Guia da Semana

Elas fazem o show

Musical inspirado em obra de Federico Fellini aposta em elenco estelar e ritmo frenético

Foto: imdb.com

Quando perguntado, em 1963, qual era o nome do nono filme que estava rodando, o diretor italiano Federico Fellini (1920-1993), ainda sem um título escolhido, respondeu ironicamente: Chama-se 8 ½. E assim ficou. O longa, que conta a história de um diretor em crise, interpretado por Marcello Mastroianni e as mulheres que o rodeiam, trazia a exuberante Claudia Cardinale e tornou-se um dos mais cultuados do cineasta.

Quarenta e sete anos depois, o diretor Rob Marshall (do premiado Chicago) baseou-se em uma peça da Broadway dos anos 80 (que se baseia no longa de Fellini) e lança Nine, que conta com roteiro de Michael Tolkin ( Impacto Profundo) e do diretor Anthony Minghella ( O Paciente Inglês), falecido em 2008.

Com elenco estelar, o musical conta a história de Guido Contini (Daniel Day Lewis, que definitivamente não nasceu para musicais) como um diretor italiano em crise. Sem ideia de como escrever o roteiro de seu próximo filme - chamado Itália - ele encena uma falsa confiança diante da imprensa enquanto revisita as mulheres de sua vida: a mãe (Sophia Loren), a esposa Luisa (Marion Cotillard), a amante Carla (Penélope Cruz), a atriz-musa Claudia (Nicole Kidman), a melhor amiga Lilli (Judi Dench), a fã Stephanie (Kate Hudson) e a prostituta Saraghina (a cantora Fergie).

Passado em 1965 (mesma época do filme de Fellini), Guido vai relembrando - e encontrando - as mulheres de sua vida (exceto pela mãe e pela prostituta, que mexia com os hormônios dele e dos amigos quando criança, já mortas). Aos poucos elas vão lhe inspirando e trazendo sua criatividade volta.

Com personagens pouco trabalhados - e que desfilam números de canto e dança - Nine pode não agradar pelos cortes incessantes que prejudicam as coreografias, porém mantém um ritmo frenético, com belo uso das cores e luzes, criando uma fotografia esplendorosa.

Além disso, a presença das beldades Cruz, Kidman, Hudson e Cotillard, esta última com a personagem mais interessante e que é interpretada pela atriz francesa de maneira esplendorosa. Vale lembrar que Cotillard levou o Oscar de Melhor Atriz por Piaf - Um Hino ao Amor, 2007. Como a dedicada esposa de Guido, ela tem um desempenho emocionante e delicado, surpreendendo em canções de um inglês impecável.

Porém, resta às demais atrizes renderem-se aos clichês de suas personagens, como a mãe adorada (Loren, em bela, porém curta, homenagem em uma cena lúdica e nostálgica), a amante voluptuosa e espevitada (Cruz, esbanjando sensualidade) e a musa (Kidman, em papel minúsculo e claramente dedicado à Claudia Cardinale, musa do italiano Fellini).

Todas cantam - inclusive Dench, em uma canção que mistura inglês e francês, e Hudson, cada vez mais parecida com a mãe Goldie Hawn e que não decepciona com a empolgante canção Cinema Italiano. Porém, a voz - como não poderia ser diferente - pertence a Fergie, que interpreta a prostituta, soltando seu vozeirão em um dos números mais empolgantes do filme, com a canção Be Italian.

Mas Nine, mesmo com seu prólogo interessante - com breve amostra das mulheres que veremos no longa - e seu ritmo frenético, não possui a mesma qualidade de Chicago. Músicas menos atraentes e, claro, a participação de Daniel Day Lewis, que força um sotaque italiano sofrível e não sabe cantar nem dançar. Mas quando a arte imita a própria arte, temos um epílogo em que a arte imita a vida, em um ciclo infinito. Afinal, como já aprendemos em Chicago, não importam os problemas, pois o show tem que continuar.

Quem é o colunista: Um jornalista aficionado por cinema de A a Z.

O que faz: Dono do blog Dial M For Movies.

Pecado gastronômico: Lasanha.

Melhor lugar do Brasil: Qualquer lugar, desde que eu esteja com meus amigos.

Para Falar com ele: leonardo.g.freitas@gmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentador erra e dá Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil