Guia da Semana

Crítica: “Warcraft” tenta quebrar a maldição das adaptações de games com aventura épica e cheia de fantasia

Adaptação de franquia iniciada em 1994 chega aos cinemas no dia 2 de junho

Adaptações de games são um gênero quase amaldiçoado em Hollywood. Poucos, até hoje, conseguiram agradar aos fãs dos jogos, raros foram bem recebidos pela crítica e praticamente nenhum conseguiu os dois. “Warcraft – O Primeiro Encontro de Dois Mundos”, que estreia nesta quinta-feira, não será o primeiro a conquistar essa unanimidade, mas, certamente, será um dos que mais dividirá opiniões.

O longa, dirigido por Duncan Jones, foi gestado por dez anos nos estúdios da Legendary Pictures e resgata uma fantasia há muito subestimada nos cinemas – especialmente em tempos de super-heróis humanizados e volúveis. O filme pode torcer o nariz de quem busca um drama realista, mas, para quem não resiste a um mundo povoado por orcs, grifos, Golens, magos e cavaleiros, será como um mergulho em sua melhor partida de RPG: envolvente e altamente viciante.

O filme narra uma guerra entre orcs, que buscam um novo mundo para habitar, e humanos, que defendem seu próprio território. Para isso, Jones e sua equipe adotam o ponto de vista de alguns indivíduos particulares: do lado dos orcs, acompanhamos Durotan (Toby Kebbell), o chefe de um clã que começa a questionar as consequências da guerra após ver nascer seu primeiro filho; enquanto, do lado dos humanos, vemos Lothar (Travis Fimmel), um comandante que luta para proteger seu rei e que questiona seus aliados após perder um filho.

Mais do que um filme sobre o confronto, “Warcraft” trabalha a origem do conflito, abrindo mão de um enredo mais complexo para concentrar-se na descrição de cada um dos lados: descobrimos como são as estruturas sociais de orcs e humanos, como eles escolhem seus líderes, como se formam seus guardiões, qual é sua relação com a magia e muito mais. Mais importante, conhecemos aqueles que serão os comandantes dos exércitos rivais nos próximos filmes, caso a franquia tenha continuidade.

É preciso lembrar que o longa traz aos cinemas, pela primeira vez e em grande parte para um público leigo, um universo construído desde 1994 em quatro jogos virtuais, muitas extensões, alguns jogos de tabuleiro e uma infinidade de livros. É toda uma mitologia, e não apenas uma história isolada, que precisa ser condensada em pouco mais de duas horas – o que, dadas as devidas proporções, o filme consegue fazer muito bem.

Quanto aos efeitos visuais, é interessante que a aparência dos orcs, de outras criaturas fantásticas e dos cenários fiquem no meio do caminho entre um visual “de cinema” e um visual “de game”. Reforça essa sensação a escolha de perspectivas e ações comuns nos jogos, como um passeio aéreo a bordo de um grifo, um duelo com a câmera atrás do “player 1” ou um encontro com os “sábios” em que é preciso dizer a frase certa para abrir uma porta secreta.

O filme é uma diversão para quem gosta do gênero, mas também tem suas fraquezas. A história, em geral, soa um pouco familiar (especialmente para quem cresceu nos anos 90) e o roteiro escorrega em pontos essenciais: a batalha climática entre orcs e humanos, por exemplo, é travada num momento confuso, quando inimigos maiores estão se revelando, e o público fica sem saber se a luta se deu por acidente ou foi intencional, o que é um problema bem grave.

Além disso, o diretor e os roteiristas tomaram o cuidado de não escolher lados, mas não conseguiram fugir do maniqueísmo ao colocar toda a "culpa" pela guerra numa fumaça mágica - fazendo de orcs e humanos meras vítimas de uma força maligna, e não realmente indivíduos com motivações e convicções conflitantes.

“Warcraft – O Primeiro Encontro de Dois Mundos” chega aos cinemas no dia 2 de junho e pode não ser, ainda, o filme que vai quebrar o “encanto” das adaptações de games - mas talvez seja o início de uma nova febre, muito bem-vinda para quem já estava órfão de mundos mágicos e feitiços. Que venham mais de onde veio este. 

Atualizado em 2 Jun 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Logan” e “A Bela e A Fera” são os filmes mais vistos nos cinemas em 2017; confira os números

Veja o balanço completo das bilheterias mundiais em 2017

15 Filmes que dão uma aula sobre preconceito racial

Títulos como “Moonlight” e “Estrelas Além do Tempo” têm colocado o tema no centro das atenções

Marvel Studios divulga pôsteres incríveis de "Guardiões Galáxia Vol 2"

Filme estreia nos EUA em 27 de abril

10 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em abril

"Joaquim" e "Guardiões da Galáxia Vol. 2" estão entre os destaques do mês

Pennywise está assustador em nova foto de "It: Uma Obra-Prima do Medo"

Adaptação do livro de Stephen King estreia em setembro

Aquaman rouba a cena em novo teaser de "Liga da Justiça"; assista

Filme estreia no dia 16 de novembro