Guia da Semana

Crítica: mesmo com Pac Man alienígena, “Pixels” não assume vocação nerd e é aventura esquecível

Filme traz jogos de fliperama dos anos 80 como os vilões de uma guerra interplanetária

Os anos 70 e 80 realmente estão de volta. Depois de uma onda de remakes e sequências tardias, o público de trinta-e-poucos anos está prestes a ver mais um elemento de sua infância reaparecer nos cinemas. “Pixels”, comédia que estreia no dia 23 de julho, transforma a Terra num fliperama a céu aberto e faz de Pac Man, Centopeia e Donkey Kong os principais vilões de um ataque alienígena.

O longa foi inspirado por um curta de mesmo nome de Patrick Jean e é dirigido por Chris Columbus (“Esqueceram de Mim”, “Harry Potter e a Pedra Filosofal”), mas o nome que realmente salta da tela é o do ator Adam Sandler. O filme tem todas as características das comédias habituais do artista (um herói humilde e desacreditado, mas de bom coração, etc.) e, entre todos os protagonistas (o que inclui Kevin James, Josh Gad, Peter Dinklage e Michelle Monaghan), ele é o que ganha mais espaço e prestígio no roteiro.

A provável razão disso é que o principal roteirista, Tim Herlihy, é um colaborador frequente de Sandler. Contando com “Pixels”, já são dez longas juntos desde 1995, incluindo “O Paizão” e “Gente Grande 2”. Para quem não gosta desse tom cômico-sentimental, portanto, fica o aviso.

A história, pelo menos, é bem divertida. Em 1982, uma cápsula da Nasa é enviada ao espaço contendo informações sobre a cultura humana, incluindo imagens de um campeonato de fliperama. A mensagem é mal interpretada e, trinta anos depois, um exército alienígena chega para travar uma guerra contra a Terra, munido de versões gigantes dos personagens daqueles jogos.

O interessante é que a batalha segue as mesmas regras dos video-games: são três rounds e um chefão, e cada duelo tem sua hora marcada. Afinal, os aliens querem destruir a Terra, mas querem fazer isso direito.

Se a premissa é quase irresistível para quem gosta de games e aventuras fantásticas regadas com um humor nonsense, há no mínimo um problema sério com a execução: o filme não dialoga com o seu público. Ou melhor: não admite que seu público (aquele que vai assistir aos trailers e realmente se interessar pela ideia) é tão nerd quanto seus protagonistas, e perde oportunidades preciosas de dialogar com ele.

Atores de Game of Thrones, Senhor dos Anéis e X-Men estão juntos no elenco e isso é simplesmente ignorado. Para piorar, os jogos atuais são generalizados como “violentos e sem regras”, mostrando uma total falta de interesse em compreender o novo público gamer. Já para os jogadores old-school, apenas a sequência inicial será capaz de inspirar alguma nostalgia, já que as batalhas contra os alienígenas têm muito mais ação e efeitos especiais do que estratégia propriamente dita.

Mirando as massas, “Pixels” se afasta da originalidade do curta de Patrick Jean e se torna apenas mais um “filme-família” com as velhas piadas de sempre envolvendo mulheres, gays, militares e presidentes. Ideal para quem não quer pensar muito, mas quer dar algumas risadas com o herói Adam Sandler e seu time de coadjuvantes.

Atualizado em 14 Ago 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentador erra e dá Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil