Guia da Semana

Crítica de Cloverfield - Monstro

Se Correr o Bicho Pega, se ficar o bicho esmaga! Novo filme de J.J. Abrams destrói Manhattan em apenas uma noite!

Por Fábio M. Barreto
De Nova Iorque

Foto: Divulgação

Pegue o estilo de filmagem de A Bruxa de Blair, adicione o conceito de monstro de Godzilla e coloque a criatividade de J.J.Abrams para trabalhar. O resultado disso é Cloverfield - Monstro, que estréia esta semana nos cinemas de todo o país, depois de uma impressionante abertura nas bilheterias americanas com US$ 46 milhões em apenas três dias. Mais que mostrar destruição e correria, o primeiro arrasa-quarteirão do ano tenta provar que os norte-americanos também podem fazer filmes de monstro tão bem quanto os orientais.

Na história, tudo está bem em Nova Iorque, durante a festa de despedida de Rob (Michael Stahl-David), que vai se mudar para o Japão. Hud (o comediante T.J. Miller) está filmando tudo com uma câmera portátil para a posteridade, mas, no meio da festa, as luzes se apagam e tudo treme. Pouco depois, a cabeça da Estátua da Liberdade passa rolando entre os prédios da cidade. Pronto, o monstrengo deu seu cartão de visitas. Daí pra frente, Cloverfield mostra uma seqüência de fugas alucinantes, decisões corajosas e aponta uma nova direção para a maneira como se fazem filmes de monstro em Hollywood.

Convenhamos, criar monstrengos sempre foi coisa que os japoneses fizeram com maestria e até a Coréia do Sul entrou na dança com O Hospedeiro (muito bom, por sinal), contudo os americanos nunca tiveram jeito para a coisa. Godzilla que o diga. Até hoje, o único mostro tipicamente norte-americano a conquistar multidões foi mesmo King Kong, com direito a remake de Peter Jackson e tudo mais. Agora, vemos uma câmera trêmula e insegura nas mãos de um dos personagens, que observa toda a tragédia sem saber ao certo o que está acontecendo - toda a comunicação desaparece, afinal, ninguém vai tentar acessar a internet com um monstro derrubando prédios como uma criança faz com um castelo de cartas?

O constante movimento da câmera, aliás, pode causar tontura em algumas pessoas. Outro ponto de crítica é o monstro em si mesmo, que aparece pouco e tem sido considerado "decepcionante" pelos milhares de internautas que transformaram Cloverfield em fenômeno de expectativa na rede. E é aí que o filme de J.J. Abrams e Matt Reeves, o diretor, corre perigo: ele não é tradicional e usa o monstro apenas como elemento secundário, pois o que vale são as ações e decisões dos personagens. Tudo provocado pela criatura, mas sem focar no que o monstro está fazendo o tempo todo.

Cloverfield - Monstro cumpre o que promete. Mostra uma nova criatura, dá seus sustos e é feito sob medida para o atual perfil de público jovem que adora adrenalina e intensidade, tudo isso embalado por uma divulgação sem precedentes na internet. Ele também promove certa discussão em termos de formatos de se fazer cinema em Hollywood - que já está cansada dos mesmos filmes e de estruturas semelhantes. Afinal, até quando queremos ver a história de amor em meio à tragédia e o final feliz com trilha sonora do Kenny G? Pode ser a hora de mudar e esse monstrinho mostra um caminho.

A continuação já está nos planos da Paramount e já existem até idéias para o roteiro, como mostra a entrevista exclusiva com o diretor Matt Reeves, que falou ao Guia da Semana, em Nova Iorque no dia da estréia do filme. Clique aqui e confira!

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Robert Downey Jr. será "Doutor Dolittle" em novo filme do personagem

"The Voyage of Doctor Dolittle" ainda não tem data de estreia

Novo “Power Rangers” equilibra nostalgia e modernidade e foca no público adolescente

Filme aposta no desenvolvimento dos personagens e trabalha a diversidade

"A Bela e a Fera" é a maior estreia do ano - e a sétima da história dos EUA!

Filme estreou na última quinta-feira soma faturamento de US$ 350 mi ao redor do mundo

“T2 Trainspotting” – como o original, sequência também é um espelho do seu tempo

Longa se passa 20 anos depois do clássico e traz de volta o mesmo elenco

"Viva - a Vida é uma Festa", nova animação da Pixar, ganha primeiro trailer

Com dublagem de Gael García Bernal, filme estreia em janeiro de 2018

A Bela e A Fera, antes e depois: comparamos o filme de 2017 com o clássico de 1991

Produções são quase idênticas na trama, mas detalhes fazem a diferença