Guia da Semana

Anticristo apela para a violência e estética do choque

Novo longa do diretor dinamarquês revela incapacidade de aprofundar o tema da culpa católica

A experiência de assistir a Anticristo é chocante. Assim como em Dançando no Escuro e Dogville, o diretor Lars von Trier, famoso por levar os atores ao limite da estafa psicológica, parece ter o mesmo objetivo com os espectadores - submetê-los ao sofrimento. Porém, seu mais recente lançamento não apresenta o experimentalismo estético que foi o grande trunfo das produções anteriores.

Ninfomaníaca Parte 1: assista sem medo
Lars Von Trier não perde a chance de entrar em uma polêmica

O filme também destoa da proposta do Dogma 95, um dos únicos movimentos do cinema contemporâneo, responsável por tornar o diretor conhecido internacionalmente. Longe do engajamento de revelar o real e negar os efeitos especiais, que marcaram a produção de Os Idiotas, o cineasta dinamarquês mescla cenas realistas com o uso de artifícios visuais e fotografia estetizada em Anticristo

Já no prólogo, que inicia o filme, há uma cena de sexo hiperestilizada, em preto e branco e câmera lenta, ao som da ária da ópera Rinaldo de Handel. Enquanto o casal tem a relação sexual, seu filho cai da janela do quarto e morre, gerando um processo enlouquecedor de luto e intensa culpa na mãe, interpretada por Charlotte Gainsbourg. Na tentativa de ajudar a mulher, o racional e arrogante psicanalista, vivido por Willem Dafoe, resolve forçá-la a enfrentar seus medos. Para isso, os dois vão para o Éden, casa isolada na floresta onde ela passou o último verão com o filho escrevendo sua tese sobre o feminicídio.  

A trama, rica em simbologias, é um embate entre misticismo, filosofia, história, psicanálise e cristianismo. Vale lembrar que o título do filme é o mesmo do livro em que Nietzsche realiza contundente crítica a moral cristã. No final, esta moral, a violência e a misoginia se impõem soberanas, levando a personagem a interiorizar uma espécie de natureza feminina maligna, justificativa usada historicamente para o assassinato de milhares de mulheres. O ato final do marido também reforça os valores desta sociedade preconceituosa e moralista.     

Porém, todos estes questionamentos são reduzidos no momento em que o longa adere a estética do choque gerada por um certo registro hiperbólico da violência. Durante as crises de depressão e ansiedade decorrentes do luto, a mulher usa o sexo e a violência como forma de punição. Este processo chega ao ápice quando a personagem, em transe, comete atos bárbaros, chegando a perfurar a perna do marido com uma barra de ferro e cortar o próprio clitóris. O grau de violência explícita e sadismo dessas cenas, similar ao de Jogos Mortais, fazem o filme passar do drama psicológico ao terror realista. 



O uso estetizado da violência em Anticristo torna-se bastante evidente na comparação com A Professora de Piano, de Michael Haneke, e Gritos e Sussurros, de Ingmar Bergmar, longas que também abordam a repressão sexual feminina. Em ambos, mulheres realizam mutilações genitais, mas a força das cenas não é consequência do uso do primeiríssimo plano no corte, como acredita Lars von Trier. Haneke, inclusive, discute a violência em vários de seus filmes, como é o caso de Violência Gratuita, crítica contundente ao uso indiscriminado deste recurso no audiovisual.

Para aqueles que acreditam nas declarações em que o diretor dinamarquês afirma ter realizado o longa como forma de expurgar os demônios de uma fase depressiva, a violência estremada e a sensação de caos que ronda a trama se justificam. Se a terapia funcionou, resta esperar que Lars Von Trier deixe o caminho fácil do choque e retome a linha do experimentalismo estético em suas próximas produções.

Atualizado em 14 Jan 2014.

Por Cyntia Calhado
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017

Cahiers du Cinéma elege os melhores filmes de 2016

O brasileiro "Aquarius" aparece em quarto lugar na lista