Guia da Semana

Crítica: envolvente, “Jogo do Dinheiro” tem alma hollywoodiana e uma consciência crítica

Filme de Jodie Foster chega aos cinemas no dia 26 de maio

O mercado financeiro e seus segredos parecem ter se tornado os vilões da vez em Hollywood. Depois de “O Lobo de Wall Street” (2013) exaltar o clichê do “investidor-ladrão-vida-boa” e de “A Grande Aposta” (2015) ridicularizar os bancos e jogar uma luz (mesmo que difusa) sobre a bolha imobiliária americana, é a vez de Jodie Foster abocanhar o tema com um pouco mais de tensão hollywoodiana em “Jogo do Dinheiro”.

Em seu quarto trabalho como diretora, Foster é uma das poucas mulheres a figurarem na seleção oficial do Festival de Cannes deste ano e é a única entre os nove diretores na categoria “fora de competição”, ao lado de nomes como Steven Spielberg e Woody Allen. Desta vez, ela não atua no filme.

George Clooney e Julia Roberts – sempre carismáticos – são os protagonistas do drama, ao lado de Jack O’Connell (“Invencível”), Giancarlo Esposito (“Breaking Bad”) e Caitriona Balfe (“Truque de Mestre”). Clooney interpreta Lee Gates, um apresentador de TV que comanda um programa popular sobre investimentos chamado “Money Monster” (que é o título original do filme), e Roberts interpreta Patty Fenn, sua diretora.

Durante uma transmissão ao vivo, um jovem chamado Kyle Budwell (O’Connell) invade o estúdio e faz Gates de refém, acusando-o de ter recomendado um investimento ruim, que fez milhares de pessoas perderem seu dinheiro. Proibidos de cortarem o sinal, Patty, Lee e alguns membros mais valentes da equipe de filmagem decidem lidar com a situação fazendo o que fazem de melhor: transformando aquilo num show.

“Jogo do Dinheiro” consegue encontrar o equilíbrio exato entre crítica social e fantasia, provocando o público ao mesmo tempo em que o embala numa ação empolgante. O filme simplifica bastante os conceitos econômicos e não escapa de eleger um grande empresário como o vilão caricato, mas, nos diálogos e nas entrelinhas, surgem reflexões honestas sobre a imaterialidade do dinheiro, a facilidade de manipulação do mercado, cujos detalhes técnicos são inacessíveis à maioria das pessoas, e a distorção do jornalismo enquanto entretenimento.

Esse último tema, talvez, seja o que traz mais frescor à discussão. Em certo ponto, a personagem de Roberts admite que seu programa “não é jornalismo”, levantando uma questão bastante atual sobre a função da mídia de massa numa crise como a americana e – por que não? – como a brasileira. De um lado, veículos populares têm a capacidade de transmitir informações a uma multidão; mas, de outro, não serão populares se não tratarem a informação como um produto, escolhendo o que é mais atraente (e não necessariamente relevante) para o consumidor.

Outro ponto polêmico é a escolha de Patty por transmitir e manipular uma situação real de perigo, após a invasão de Kyle. Seria isso jornalismo, entretenimento ou uma fusão dos dois? O público parece não se importar com a diferença.

“Jogo do Dinheiro” chega aos cinemas no dia 26 de maio e vai agradar a quem procura um filme impactante, capaz de manter a tensão do começo ao fim e, de quebra, ainda fazer pensar. Imperdível.

 

Confira mais dicas de cinema:

Gostou? Veja todos os vídeos: youtube.com/julianavarellaonline

Atualizado em 27 Mai 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas