Guia da Semana

A Troca e Clint Eastwood

Drama com Angelina Jolie possui três indicações para o Oscar, mas a direção de Clint não foi lembrada em um dos melhores dramas de 2008

Los Angeles


A combinação de talentos vista em A Troca é peculiar e memorável. Com roteiro de J. Michael Straczynski (o criador da série Babylon 5), direção de ninguém menos que Clint Eastwood e uma atuação impecável de Angelina Jolie, o filme faz por merecer as indicações a Melhor Atriz, Fotografia e Direção de Arte e não seria surpresa ver Clint entre os diretores, porém, assim como sua formidável atuação em Gran Torino, o astro foi solenemente ignorado pela Academia no ano em que O Curioso Caso de Benjamin Button aponta como franco favorito.

Há tempos Angelina Jolie não impressionava pelo aspecto dramático, com quem fez as pazes em A Troca. Imbuída de todo o sentimento maternal que esbanja com sua legião de filhos, ela conseguiu entregar grande dignidade à reconstrução de Christine Collins, um ícone da luta pelos direitos civis aqui em Los Angeles. Diferente das militantes de Iron Jawed Angels, com Hilary Swank Frances O´Connor, a personagem de Jolie é uma mãe desesperada na década de 20, numa Los Angeles ainda comandada por policiais corruptos e, em sua maioria, incompetentes. É aquela realidade de Los Angeles - Cidade Proibida, mas sem Russell Crowe para salvar o dia.

O filho de Christine desapareceu e a polícia pouco faz para encontrá-lo. Meses mais tarde, um garoto é encontrado e o comando da polícia acredita ser o pequeno Walter Collins. Mas eles estavam errados. Christine reconhece o engano imediatamente, mas a polícia não pode arcar com o erro e a inevitável crítica da opinião pública. Começava aí um drama maior ainda na vida dessa mulher que, depois de perder o filho, vê um estranho em sua casa. O machismo exacerbado daquela época impedia que uma mulher contestasse as autoridades.

Se o inferno com a perda do filho era horrível, o que dizer de uma instituição médica especializada em "silenciar" mulheres que se recusavam a aceitar as agressões e humilhações de uma polícia corrupta e incapaz? A Troca é um soco no estômago de quem reclama da vida nos dias de hoje, afinal, mesmo na Los Angeles dos anos 20, ainda existia uma situação de semiservidão social aberta.

O visual das mulheres da época caiu como uma luva para Angelina Jolie que consegue se manter bonita e estilosa, enquanto demonstra grande capacidade dramática e intensa. O espectador não pensa duas vezes antes de se envolver na trama e, claro, de compartilhar a dor da personagem. Clint fez valer sua experiência, com extremo bom gosto ao compor esse longa-metragem, sem exageros e com a tranquilidade necessária para que a história se desenrolasse.

Toda a incompetência policial, porém, tem uma exceção no papel de Michel Kelly, um investigador especializado em crianças desaparecidas, que descobre um caso hediondo e histórico para a Califórnia. É o último elemento que compõe a triste história de Christine Collins. Kelly contribuiu fantasticamente para o filme e, dadas as proporções, de maneira até mais efetiva que o reverendo engajado na luta contra a corrupção policial, interpretado por John Malkovich.

A Troca marca por sua história impactante e verídica, grandes atuações e uma direção sempre bem vinda de Clint Eastwood que, mesmo ignorado pela Academia, merece destaque na produção de 2008. Tudo é verossímil nesse filme. Clint soube aumentar o nível de emoção sem exagerar, coisa que poucos conseguem hoje em dia. É um filme inesquecível, de beleza particular.


Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentadores erram e dão Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil