferente e o personagem não fluísse da maneira que foi", assume Deborah.

Para o papel, ela teve que engordar oito quilos e ganhou formas e curvas, ficando o mais próxima dos padrões de beleza exigidos pelo público masculino. Só nas filmagens, foram necessárias nove semanas e meia, sendo que, em quase todo dia, havia cenas de sexo para fazer. "Algumas caracterizações demoravam duas horas e tinham tudo para desconcentrar. Tive que fazer um trabalho árduo para me focar nos momentos mais adversos", revela a atriz.

Cenas picantes

E quem espera uma narrativa com uma Bruna Surfistinha light nas telonas assusta-se logo nas primeiras cenas. "Sempre tive a preocupação de que as cenas de sexo tivessem uma pertinência narrativa muito grande. Fiz a opção lá atrás de que tinha que mostrar o suficiente para impactar, dentro da narrativa que estava contando", aponta Marcus Baldini.

Com o sexo e o erotismo permeando uma história que revela os segredos mais ocultos da natureza masculina, Deborah não se intimidou e incorporou o papel em toda a sua essência. "Não tive problema em fazer as cenas, a minha maior preocupação era mostrar as vitórias e as dores que a Bruna passou para chegar nesse lugar. Contar a história sem cenas fortes não seria contar essa vida, seria inventar uma outra história".

Livro x Filme



Apesar da adaptação, Marcus Baldini preferiu se manter distante de Raquel Pacheco e fugiu um pouco do livro para compor o roteiro. O resultado são cenas ficcionais que não existiram na vida real, como as brigas com o irmão - quando na verdade ela tinha duas irmãs de criação - e a omissão dos desentendimentos com o pai adotivo - que chegou a denunciá-la para a justiça.

"É muito difícil dizer os motivos pelos quais cada mudança aconteceu. O que eu quis fazer é um roteiro coerente com a trajetória profissional da Raquel, com as dores, vontades e alegrias que sentia. Queira ou não, todo filme que tem uma adaptação faz um olhar específico sobre a história", reflete Baldini.

De acordo com Deborah, se o filme tem a intenção de passar alguma mensagem, seria a de deixar os julgamentos de lado e tentar enxergar a capacidade que as pessoas têm de viver "A vida nem sempre dá toda as possibilidades a todas as pessoas", afirma a atriz. Se você se interessou pela história, corra para os cinemas. Só não vá com preconceitos.

Ficha Técnica
Bruna Surfistinha
Direção: Marcus Baldini
Elenco: Deborah Secco, Drica Moraes, Cássio Gabus Mendes, Fabíula Nascimento, Cristina Lago e Guta Ruiz
Ano de lançamento: 2010
Duração: 109 minutos


*Fotos: Divulgação

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Ator de “Power Rangers” faz homenagem à Chapecoense durante a CCXP 2016

Elenco do filme participa da terceira edição da feira de cultura pop em São Paulo

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017