Guia da Semana

Engraçada, bonita e inteligente

De Los Angeles


Diferente de suas personagens tapadas e sem noção, Anna Faris é muito mais que um rostinho bonito. A atriz que começou o sucesso com Todo Mundo em Pânico fala de seu estilo de trabalho, importância das comédias hoje em dia e mostra que entende do que faz mesmo quando interpreta mais uma loira burra em A Casa das Coelhinhas, que estréia no circuito brasileiro. Confira entrevista exclusiva do Guia da Semana!

Fábio Barreto: É verdade que você não tinha nenhuma intenção de fazer comédia?
Anna Faris:
É, tudo começou quando cheguei a Los Angeles. Fui fazer o teste para Todo Mundo em Pânico, pois precisava de trabalho e, quando voltei para casa, eu e minha companheira de quarto concordamos que não tinha a menor chance, afinal, eu não sou engraçada! Levei um susto quando passei e juro que ia trabalhar todos os dias esperando que alguém se tocasse e me mandasse embora. Ainda bem que funcionou e aí comecei a gostar das comédias.

E quando começou no gênero deu de cara com uma necessidade mais física e boba ou existe espaço para humor mais inteligente?
Anna Faris:
Sempre fui uma garota muito séria. Pelo menos pensava assim. Quando fiz as primeiras comédias, percebi que era possível ser inocente e mais complexa ao mesmo tempo, claro, se o papel permitir. Mas sei que o objetivo da maioria dos meus filmes é deixar o público relaxado e entretido, então não dou a mínima quando me chamam de loura burra. Já liguei muito para isso, mas consegui separar o que interpreto de quem eu sou. Mas uma coisa eu digo, pode apostar que sou a única comediante que nunca vai fugir da raia em prol do personagem ou de uma boa piada. O filme precisa disso e eu me entrego.

E qual foi a coisa mais bizarra que você já teve que fazer?
Anna Faris:
A cena de sexo do primeiro Todo Mundo em Pânico, com certeza! Aquele monte de pêlo voando foi algo totalmente nojento!

Quando você faz algo assim chega a pensar em como a imprensa vai encarar os exageros? Afinal de contas, quase tudo ganha mais importância do que realmente tem...
Anna Faris:
Não penso nisso, mas sempre fico assustada com esse tipo de leitura. Esse gênero existe para ser engraçado e divertir, então, qualquer análise que extrapole a comédia pura e simples só serve para algumas pessoas tentarem vender mais jornais... ou ingressos! Sempre fiz filmes ofensivos e cheios de estereótipos, mas todos engraçados. Se começar a me preocupar com o que todo mundo pensa, minhas comédias vão ficar sem sal e as chances de falha aumentam um bocado. Por exemplo, Observe and Report, meu próximo trabalho com Seth Rogen, é um dos filmes mais agressivos e preconceituosos que já fiz, pelo menos de acordo com os críticos. Já tem gente exagerando e ainda nem estreou, acredita!? (risos)

Sua personagem em A Casa das Coelhinhas faz algo muito estranho com a voz. Parece o Exorcista! De onde veio essa idéia?
Anna Faris:
Acho que vou ter que fazer essa voz pelo resto da minha vida agora! Pediram que eu fizesse alguma coisa engraçada para não ser ´só´ uma coelhinha sem-teto, então pensei na voz diferente. Juro que foi a coisa mais esquisita, feia e nojenta que já fiz, só que a equipe começou a rir sem parar, então deixamos no filme! Isso eu até repito, mas juro que nunca mais me arrisco num bueiro, vai que encontro um com ar quente e me queimo de verdade!

Leia as matérias anteriores do nosso correspondente:

  • Mary Costa: A dubladora original da princesa Aurora fala sobre o relançamento de A Bela Adormecida

  • Billy Bob Thornton: Astro se diz um ator por acidente

  • Nick Nolte: Com mais de 70 filmes na carreira, astro critica a mediocridade nas telonas.


    Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

    O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

    Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

    Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.

  • Atualizado em 6 Set 2011.

    Compartilhe

    Comentários

    Outras notícias recomendadas

    Robert Downey Jr. será "Doutor Dolittle" em novo filme do personagem

    "The Voyage of Doctor Dolittle" ainda não tem data de estreia

    Novo “Power Rangers” equilibra nostalgia e modernidade e foca no público adolescente

    Filme aposta no desenvolvimento dos personagens e trabalha a diversidade

    "A Bela e a Fera" é a maior estreia do ano - e a sétima da história dos EUA!

    Filme estreou na última quinta-feira soma faturamento de US$ 350 mi ao redor do mundo

    “T2 Trainspotting” – como o original, sequência também é um espelho do seu tempo

    Longa se passa 20 anos depois do clássico e traz de volta o mesmo elenco

    "Viva - a Vida é uma Festa", nova animação da Pixar, ganha primeiro trailer

    Com dublagem de Gael García Bernal, filme estreia em janeiro de 2018

    A Bela e A Fera, antes e depois: comparamos o filme de 2017 com o clássico de 1991

    Produções são quase idênticas na trama, mas detalhes fazem a diferença