Guia da Semana

Conheça o CineMaterna

Saiba como surgiu e como funciona o projeto que leva mães e bebês aos cinemas de todo o país

O ano era 2008. O dono do (então) Espaço Unibanco Augusta, em São Paulo, não conseguia parar de rir. “Como assim, vocês querem organizar uma sessão para mães e filhos?”. O empresário não entendia como aquelas mulheres podiam desejar uma sessão de cinema cheia de bebês chorando, com luzes acesas e um trocador dentro da sala. Diante de seus olhos incrédulos, nascia o CineMaterna.

+ Confira a programação do Cine Materna em São Paulo
+ Veja os filmes em cartaz nos cinemas
+ Conheça 25 filmes para se acabar de chorar

Taís Viana e Irene Nagashima, fundadoras do projeto, não se importavam com o choro dos filhos de suas vizinhas de poltrona – elas só queriam ter a chance de ir ao cinema, como sempre fizeram antes de serem mães. “Mães de primeira viagem têm muita dificuldade para simplesmente deixarem o filho em casa e irem se divertir. Mas elas também querem sair e manter suas rotinas culturais!”, explica Taís, engenheira química.

A solução, no início, foi reunir um pequeno grupo de mães numa mesma sessão, no horário mais vazio, para que uma apoiasse a outra nessa aventura subversiva. “A sensação era de que podiam nos expulsar a qualquer momento!”, conta a fundadora, entre risadas.

Os problemas para as mães no cinema iam além do choro e, logo, as duas perceberam que seria preciso organizar uma sessão diferente. Entrou em cena o trocador (dentro da sala, à frente da tela), as fraldas, os brinquedos, a iluminação baixa e o ar condicionado reduzido.

Surpreendentemente, o CineMaterna não encontrou resistência das redes exibidoras: ele teria suas condições e, em troca, ocuparia sessões normalmente esquecidas pelo público, pelo valor regular da entrada.

Hoje, o projeto atende 32 cidades em 15 estados e trabalha com 10 redes de cinema, com novos espaços estreando a cada mês. “Todo ano falamos que já temos o suficiente, já crescemos o que tínhamos que crescer... Mas a verdade é que ainda há muita procura e muito trabalho pela frente”, admite Taís, que, mãe de uma pequena cinéfila de seis anos, ainda frequenta algumas sessões para ver como outras mães estão aproveitando o cinema.

O perfil de quem frequenta o CineMaterna é bastante feminino: mesmo com acompanhantes liberados, o comum é que as mães tragam irmãs, suas mães e outros filhos, ao invés dos maridos. Os filmes são escolhidos por elas, pelo site do projeto, e têm um padrão interessante: jamais são violentos ou tristes demais. “Nessa fase, as mulheres estão com os hormônios a mil!”, explica Taís. Os longas são sempre atuais (os mesmos que estão em cartaz) e adultos – afinal, quem vai assistir é a mãe, não o bebê.

Após as sessões, há sempre um encontro num café próximo para que as mulheres se conheçam e possam conversar sobre – oras – bebês, é claro. Como no início, quando Taís e Irene se juntaram para enfrentar o medo de ir ao cinema com seus filhos, o que realmente conta é a segurança, o acolhimento, é sentir-se em casa.

Para garantir que outras mães sintam-se assim em cidades distantes, o projeto recruta colaboradoras. São mães uniformizadas que organizam as salas, acompanham o grupo nas sessões marcadas e depois o conduzem para o café. Tudo é baseado na cumplicidade, na confiança, e não é raro que se formem grandes amizades.

Nesta quarta-feira, dia 19, o CineMaterna inaugura mais uma sala para as mães cariocas: às 14h, o Cinesystem do Recreio Shopping exibirá “A Menina que Roubava Livros”. As 50 primeiras mães que se apresentarem com filhos de até 18 meses ganharão ingressos gratuitos. Para conferir a programação completa, acesse o site http://www.cinematerna.org.br.

Atualizado em 19 Fev 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Remake de "Rei Arthur" ganha novo trailer ao som de Led Zeppelin

Com direção de Guy Ritchie, longa chega aos cinema de maio

Emma Watson aparece cantando em novo vídeo de "A Bela e a Fera"

Atriz interpreta a canção "Belle", uma das primeiras do filme

Novos comerciais de "A Bela e a Fera" mostram cenas inéditas do filme

Live-action chega ao Brasil no dia 16 de março

Waiting for B. - documentário revela a rotina dos fãs que acamparam para ver show da Beyoncé

Filme integra a programação da Sessão Vitrine e estreia no dia 2 de março

15 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em março de 2017

“A Bela e A Fera”, “Logan” e “Vigilante do Amanhã” estão entre as estreias do mês

"Mulher-Maravilha" ganha coleção de colecionáveis pela Funko

Lançamento vem para entrar no clima do novo filme da heroína