Guia da Semana

Diretor inglês comanda elenco brasileiro em “Trash – A Esperança Vem do Lixo”

Filme mostra as aventuras de um trio aventureiro contra a polícia e os políticos

Quando o diretor britânico Stephen Daldry anunciou que filmaria seu próximo longa no Brasil, em 2013, a reação instintiva de muitos brasileiros foi desconfiar: afinal, o que esse gringo sabe sobre o nosso país? Pois agora que “Trash – A Esperança Vem do Lixo” se prepara para encerrar o Festival do Rio e estrear em todo o país, já podemos respirar aliviados: ele sabe o bastante.

Um dos segredos de “Trash” é que suas questões não dialogam apenas com a realidade brasileira, apesar de se encaixarem especialmente bem neste momento e neste lugar. O filme, baseado no livro de Andy Mulligan, acompanha as aventuras de três pré-adolescentes que vivem num lixão do Rio de Janeiro e encontram uma carteira, que esconde códigos para a grande fortuna de um político corrupto.

A corrupção é apenas um dos temas abordados por Daldry, que também explora a violência policial, a situação carcerária, o preconceito racial, o lixo e a troca de favores entre políticos e instituições (dando nomes minimamente alterados aos bois, como “ABF” no lugar de “CBF” e “Templo Universal” no lugar de “Igreja Universal”).

É fácil deduzir que o cineasta aprendeu tudo isso com outros filmes: “Tropa de Elite” e “Cidade de Deus” transpiram em cada sequência de “Trash”. Mas há uma atualidade no longa que não soa forçada e que sugere que Daldry fez sua lição-de-casa – incluindo participar de uma manifestação de rua e tomar um banho de gás de pimenta em meio aos protestos de junho.

Mostrando respeito pelo cenário escolhido, o artista escalou atores brasileiros para quase todos os papéis, inclusive para os três protagonistas Rafael (Rickson Tevez), Rato (Gabriel Weinstein) e Gardo (Eduardo Luís). Os garotos não são profissionais e foram escolhidos com a ajuda da produtora brasileira O2, a mesma de “Cidade de Deus”. De estrangeiros, o filme traz apenas dois personagens secundários: uma professora de inglês (Rooney Mara) e um padre (Martin Sheen).

Wagner Moura, cujo rosto estampa o pôster, aparece pouco, mas logo compreendemos sua escolha: marcado por personagens que buscaram a justiça a qualquer custo (mesmo que por meios errados), Moura representa um fio de esperança num país sem lei. Daldry aproveita essa ideia e o fato de o ator ser conhecido fora do Brasil, mas não se apoia nele para fazer o filme funcionar – pelo contrário, sua presença é apenas uma inspiração para os três heróis mirins.

Quem ganha destaque é Selton Mello, no papel do policial truculento Frederico. Outros nomes conhecidos do público também aparecem, mesmo que por breves instantes: Jesuíta Barbosa, André Ramiro, Nelson Xavier e Gisele Fróes são alguns deles.

O diretor, indicado a três Oscars por “Billy Elliot”, “As Horas” e “O Leitor”, arrisca-se pela primeira vez numa história de aventura, misturando a esperteza infantil de um Tom Sawyer ou de um Harry Potter ao cinema de denúncia tipicamente brasileiro. O resultado é uma mistura interessante de fantasia e realidade, entretenimento e reflexão - maniqueísta como pede Hollywood, mas sem afetação. “Trash”, que estreia nacionalmente no dia 9 de outubro, deve agradar a crianças e adultos, brasileiros ou estrangeiros, sem preconceitos.

Assista se você:

  • Gosta de filmes com crianças aventureiras (que dão um drible nos adultos)
  • Está curioso para ver como ficou o trabalho de um diretor britânico com atores brasileiros
  • Gosta de filmes que denunciam a corrupção política e a violência policial

Não assista se você:

  • Não gosta de filmes em que os protagonistas são crianças
  • Está cansado de filmes-denúncia
  • Não gosta da ideia de ver um cineasta estrangeiro filmando no Brasil

Atualizado em 10 Out 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas