Guia da Semana

Elza

Haroldo Costa, Paulinho da Viola, Caetano Veloso e Maria Bethânia ajudam a contar a história da vida de um dos mitos da música brasileira

Foto: Divulgação


Quem espera chegar ao cinema para assistir ao documentário Elza e se derreter em lágrimas, pode esquecer. Diferente da trajetória sofrida da mulher nascida no morro que se casou e foi mãe aos 12 anos, ficou viúva aos 18, sofreu com a morte de dois filhos e enfrentou ostracismo e racismo de uma sociedade ao se envolver com o jogador de futebol Garrincha, Elza não fala de tristeza. Assim como a cantora, o documentário veio para cantar.

Dirigido pela dupla Izabel Jaguaribe (que já havia sido responsável pelo documentário Paulinho da Viola - Meu Tempo É Hoje) e Ernesto Baldan, o filme pode ser considerado não uma biografia, mas, sim, uma espécie de musicografia - com perdão do neologismo. Nele, a cantora carioca de 73 anos desfila pela tela ao mesmo tempo que é elogiada por diversas personalidades da música brasileira, que contam sua história a partir de lembranças e famosos "causos".


De nomes como o cantor e compositor Moreira da Silva, o escritor e ator Haroldo Costa, passando por declarações do antropólogo Hermano Viana (irmão de Herbert Viana, líder do Paralamas do Sucesso), até a presença dos músicos José Miguel Wisnik e João de Aquino, o filme traz astros da música brasileira como Paulinho da Viola, Caetano Veloso, Maria Bethânia e Mart`nália, rasgando seda sobre aquela que eles consideram uma das maiores vozes do país.


E não é pra menos: afinal, escolhida como a Voz do Milênio pela BBC de Londres, Elza Soares tornou-se uma cantora de diversidade sonora ilimitada. Do samba ao jazz, do samba-canção ao choro, e até fortes passadas pela música romântica, para ela o improviso é a grande alma que lhe dá voz. Ou a voz que lhe dá alma. O espectador escolhe.


Com seu primeiro grande sucesso, Se Acaso Você Chegasse, Elza desceu do morro, passou pelo preconceito e deu sua inigualável rouquidão às multidões, aliada ao jeito malandro, uma espécie de ginga da maloca, características que não perdeu ao longo do tempo. E, sem intenção alguma de abandonar os palcos, encarna com força e talento a mulher negra brasileira. Como cita Bethânia, "Elza representa a aristocracia do morro".


A propósito, Bethânia é uma das vozes que firmam parceria em Elza. O filme, mais do que um retrato, é uma espécie de roda de samba, uma mesa de boteco, onde amigos se reúnem em louvor a um dos maiores ícones da música brasileira. De canções como Lama, de Arrigo Barnabé, Flor e Espinho, de Benito di Paula, Rosa Morena, de Dorival Caymmi, Sei Lá Mangueira, de Paulinho da Viola e Hermínio Bello de Carvalho, É Luxo Só, de Ary Barroso e Luiz Peixoto, e até mesmo a inesquecível Samba da Bênção, de Vinicius de Moraes, é a voz de Elza que ecoa em uma tela preenchida por sua eletrizante presença. 


De parcerias emocionantes (com Caetano ao cantar e chorar com Dor de Cotovelo), passando pela catártica e longa união com Bethânia, até a deliciosa voz de veludo de Paulinho da Viola com a fúria de Elza, acompanhamos ainda um mix de sucessos de Jorge Ben Jor em uma parceria marcante. Ousada e bem-humorada, Elza Soares oferece momentos memoráveis, quando conta que decidiu ser prostituta após uma ingenuidade juvenil e de onde surgiu seu gemido rouco tão marcantes em suas canções.


Nesta dura descriminalização do samba com o longo passar dos anos, Elza fez parte desta evolução do ritmo, do movimento, do improviso, em uma reinvenção quase inconsciente em que, para ela, "até o sério deve ser louco". Ousada, pobre, negra, guerreira, cantora, mãe, mulher, mito. Enfim, apenas Elza, como diz o título do documentário.

Leia as colunas anteriores de Leonardo Freitas:

Biutiful

O Mágico

Amor e outras drogas


Quem é o colunista: Um jornalista aficionado por cinema de A a Z.

O que faz: Dono do blog Dial M For Movies.

Pecado gastronômico: Lasanha.

Melhor lugar do Brasil: Qualquer lugar, desde que eu esteja com meus amigos.

Para falar com ele: leonardo.g.freitas@gmail.com ou o siga no twitter (@leogfreitas)





Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Festival gratuito de cinema francês pode ser visto em qualquer lugar

7ª edição do MyFrenchFilmFestival acontece entre 13 de janeiro e 13 de fevereiro

Sesc Santana exibe óperas europeias na tela de cinema

“A Flauta Mágica” e “Aida” têm exibições em janeiro

10 Filmes sul-coreanos que você precisa conhecer

Filmes como “A Criada” e “Invasão Zumbi” são exemplos do crescimento do cinema comercial no país

Michael Fassbender fala sobre a adaptação de “Assassin’s Creed” para os cinemas

Filme estreia no Brasil no dia 12 de janeiro

Natalie Portman encarna a Sra. Kennedy no pesado e surpreendente “Jackie”

Filme reconta o assassinato do presidente americano sob o ponto de vista da primeira-dama

Andrew Garfield fala sobre selinho em Ryan Reynolds no Globo de Ouro - e repete a dose em apresentador!

Ao falar sobre o assunto, Garfield beijou Stephen Colbert