Guia da Semana

Cinema latino

Colunista escreve sobre A Teta Assustada, longa peruano dirigido por Claudia Llosa

Filme peruano vencedor do Urso de Ouro em Berlim nesse ano, A Teta Assustada é uma obra interessante assinada pela diretora Claudia Llosa. O filme se apresenta como uma fábula da vida de Fausta (Magaly Solier), a garota que "herdou", através do leite materno, um medo incontrolável de ser estuprada como a mãe, e daí o nome do filme. Esse estigma, que determina a personalidade da personagem, faz parte de um misticismo indígena real da zona rural peruana.

Fausta leva uma vida pobre, nas favelas de Lima e logo no início a trama ganha elementos surreais ao sabermos, após a morte dessa mãe, que era objeto de devoção da filha, que ela mantém uma batata em sua vagina como garantia de não ser violada.

É nesse momento que nos vemos diante do drama que a diretora quer contar, e isso é apresentado de maneira muito habilidosa. Ao invés de se apegar simplesmente ao fato dos estupros praticados pelo grupo terrorista Sendero Luminoso nos anos 1980, Claudia Llosa encontra no fato o semi-argumento para discutir a situação atual de seu país e relacioná-lo às mazelas sofridas.

Quando isso fica devidamente apresentado, podemos nos concentrar na maneira como a iluminação é utilizada ao longo da projeção. A ausência da luz pontua o filme, dita a narrativa, e confere à personagem uma variedade de feições, alternando a maneira como a compreendemos suas expressões em closes do rosto da errática heroína. Essa estética crua e sem requintes alcançada através do bom uso da matéria prima do cinema, poderia servir de exemplo a algumas produções brasileiras, bem como os planos-sequências com a câmera estática que faz com que o filme respire.

A Teta Assustada não é um filme primoroso e seu roteiro é um tanto confuso e óbvio em alguns momentos, principalmente quando Fausta estabelece a relação com a pianista Aída (Susi Sánchez), quando trabalha como empregada em sua casa para conseguir pagar um enterro digno à mãe, fato que é o principal fio-condutor da história, mas que se perde diante de tantos elementos, tanto de ordem sócio-cultural quanto de cunho individual, que são despejados na narrativa. Em certo momento não sabemos se aguardamos o êxodo nessa investida ou se torcemos pela descoberta de um novo rumo na vida de Fausta. Porém, levando em conta a juventude da diretora (32), e o fato do filme ser a única produção de longa-metragem peruana no ano de 2009, a simpatia com o filme aumenta.

Quem é o colunista: jornalista e escritor, seu primeiro romance, Furta-cor, foi lançado em 2006.

O que faz: editor da revista de cinema PLANO B - o cinema impresso.

Pecado gastronômico: parmesão.

Melhor lugar do mundo: Positano.

Melhor filme que já assistiu: nós que nos amávamos tanto.

Fale com ele: e-mail: iacocca@revistaplanob.com ou acesse seu site.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas