Guia da Semana

Crítica: “A Floresta Que Se Move” transforma Macbeth em ótimo suspense atual, mas falta naturalidade aos diálogos

Ana Paula Arósio é Lady Macbeth na interpretação contemporânea da peça de Shakespeare

O cinema nacional tem mudado muito. Os temas parecem mais livres e, cada vez mais, universais. Até que enfim. A técnica está vivendo uma fase muito necessária de experimentação e profissionalização: as câmeras se movem com mais segurança, a luz participa da cena, tudo dialoga com mais suavidade e personalidade. Dá gosto de ver. Mas há um problema que teima em se repetir: a atuação excessivamente didática, herança das novelas. Sabem aquelas falas que parecem estar sendo lidas ou declamadas, que jamais seriam ditas daquela forma na vida real, muito menos pelos personagens a quem pertencem? Pois é, elas persistem.

Em “A Floresta Que Se Move”, novo filme de Vinícius Coimbra, esse problema impede que a obra tenha o impacto que merece. Inspirado livremente em “Macbeth”, de Shakespeare, o longa conta a história de um gerente de banco chamado Elias (Gabriel Braga Nunes) que, após ouvir uma profecia, é tomado pela ganância e, incentivado pela esposa Clara (Ana Paula Arósio), comete um assassinato.

A obra consegue criar tensão e encantar os olhos com uma fotografia expressiva e cenas bem pensadas, tão simbólicas quanto bonitas. Elias e Clara são ambiciosos como Macbeth e sua Lady, mas amadores na arte de matar. Os dois atores capricham na interpretação com olhos e corpo e embalam o público com suas transformações emocionais, mas deixam a desejar na naturalidade da fala, como a maior parte dos coadjuvantes.

Não que o roteiro utilize as frases originais do dramaturgo, longe disso: são as conversas do dia-a-dia que soam falsas – entre quaisquer personagens. A única exceção é a participação especial de Emiliano Queiroz, que surge na tela quando menos se espera e recita Shakespeare como se ninguém estivesse olhando. A questão é que estamos todos olhando, e nos perguntando por que os outros atores não fazem como ele.

“A Floresta Que Se Move” foi exibido no Festival do Rio, está em cartaz na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e estreia nos cinemas no dia 5 de novembro. Para quem procura um bom suspense com referências clássicas e um toque nacional, é um filme obrigatório. Mesmo que ainda possa melhorar.

Atualizado em 27 Out 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

5 Motivos para (ir correndo) ver “Guardiões da Galáxia Vol. 2”

Filme chega aos cinemas no dia 25 de abril e já tem ingressos à venda

“Paixão Obsessiva”: suspense trash com Katherine Heigl estreia nesta quinta

Heigl interpreta uma ex-mulher determinada a eliminar a atual

“Paterson” - Adam Driver é um poeta do cotidiano em novo filme de Jim Jarmusch

Filme conta a história de um motorista de ônibus que escreve poemas nas horas vagas

Cinemark exibe “...E O Vento Levou” na próxima terça-feira

“2001: Uma Odisseia no Espaço” e “O Mágico de Oz” serão os próximos clássicos na programação