Guia da Semana

Diretor e estilista

Um dia na vida de uma pessoa que perdeu um ente querido. Leia a crítica de Direito de Amar


Partir de um pré-conceito, ao assistir ao primeiro filme realizado por um estilista, seria acreditar que ele faria um filme belo. Mas é necessário partir do conceito de que Tom Ford conseguiu a proeza de realizar um belo filme.

Ford é o estilista, cujo trabalho mais renomado foi revitalizar a marca Gucci. Grande nome no mundo da moda, o americano de 47 anos decidiu expandir seu talento e adaptou o romance Direito de Amar de Christopher Isherwood junto com David Scearce. Chamou Colin Firth, um ator de talento, antes relegado a papéis menores e a renomada Julianne Moore para uma pequena, porém brilhante participação. Nascia aí o filme homônimo dirigido, adaptado e produzido por Ford.

A história se passa em 1962, e mostra um dia na vida de George Falconer (Colin Firth), um homossexual que, há oito meses, perdeu o grande amor de sua vida, Jim (Matthew Goode) em um acidente de carro. Acompanhamos, então, a rotina desconcertante desse personagem para suportar um dia em sua vida. Como tem feito desde a morte de Jim após 16 anos de união velada.

Podemos concluir que Direito de Amar traz uma gama de experimentações extraordinárias, desde os planos de câmera, a trilha sonora intensa e melancólica, e a fotografia impecável. Indicado ao Oscar de Melhor Ator neste ano, Colin Firth não levou, mas desempenhou o papel mais importante de sua carreira até o momento.

O modo como criou o professor universitário George é único. Tímido, recatadamente inglês, reservado, educado e metódico até o último fio de cabelo. Por dentro, um turbilhão de emoções, depressivo e prestes a pôr fim à sua vida.

Angustiante do começo ao fim, o longa mostra um personagem em frangalhos, viciado em remédios e bebidas, que vive de pesadelos e recentemente sofreu um infarto. A única coisa que ele espera, ao se levantar, é conseguir sobreviver ao final do dia. Porém, Tom Ford e Colin Firth - criam um personagem que nunca cai na pieguice e no melodrama banal. Acredita-se, sente-se empatia, fica-se tenso durante todo o tempo.

Nos EUA dos anos 60, onde as aparências e a felicidade camufladas relevavam os problemas internos. Nessa alegria triste, George vive um teatro, oculta sofrimentos e sofre calado. Até mesmo para a melhor amiga, Charlotte (Julianne Moore, irretocável como sempre, e com um convincente sotaque britânico) George tenta esconder a dor que sente pela perda de Jim. É quando o jovem aluno Kenny (Nicholas Hoult) se aproxima do professor com sua personalidade inocente, ousada e sensual, dando-lhe margem para um renascimento interior e exterior.

Com flashes do passado, George vai relembrando os momentos passados com a pessoa que mais amava, em uma época em que a homossexualidade pré-Stonewall era velada, passível de prisão. Da fotografia opaca de sua casa, as cores quentes retornam nas lembranças com Jim, com planos que lembram quadros e fotografias, sempre favorecidos pelos reflexos e pelos enquadramentos cuidadosamente calculados. A câmera lenta retrata essa demora do dia, um tic-tac ensurdecedor do relógio e belos momentos de divagação e beleza. O roteiro, inteligente, sexy e filosófico, é ágil, mantendo a linha de pensamento de George Falconer, à qual o filme pertence.

Ford abusa dos closes, das cores, dos planos e das contemplações, porém, mais importante que tudo, não se perde em tais elementos. Tem o timing certo de tirar da beleza a poesia ou a tragédia necessária e não se esvaziar em uma admiração da própria obra.

E vale frisar, todo o talento de Tom Ford não seria suficiente sem o talento de Firth, que criou um personagem sexy, irônico, melancólico e inteligente. O que o define no título original de A Single Man, uma das traduções mais escatológicas que se viu em terras brasileiras. Afinal, "single" pode significar solteiro, avulso, singular, só, simples e singelo. E todos cabem no George Falconer de  Colin Firth.

Leia as colunas anteriores de Leonardo Freitas:

Elas fazem o show

Cinema iraniano
 
Alguém que fez história

Quem é o colunista: Um jornalista aficionado por cinema de A a Z.

O que faz: Dono do blog Dial M For Movies.

Pecado gastronômico: Lasanha.

Melhor lugar do Brasil: Qualquer lugar, desde que eu esteja com meus amigos.

Para Falar com ele: leonardo.g.freitas@gmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip