Guia da Semana

Contra o tempo

A tática de fazer o espectador acompanhar as descobertas do protagonista funciona - o público acaba se identificando com ele

Foto: Divulgação


Quando vemos Jake Gyllenhaal pela primeira vez em Contra o Tempo, sabemos tanto quanto ele a respeito da situação. Ele acorda em um trem a caminho de Chicago, abre os olhos e uma mulher à sua frente o reconhece. Ela o chama de Sean. Ele não é Sean, afirma, seu nome é Colter Steven, capitão do exército e piloto de helicóptero em missão no Afeganistão. Ele não sabe o que faz naquele trem, nem nós. Ele não sabe quem é aquela moça que parece ter tanta intimidade com o tal Sean, nem nós. Alguns minutos depois, o trem explode, matando a todos (inclusive ele mesmo), e Sean/Colter acorda no que parece ser uma cápsula, ainda mais perdido que no início.

Ao longo do filme, Gyllenhaal (de O Segredo de Brokeback Mountain e Príncipe da Pérsia) vai descobrindo o que está acontecendo: ele é parte de um programa chamado Código Fonte (daí o nome original do filme, Source Code), que, por meio de uma projeção mental, ele ocupa o corpo de outro homem em seus oito minutos finais de vida, no caso, do tal Sean. A finalidade? Descobrir quem plantou uma bomba no tal trem para evitar um segundo ataque que ocorrerá dali a algumas horas.

Tudo parece meio mirabolante demais, mas flui de forma impecável. Sean/Colter não sabe onde está quando não está dentro da projeção. Como acontece nas representações, ele acredita que aquilo é real e, em determinado momento, se empenhará em, além de encontrar o terrorista, salvar os passageiros do trem, mesmo tendo ouvido repetidas vezes que, ali, ele não consegue alterar o passado e nem os eventos seguintes. Mais e mais vezes ele volta ao trem - uma vez é sempre diferente da anterior, para cumprir sua missão. Seu único contato inicial fora da cápsula (no que parece ser o mundo real) é outra oficial, Goodwin, interpretada praticamente só com o rosto por Vera Farmiga (do ótimo Amor Sem Escalas). É ela quem o situa parcialmente com relação ao que está acontecendo, explica-lhe que o trem é apenas uma projeção, um programa de computador onde ele é introduzido para descobrir quem pôs a bomba no trem e que nada ali pode ser alterado. Por mais que ele tente, todos os passageiros ainda vão morrer e a bomba ainda vai explodir.

Manter o espectador tão perdido quanto o protagonista é uma tática das mais eficientes e nos prende à tela de maneira extremamente eficaz. Nós nos identificamos com ele, com a confusão, sabemos tanto quanto ele o tempo todo, vamos descobrindo juntos. Com ótimas cenas de ação, ritmo certo e um roteiro criativo e inteligente, o segundo filme de Duncan Jones (filho de David Bowie e diretor de Lunar) é uma grata surpresa no meio de tantos filmes de ação acéfalos que vemos por aí. Prova de que inteligência, criatividade e efeitos podem andar de mãos dadas. É pena que o filme tenha sido adiado para estrear no Brasil (de 8 de abril passou para 17 de junho, depois para 29 de julho e agora está previsto para 30 de setembro), enquanto lá fora já saiu em DVD e blu ray.

Leia  as colunas anteriores de Flávio St Jayme:

Passeio em Curitiba

Meia Noite em Paris

Carros 2

Quem é o colunista: Flávio St Jayme.

O que faz: Pedagogo de formação, historiador de Arte, empresário de profissão, artista plástico e escritor de realização, cinéfilo e blogueiro de paixão.

Pecado gastronômico: Batata frita, Coca Cola e empanados em geral.

Melhor lugar do mundo: Aquele onde a gente quer chegar. E a gente sempre vai querer chegar em algum lugar.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Sempre: Ludov, Matchbox Twenty, Maroon Five, Jay Vaquer, Belle & Sebastian, Coldplay, Robbie Williams, Pato Fu, Irreveresíveis, Glee, trilhas de filmes.

Para falar com ele: flavio.stj@gmail.com, ou siga seu blog, Twitter e Facebook.


 





Atualizado em 1 Dez 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas