Guia da Semana

Crítica: “O Conto dos Contos” traz aos cinemas o espírito sangrento dos contos de fadas do século XVII

Filme de Matteo Garrone é baseado no livro Pentamerone, de Giambattista Basile

Contos de fadas nunca foram para crianças. Em “O Conto dos Contos”, Matteo Garrone (“Gomorra”) adapta três histórias do compilado de contos italiano “Pentamerone”, de Giambattista Basile, trazendo aos cinemas o espírito original dos contos tradicionais: narrativas sangrentas com lições duras sobre obsessão, paixão e moral.

Basile pode não ser tão conhecido por aqui quanto Charles Perrault ou os Irmãos Grimm, mas os contos destes dois foram fortemente influenciados pelo autor italiano – incluindo clássicos como “Cinderela” e “Rapunzel”. “O Conto dos Contos” reúne três histórias de “Pentamerone” (“La cerva”, “La pulce” e “La vecchia scorticata”), aproveitando elementos de outros contos e alterando alguns detalhes.

Na primeira, uma rainha (Salma Hayek) sonha em ter um filho e, para isso, aceita a ajuda de um feiticeiro. Depois de comer o coração de um monstro marinho cozinhado por uma virgem, ela e a virgem dão à luz gêmeos, que a rainha tentará manter separados durante toda a vida. Na segunda, um rei obcecado por beleza (Vincent Cassel) persegue a voz de uma velha, acreditando ser uma bela moça. A velha consegue enganar o rei com a ajuda de uma bruxa, mas sua mentira acaba trazendo um preço muito alto.

Na terceira história, um rei (Toby Jones) cria uma pulga até que ela cresça a um tamanho gigantesco e, quando ela morre, expõe sua pele no salão para que os pretendentes de sua filha adivinhem que criatura é aquela. Quem adivinha, porém, é um ogro, e a princesa vai viver com ele nas montanhas.

O filme acerta na escolha do elenco, no ritmo e no visual – que lembra uma sucessão de magníficos quadros renascentistas –, mas se esquece de trabalhar as histórias como um conjunto único e bem amarrado. Pouco relacionadas, as três tramas parecem mais adequadas a uma minissérie e não oferecem o sentimento de completude que se espera de um longa-metragem.

Uma solução seria narrar cada história separadamente, ao invés de intercalá-las como acontece no filme, sugerindo uma ligação que não existe. Outra opção seria escolher uma única história e explorá-la mais profundamente - a primeira, sobre a rainha e seu filho, é de longe a mais cinematográfica e renderia um longa-metragem bastante interessante por si só.

“O Conto dos Contos” foi indicado à Palma de Ouro em 2015 e traz no elenco, além de Hayek, Cassel e Jones, John C. Reilly (“Deus da Carnificina”), Shirley Henderson (a Murta de “Harry Potter”) e Stacy Martin (de “Ninfomaníaca”). Estreia no dia 12 de maio.

 

Confira mais dicas de cinema:

Gostou? Veja todos os vídeos: youtube.com/julianavarellaonline

Atualizado em 12 Mai 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentadores erram e dão Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil