Guia da Semana

“Drácula – A História Nunca Contada” apresenta vampiro como um herói de guerra

Nova versão se inspira na história de antigo príncipe da Transilvânia

O mais famoso dos vampiros acaba de ganhar um novo filme, com direito a batalhas épicas, um romance trágico e um exército de morcegos. “Drácula – A História Nunca Contada”, que chega aos cinemas no dia 30 de outubro, tem tudo o que um blockbuster precisa ter, além de uma boa história. É uma pena que, como a maioria dos pipocões, este também escorregue no final.

O Drácula criado por Bram Stoker, assim como o Frankenstein de Mary Shelley, é um personagem vivo no imaginário coletivo. Sua história já foi contada dezenas de vezes no cinema  e sua natureza vampiresca deu origem a uma infinidade de outros personagens bebedores de sangue – uns mais elegantes, outros abomináveis, todos sedutores. Sua origem, porém, não é tão conhecida quanto seus atos.

Stoker teria misturado referências de outros livros da época sobre superstições e seres fantásticos. Também acredita-se que tenha nomeado seu personagem a partir de um príncipe romeno do século XV conhecido como Vlad, O Impalador - um príncipe com métodos cruéis, mas admirado por lutar pela independência de seu povo contra o império turco. Vlad, da casa de Drăculești, também seria conhecido como Drácula.

É dessa inspiração histórica ainda pouco explorada que parte o novo filme, estrelando Luke Evans (“O Hobbit: A Desolação de Smaug”) no papel principal. Reforçam o elenco a doce Sarah Gadon (“O Homem Duplicado”) e o insubstituível Charles Dance (da série “Game of Thrones”).

Evans é Vlad, conhecido justamente como O Impalador por seu passado negro nos campos de batalha. Ele nasceu na Transilvânia, mas foi sequestrado e criado pelos turcos, ao lado do filho do sultão, Mehmed (um personagem histórico também). Quando retorna, assume o trono e inicia um reinado de paz. Isso, até os turcos começarem a desaparecer misteriosamente nas fronteiras da Transilvânia.

Ninguém sabe o que atacou os soldados, exceto o príncipe: ele conheceu a criatura da caverna (Dance) e saiu vivo. Sua sorte não foi por acaso, é claro, e quando a guerra se torna inevitável, Vlad sabe a quem pedir ajuda.

Tanto o diretor, Gary Shore, quanto os roteiristas, Matt Sazama e Burk Sharpless, são estreantes em Hollywood, o que pode explicar algumas falhas gritantes de lógica perto do final. O resultado, porém, não soa amador, mas sim fresco e honesto – é um filme para a família, cheio de ação e melodrama, sem pretensões filosóficas sobre a vida eterna. Diversão para o fim de semana.

Assista se você:

  • Quer ver um filme de fantasia com bastante ação
  • Gosta de filmes sobre guerras e impérios
  • Quer ver uma interpretação mais romântica e menos sombria da história do Drácula

Não assista se você:

  • Acha que essas releituras atuais estragam os clássicos
  • Não gosta de filmes sobre guerras e impérios
  • Espera ver um filme sinistro 

Atualizado em 23 Out 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip

Cinema nacional tem crescimento expressivo em 2016

Filmes brasileiros atraíram 30,4 milhões de espectadores no último ano

"La La Land" ganha vídeo em versão 8-Bit e você precisa assistir!

Com 14 indicações, musical é a grande apostar do Oscar 2017

Filmes com mulheres protagonistas em Hollywood bate recorde em 2016

Estudo mostra que 29% dos filmes com maiores bilheterias foram estrelados por mulheres