Guia da Semana

De encher olhos e coração

Colunista ficou encantado com a animação Mary e Max - uma amizade diferente


Queria pedir permissão ao leitor antes de escrever sobre esse filme. Quando assisti a Wall-E (2008), animação da Pixar, fiquei em choque. Eu, que já havia assistido aos mais diversos filmes desde os meus áureos 12 anos - e já cinéfilo - fui tocado de forma inimaginável. Wall-E havia unido todos os gêneros do cinema com ritmo e delicadeza impressionantes, abordando temas como solidão, meio ambiente e amor. Achei que uma animação - por mais que elas sempre tragam histórias geniais - jamais me impressionasse como aquela obra-prima. Até que assisti Mary e Max - uma amizade diferente.

Dirigida e roteirizada por Adam Elliot (estreando na direção após ter feito alguns curtas-metragens, como o vencedor do Oscar de Melhor Animação em 2003, com Harvie Krumpet), Mary e Max é uma animação de encher olhos e coração.

Baseado em uma história real, o filme começa em 1976, no subúrbio de Melbourne, na Austrália, contando a história de Mary Dinkle (voz de Bethany Whitmore na infância e Toni Collette na fase adulta), uma menininha gorda e solitária, que sofre com a indiferença da mãe Vera, alcoólatra e depressiva, e do submisso e ausente pai Noel. Criando seu próprio mundo de fantasia, ela adora comer leite condensado e assistir ao seu programa de TV favorito: Os Noblets.

Certo dia, curiosa em saber como nascem os bebês na América - visto que o avô havia lhe dito que, na Austrália, eles nasciam em canecas de cerveja - Mary decide escolher ao acaso o endereço de um americano na lista telefônica e lhe mandar uma carta. Quem recebe no outro continente é o judeu Max Horovitz (voz de Philip Seymour Hoffman), um homem de 44 anos obeso, igualmente solitário e também fã dos Noblets, que mora em Nova Iorque e sofre de um grave problema psicológico, além de ser viciado em cachorro-quente de chocolate. 
 
A partir daí, Mary e Max, duas pessoas com aparentemente nada em comum - mas de gostos e ideias muito peculiares -, começam uma delicada e complicada amizade que dura impressionantes 22 anos. Tocando em temas fortes como solidão, assassinato, abandono, suicídio, política, religião e depressão, Mary e Max - uma amizade diferente tem um ritmo excepcionalmente dinâmico, com uma estética que mistura técnica em stop-motion (aquela de uso de massinha com captação de movimentos dos bonecos) e cenários impressionantemente reais.

Com características físicas e psicológicas minuciosamente bem definidas, Mary e Max - uma amizade diferente é permeado pela melancolia, mas traz momentos hilários, especialmente pela visão que os dois personagens principais têm da vida. Apoiado em uma nostalgia intrínseca de um homem-quase-criança, que observa uma menina-quase-adulta, há uma espécie de retorno à sua infância, igualmente traumática e complexa, misturada com maturidade e inocência que desabrocham em ambas as fases.

 Na estética da predominante cor marrom no mundo de Mary e no preto-e-branco da metrópole nova-iorquina de Max, o humor refinado e inteligente casa com o roteiro sensível que foge da pieguice, com um lirismo intocável. É possível perceber até mesmo as mudanças nas pessoas e nos lugares, com o passar dos anos.

Nessa ajuda mútua que chega ao extremo, Mary e Max vão envelhecendo juntos, acompanhando as mudanças, as tristezas, as dúvidas e as alegrias um do outro. Porém, mesmo sendo tão próximos e tão distantes, essa disparidade da amizade dos dois também gera conflitos por conta da doença ainda desconhecida de Max. E a amizade toma contornos incondicionais entre eles, podendo emocionar até os espectadores menos sensíveis.

Com belíssima trilha sonora de Dale Cornelius, o filme traz detalhes curiosos e imperceptíveis pelas crianças, como o mendigo que troca esmolas por abraços, os cachorros Sonny e Cher e o hippie fumando maconha. Entre cenas esplendorosas (a cena de Mary ao som da canção Que Será, Será é de arrepiar) ao final inesquecível, tomamos uma frase dita pelo judeu Max entre as cartas trocadas: "Deus nos dá a família. Mas graças a Ele, escolhemos nossos amigos".

Leia as colunas anteriores de Leonardo Freitas:

50 anos de cinema

História Judia

Muitas perguntas
 

Quem é o colunista: Um jornalista aficionado por cinema de A a Z.

O que faz: Dono do blog Dial M For Movies.

Pecado gastronômico: Lasanha.

Melhor lugar do Brasil: Qualquer lugar, desde que eu esteja com meus amigos.

Para Falar com ele: leonardo.g.freitas@gmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"

"Guardiões da Galáxia Vol. 2" tem o trailer mais assistido da história da Marvel

Continuação do longa de 2014 chega aos cinemas em abril de 2017

"Sully - O Herói do Rio Hudson" ganha nova data de estreia no Brasil

Filme em que Tom Hanks evita acidente aéreo teve lançamento adiado após tragédia com Chapecoense

Apresentador Jimmy Kimmel comandará o Oscar 2017

Notícia foi confirmada pela revista Variety

Assista à nova prévia de "Tamo Junto", comédia estrelada por Sophie Charlotte

Longa apresenta humor repleto de referências da cultura pop

Bertolucci revela que houve estupro em cena de "Último Tango em Paris" e revolta Hollywood

"Queria sua reação como garota, não como atriz", disse o diretor