Guia da Semana

Entrevista com Matt Reeves, diretor de Cloverfield - Monstro

Cineasta fala sobre a construção do longa ao lado de J.J. Abrams, o criador de Lost

De Nova Iorque

Foto: Divulgação
Diretor no set de filmagens de Lizzy Caplan

Horas antes da estréia de seu primeiro grande filme em Nova Iorque, o diretor Matt Reeves, co-criador do seriado Felicity e amigo de infância de J.J. Abrams, bateu um papo com o correspondente internacional Fábio M. Barreto sobre Cloverfield - Monstro e outros projetos da Bad Robot Productions, companhia composta por ele, Abrams e Drew Godard, aliás, o roteirista de Cloverfield.

Fábio Barreto: A câmera não pára de se mover um minuto em Cloverfield. Foram os próprios atores ou cinegrafistas profissionais que filmaram?
Matt Reeves:
Os atores puderam filmar algumas cenas, sim; mas, na maior parte das vezes, os cinegrafistas estavam correndo com eles, dando o enquadramento que precisávamos para encaixar o monstro e os demais efeitos especiais. Foi difícil e precisamos de quatro profissionais diferentes durante as filmagens, pois o equipamento era muito pesado e eles não agüentavam muito sem correr riscos físicos.

E eles deram todo aquele ritmo corrido e tremido à la A Bruxa de Blair...
Matt Reeves:
Embora A Bruxa de Blair tenha feito algo parecido, o formato que usamos foi totalmente copiado do YouTube e de vídeos caseiros. Fizemos o possível para parecer bastante real e verossímil. Se é que pode se dizer isso de um monstro a solta na cidade. (risos).

Aliás, tem muita gente falando que o filme é metáfora do terrorismo...
Matt Reeves:
Como pode ser terrorismo? Por mais perigosos que eles sejam, quem é que pode arrancar a cabeça da Estátua da Liberdade e fazer um strike nos prédios do sul de Manhattan? Esse pessoal é bem exagerado.

Assim como o seu monstro! Aliás, o que é ele?
Matt Reeves:
Não sabemos direito. Conceitualmente, tentamos criar algo que evoluiu de algum organismo ou criatura que existe no nosso mundo e virou aquela coisa. Nosso bebê é muito nervoso e não vemos quase nada do que ele é capaz de fazer, há partes e habilidades dele que tivemos que cortar na edição final...

Espera aí, bebê? Quase nada? Onde está a mãe dessa "criancinha"?
Matt Reeves:
Imagine uma criança perdida e apavorada. Não há nada pior que uma criatura desse tamanho, totalmente desorientada e brava, além de tudo, começam a atirar nela. Tentei imaginar como seria se um bando de abelhas me atacasse. Elas não vão me matar, mas vão causar muita dor e irritação.

Somos abelhas, então...
Matt Reeves:
Na verdade, somos mais como ratos vendo um elefante enfurecido. É essa a visão que Cloverfield passa. O ponto de vista dos personagens é o mais plausível possível. Não existe aquela tomada aérea do diretor onipresente, sabe. Não dá para mostrar coisas que eles não vêem, no máximo, a TV dá alguma informação a mais, mas é isso aí.

E eles mostram tudo o que aconteceu?
Matt Reeves:
Não, e aí é fica mais interessante, pois vemos pessoas tirando fotos com celulares e câmeras amadoras, mais gente filmando, enfim, várias perspectivas de um mesmo acontecimento. Num dos momentos, na cena da Ponte do Brooklyn, vemos um outro cara filmando a fuga e, por alguns segundos, a nossa câmera fica parada de frente com a dele. É um momento de interligação entre dois filmes diferentes. Duas visões daquele evento caótico.

Hum, partes do monstro que não vimos, outras perspectivas, monstro-bebê sem mãe... Isso leva a uma continuação, certo?
Matt Reeves:
A idéia é mais ou menos por aí, mas ainda estamos conversando com o estúdio [nota posterior: as negociações foram confirmadas e a continuação deve mesmo acontecer]. Há muito que ser mostrado sobre o acontecimento Cloverfield. Não sei se vou estar envolvido, mas essa é a base para um novo filme.

Não estará envolvido por quê? Algum projeto da Bad Robot em andamento?
Matt Reeves:
Porque ainda é muito cedo para falar e também porque terminei, há pouco, o roteiro de Invisible Woman, que não tem nada de ficção científica e que vou dirigir. É a história de uma mulher que se acha tão insignificante e acredita tão piamente não ser percebida por ninguém, que começa a fazer coisas extremas até chamar a atenção. Ela decide roubar bancos. Esse argumento é baseado em várias histórias reais, de gente que é simplesmente ignorada mesmo. É um suspense meio hitchcokiano.

Por falar em suspense, como você fazia para manter os atores naquele estado de adrenalina sem existir um monstro propriamente dito no set de filmagens?
Matt Reeves:
Eu usava um megafone e ficava gritando: É O MONSTRO! GRITEM! CORRAM!!!

E funcionava?
Matt Reeves:
Bastante... e eles levavam cada susto! (risos)

Veja também a crítica do longa-metragem!


Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017

Cahiers du Cinéma elege os melhores filmes de 2016

O brasileiro "Aquarius" aparece em quarto lugar na lista